Lugares para conhecer mulheres

Bares estão na lista de melhores e piores lugares para conhecer mulheres! Como assim? Bem, existem bares e bares. Os melhores bares para paquera são aqueles mais com cara de pub: tem música, uma luz um pouco mais fraca e as pessoas ficam de pé. Isso facilita a interação entre os grupos. Você agora conhece 10 excelentes lugares para conhecer mulheres solteiras, e também aprendeu importantes dicas de paquera, então o seu próximo passo é colocar tudo isso em prática. Um abraço, e boas paqueras! Como deixar uma mulher facilmente atraída por você! Há uma tonelada de lugares onde você pode conhecer mulheres. A chave está indo para um lugar que é de interesse para você também. Você pode encontrar a garota que está procurando enquanto lê na biblioteca pública, mas se você não estiver interessado em ler, você NÃO sustentará seu interesse. Porque há muitos lugares para conhecer mulheres atraentes e divertidas em praticamente qualquer cidade do mundo. Tudo o que você precisa fazer é saber onde procurar… E um pouco sobre o que fazer quando chegar lá. Nesse novo artigo, eu separei 7 Melhores lugares para conhecer mulheres… Um deles certamente será a sua cara, provavelmente ... Interagindo com mulheres online: os melhores lugares para conhecer mulheres online “De qualquer forma, o conceito nasceu e morreu”, diz o relator, referindo-se ao fim do Rfinisha Brasil. Samsung prepara um novo Galaxy F Diversidade com câmeras e rumores; Plantas invadem a China e moradores deixam suas propriedades Conhecer mulheres na internet é a melhor opção. Se você quer conhecer garotas online para encontros casuais, relações sem compromisso ou até mesmo encontrar o par perfeito, a internet pode ser o lugar ideal.. É cada vez maior o número de solteiros que se registram em portais de encontros para seduzir uma mulher e curtir bons momentos.. Sem dúvida em um site ou portal de ... Sendo assim, festas são ótimos lugares para você conhecer novas mulheres e talvez rolar algo a mais depois. Por isso, quando você for convidado para uma festa, ou seus amigos te chamarem para a boate… Vá! Mesmo que você não esteja procurando apenas pegação. Para provar pra você, vou listar aqui dez lugares para conhecer mulheres além da balada. Lojas e shopping. Um lugar onde sempre tem bastante mulher disponível, distraídas e com a energia alta. Por mais que você não acredite, poucos caras se atentam em abordar mulheres fora da balada. Num shopping isso é muito mais difícil de acontecer. Lugares comuns que abrem possibilidades para conhecer garotas são o ponto de ônibus, shopping (no shopping você pode paquerar as atendentes das lojas também), a academia, passear com o cachorro na rua, o jardim frontal de sua casa, a biblioteca, eventos ao ar livre e esportivos etc. Outras opções são a igreja e o centro comunitário. Lugares para conhecer pelo mundo.Vamos falar dar dicas de maravilhosos hotéis, restaurantes, passeios imperdíveis pelo mundo e muito mais.

Eu me sinto estranho, eu sou estranho pra caralho

2020.10.20 03:53 Control-Much Eu me sinto estranho, eu sou estranho pra caralho

Geralmente eu não sou um cara de pedir auto-ajuda, sinceramente esse é meu primeiro post aqui no Reddit, (acredito que já lurkei o suficiente) a real é que eu fui abusado pela amante do meu pai bem novo. (ela tinha 24 e eu tinha 8) isso se perpétuo até meus 13 eu acho com isso a infame desgraçada além de enfiar o dedo no meu rabo conseguiu me transformar em um garoto bem introvertido e quieto, logo, um punheteiro bem novo ela conseguiu me “depravar” bem novo fazendo eu me tornar uma batata social que vivia em função de realizar os desejos pedófilos dela, na real é que eu me sinto culpado por gostar disso além dela ser amante do meu pai e morar na minha casa como se fosse filha da minha mãe (ela simplesmente agiu como santa para ser acolhida pela minha mãe, a mesma tratava ela como minha irmã) logo isso me fez desenvolver vários problemas como fobia social e problemas de insônia pós ela fazia questão de me “felar” a noite assim quando bem entendia, eu geralmente falava não e que ela não podia fazer aquilo comigo então ela tampava minha boca com a mão e continuava.
A longo prazo isso me ferrou de diversas formas tanto nos meus relacionamentos, quanto na vida social e profissional. Além deu ter ereções aleatórias, isso não parou nem depois da puberdade. Eu sou um viciado em pornografia e sexualizo coisas simplesmente não saudáveis, claramente minha mente se tornou perturbada depois daquilo, mas eu nunca desenvolvi um quandro mais sério quando eu era novo, não comparando do que eu desenvolvi uns anos para cá.
Bom, assim que eu cheguei nos 14 e arrumei minha primeira namorada é que eu tive uma epifania, a primeira é que minha vó é uma arrombada (ela simplesmente impatou a minha primeira foda porque minha mãe pos ela de babá para não deixar eu meter o boneco na menina, depois que minha vó expulsou ela da minha casa logo depois essa garota terminou comigo) a segunda é que minha vida não tinha muito sentido as pessoas me usavam para ter o que elas queriam seja prazer momentâneo, objetos, serviços ou apóio moral e logo depois me descartam como um trapo velho, isso tudo veio junto com a morte do meu tio com 42 facadas na barriga, querendo ou não meu tio além de um grande cheirador de coca, era um dos meus melhores amigos (Ele me mostrou jogos online, lan houses, amigos, e cuidava de mim verdadeiramente sem pedir nada em troca além de um dinheiro para ele comprar um saquinho da fininha as vezes) Ele simplesmente curou minha fobia social e fez eu ter a infância que eu tinha perdido por ser um escravo sexual sem amigos de uma deposito imunda que nunca se importou comigo.
Assim que ele morreu meu mundo desabou foi a primeira experiência com a morte que eu tive, logo de alguém tão próximo, isso me quebrou de diversas formas.
Com isso veio a inevitável depressão eu literalmente só existia para um propósito merda, eu comecei a fumar cigarro para passar a ansiedade bem novo com 15 eu já fumava os “diversos” aquilo me trazia a sensação de leveza, mesmo que fosse uma paz momentânea, era como se meu cérebro parasse de “autistar” (eu sou hiperativo) mesmo eu queimando cada sinapse cerebral que eu tinha, aquele amargo na boca me deixava calmo.
Meu vício e depressão perduraram até um webnamoro merda que eu tive em que eu acreditava que era a “garota perfeita” pura ilusão de um emocionado eu realmente pensei que eu poderia vê-la, ter uma família com ela, conseguir consertar as merdas que eu fiz para mim mesmo e começar a amar o falo ambulante que as pessoas acham que eu sou, eu simplesmente dei tudo para ela e durante os primeiros 7 meses foi tudo ok, era muito amor e muita consideração minha, pois eu sou um cara muito “good guy”, ela tinha uma depressão bem forte por conta do pai abusivo e da mãe ausente (o pai dela é pastor e espanca os filhos, fica bêbado, vive na degeneração, bolsominion) esses pontos que geraram uma “femcel” esquerdista e bissexual.
Ela era fofa, eu achava que estava apaixonado, mas como todos os meus namoros ela só meu usou porque não tinha nada melhor. E me trocou por um ex paulista “femboy” que exigia nudes dela e a travata como lixo, simplesmente eu me sentia muito culpado, pois eu tinha me iludido em algo que claramente não tinha futuro, mas eu sou extremamente carente então o melhor encantamento para me levar no bolso é dizer que me ama, independentemente da circunstância, literalmente ela dizia coisas para eu me sentir horrível comigo mesmo e logo depois dizia que me amava, eu me sentia abraçando um cactu mesmo que não fosse de “verdade” era a primeira vez que alguém falava que me amava, eu entrei em pânico, mesmo eu sabendo cada segundo que aquilo não era o certo a se fazer e eu estava regredindo.
Querendo ou não ela me ajudou a superar uma fase da minha vida, mas eu nunca parei de me sentir um objeto. Na real eu ainda tive mais certezas disso eu simplesmente sou um dildo de plástico que estou na gaveta para quando elas não têm ninguém. (não eu não me considero bonito, longe disso eu to mais para brasileiro morador de periferia padrão)
Logo depois disso eu quis adiar o problema e começar a sair mais com meus colegas e meu primo começou a morar aqui por volta de 3 meses foi tudo tranquilo até que fomos num “hokah” (buteco adolescente) nós juntamos lá, eu comecei a beber até que perdi a inibição e comecei a ir em toda mulher que eu via pela frente igual um macaco, a primeira me achou simpático e me puxou pro canto quando tudo já ia dar certo um colega me barrou dizendo que ela já tinha “dono”, eu ri e meti um “a gente divide, né pae” meu colega riu muito, por ele conhecer ela a mais tempo eu decidi não “profita-la”, mesmo com ele não conseguindo pegar ela depois, por pura consideração pelo cara, eu fui em outras 6 depois dessa e tomei fora de todas e ganhei um apelido de 7.
Na real é que as garotas agora me viam como uma piada que está lá para quando inflar o ego delas para quando elas precisam, tradução literal: “esquento para um babaca com grana comer”. Esse foi um dos momentos mais WTF possíveis na minha vida se não fosse a briga com meu primo que rolou depois. Ele ouviu o que eu tinha comentado com o meu colega e como as pessoas gostam de me oprimir inventaram uma história vergonhosa sobre meus foras para parecer herói na frente no irmão do meu melhor amigo, e como o resto dos meus amigos de infância babam o ovo do meu primo eles literalmente concordaram com ele criando 3 histórias diferentes do ocorrido literalmente forçando que eles eram “os heróis que salvaram o pequeno betinha de ser cobrado na saida do butequinho”, além do meu primo viver se achando o bonzão ele era um gigolô da porra em casa e só aproveitava não dando uma foda para minha mãe, sendo que ela fazia das tripas coração pro arrombado ele nunca tratou ela do jeito que ela merecia, eu cobrei a mentira que ele inventou e simplesmente fui contra toda a minha rodinha de amigos sendo fraco e falho.
Eu não deixei ele falar toda aquela merda sem ter penalidades, mesmo implorando para ele parar de falar e párarmos de discutir, ele veio para cima eu dei um no queixo e na orelha.
Foi o suficiente para deixá-lo katinguelê, então ele me ameaçou de pegar uma faca para mim, então eu quebrei uma bacia de vidro e com a mão e com os cacos sagrando na minha mão eu falei “tu meu irmão, que viveu a vida toda comigo, vai me furar, na nossa casa, com a nossa família aqui, NA MINHA CASA?”. Além de jogar umas coisas na cara dele porque ele merecia.
Foi o suficiente para minha mãe expulsar ele de casa, meus amigos acharam que eu armei para ele e a pessoa que literalmente passou 16 anos da vida ao meu lado meu melhor amigo chupou o ovo do meu primo, vendo tudo que ele diz como verdade absoluta.
Mais cedo ou mais tarde íamos brigar eu acabei de brigar com outra pessoa que viveu a vida toda ao meu lado, isso para mim, é frustrante porque literalmente eu sou dependente de toda emoção positiva que as pessoas têm por mim, ele usou o argumento que eu sou “mimado” por não ter nada da forma que eu quero, mesmo eu saindo errado em tudo quase sempre. Esse argumento ele valida falando que “eu tive tudo na vida agora não aguento perder”, eu esqueci de falar que a amante do meu pai antes de ser pega pela minha mãe roubou todo o dinheiro do meu pai e sumiu do mapa.
Meu pai trabalha no comércio então com a crise, inflação, copa do mundo, carnaval e covid. A gente sempre passa um aperto aqui e alí.
Eu simplesmente sou muito sensível a essa merda eu não sei porque esse padrão aleatório de merda me segue e eu não consigo ser feliz, ou do porque eu me importar com isso.
¹Edit: eu comecei a gostar de trans então a tampa do bueiro leva ao esgoto, por isso eu to aqui. ²Edit: eu me sinto sozinho e vulnerável ³Edit: eu sinto que a minha solução seria uma pessoa que sofreu tanto quanto eu para me entender verdadeiramente. ⁴Edit: esse post é frescurento para um caralho, pois eu sou horrível contando algo então essa merda parece pura frescura, mas foi traumático cada segundo ⁵Edit: apanhei para caralho na escola quando era muleque por ser esquisito ⁶Edit: minha irmã não me suportar e tentou me matar usando um iPhone 6 plus, ela quebrou ele na minha cabeça 8 (pontos). ⁷Edit: tentei me matar usando cabo de extensão no box do banheiro e pulando de uma cachoeira.
⁸Edit: é minha primeira vez sendo op aqui, não tenho muito experiência.
Also, acho que embananei essa porra para caralho e não cheguei em lugar nenhum, mas eu precisava de um lugar para postar essa merda sem polimentos com esses pensamentos abstratos antes que eu comece a chorar pelo quão random essa merda de vida é.
submitted by Control-Much to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 12:19 DonaBruxa_Deyse Sobrenatural-Verídico

Preciso dividir isso com vocês! Relato de uma consulente que me procurou desesperada por ajuda espiritual. E irmãos de fé, me ajudem porque nunca lidei com isso não!
Eu ouvi todo o relato. Quanto mais ela contava, mais certeza eu tinha de que se tratava de SETEALEM!
Ela relatou que em maio, devido a pandemia e quarentena, sua família resolveu que seria melhor todos ficarem juntos no sítio dos pais dela, em Sorocaba. Disse que desde o momento que fazia a mala deles, uma sensação de que algo daria errado, pesava. Foi na gaveta do seu filho, que encontrou uma camiseta e um shorts que nunca, jamais vira antes. As roupas estavam sujas, eram velhas, encardidas e cheiravam mal. Nunca teve diarista em casa. Como poderiam aquelas roupas estarem ali? Perguntou pro pessoal e ninguém prestou atenção. Ninguém nunca presta. Naquele dia não estava a fim de começar a gritar tão cedo. Mas estavam todos estressados com os preparativos e ela sozinha pra fazer tudo, deixou pra lá! Enfiou as roupas numa sacola de mercado e deixou no chão, do lado da máquina de lavar na área de serviço. Ela, marido, a filha de 18 anos e seu filho de 5, saíram de São Paulo e seguiram pro interior. Durante a viagem, pra chegar no sítio, passam por uma estrada de terra. Seu filho de 5 anos disse algo que naquele momento não fez sentido algum: - Nem acredito, mãe, que estamos perto da casa do meu melhor amigo que ainda vou conhecer! Eles não deram atenção alguma pro menino. Minutos depois, ouviram um barulho como se tivessem passado por cima de algo na estrada e um dos pneus explodiu. O marido dela controlou o volante e estacionaram. Ele desceu e confirmou que o pneu tinha estourado. Ela pegou o celular pra avisar seus pais sobre o acontecido e que por isso atrasariam. Notou que não tinha sinal de rede em nenhum dos celulares. Não tinha no dela, não tinha no do marido, nem no da filha! Marido trocava o pneu e xingava porque ele nem queria ficar com a família dela! Nisso ela se virou pra trás porque percebeu que o menino estava acenando pro nada todo feliz! Sua filha começou a implicar com o irmão e disse: - Olha mãe, moleque doido! Começou já com as graças. Nisso o menino responde: - É o meu amigo! O amigo que vou conhecer. Olha mãe! Olhaaaa lá! Ela estava cansada, com fome, vontade de fazer xixi, sede e aquilo deixou ela mais puta ainda e nem se deu ao trabalho de responder os filhos. Pneu trocado, seguiram viagem na força do ódio. Uns quilômetros a frente, passaram por um posto de conveniência. Nunca vira esse posto antes. Não era a primeira vez que fazia aquele caminho. O sítio era da família desde que os avós dela casaram. Sua mãe nasceu ali. Ela foi criada ali e fez aquele caminho milhares de vezes desde bebê! Era um posto velho. Tão depredado que parecia estar desativado. Desativado se não fossem uns carros antigos também caindo aos pedaços estacionados em frente. Quem coleciona carro caindo aos pedaços?!?!? Comentou com o marido: - Meu amor, e esse posto que nunca vi na vida! Você viu?! O marido já exausto, responde: - Não prestei atenção! Mas se não viu antes é porque você é cega. Nem olha com essa cara porque você responde pra mim desse jeitinho sempre! Ela respirou fundo pra não começar uma briga ali... faltava tão pouco...perguntaria pro pai dela quando chegasse lá! E foi a primeira coisa que perguntou pro pai depois de abraçá-lo. O pai dela achou engraçado e respondeu que depois di galpão da firma tinha mais nada até chegar no sítio não. Tinha sim! Tinha porque ela viu! Mas também resolveu deixar pra lá esse assunto. A primeira semana foi uma maravilha! No final de semana seguinte, a irmã dela chegou com a família. A avó cozinha umas delícias. Os homens faziam churrasco e tomavam cerveja à vontade. O marido que não queria vir era o que mais aproveitada! A criançada brincava, pulava na piscina, corria livre, dormia e acordava tarde. Mas ela notava o filho dela meio aéreo, mais calado e não estava interagindo com os primos. Algumas vezes teve a impressão de ouvi-lo conversando/ cochichando com alguém mas quando se aproximava, ele se calava. Num sábado, resolveram fazer lasanha, mas faltava queijo, presunto, carne moída pro molho e extrato de tomate. Alguém teria que ir no mercado e pela primeira vez na vida, a filha dela se dispôs a buscar. A menina era habilitada há meses, dirigia por São Paulo, ia e voltava pra faculdade sozinha com o carro da minha cliente. E que perigo teria naquela estrada de terra, pouco ou nenhum movimento e ela iria até o supermercado mais próximo. O filho dela e os sobrinhos quiseram ir também e providenciaram suas máscaras e correram pro carro. Entregou uma nota de 100 reais pra sua filha fazer as compras. Ela me contou chorando que sua consciência pesa por ter pensado e falado pra irmã: - Graças a Deus, pelo menos por uma hora, teremos paz sem essas crianças gritando e correndo! A gente merece um pouco de silêncio sem filho gritando por mãe. A irmã dela riu e concordou.
Segundo ela, olhou no relógio na parede da cozinha, e faltava uns minutos pro meio dia.
O desespero estava pra começar!
Tinha passado uma hora desde a ida e nada dos sobrinhos e dos filhos voltarem. Resolveu ligar pro celular da filha e caia direto na caixa postal! Ligou dezenas de outras vezes e nada. Gritou o marido que estava na churrasqueira. Ele, o cunhado e o pai dela estavam bebendo desde às 8 da manhã. Quando ela relatou sua preocupação, eles não levaram a sério. Segundo os homens, as crianças logo estariam de volta...e foram beber mais. O coração dela apertou e lembrou do posto que vira na estrada, do filho acenando pro nada... não fazia sentindo, mas só pensava nisso. Tentou ligar mais vezes e como nada de atenderem, ela e a irmã pegaram outro carro e foram atrás dos filhos. De longe viram o carro que a filha dirigia encostado na estrada. Ela sentiu alívio por alguns segundos porque quando se aproximaram, o carro estava vazio. A irmã dela até aquele minuto parecia estar muito preocupada não. Porém, desceu do carro chorando. O carro estava parado sentido cidade ou seja, eles nem chegaram ao supermercado. Não tinha sinal deles! Sumiram! O celular não tinha rede, sem serviço e não tinha como pedir socorro ou ligar pra família. As pernas dela tremeram e caiu ajoelhada na terra rezando, pedindo a Deus por ajuda. Nessa hora, ela só lembrava que tinha sido ali que vira o posto de conveniência. Meio ao choro e grito contou pra irmã que vira o tal posto no caminho pro sítio. A irmã dela sem entender já gritou que nunca teve posto ali merda nenhuma. Minha cliente resolveu que iria encontrar o posto porque tinha merda de posto sim! O carro era da irmã dela que respondeu no gritou que não sairia de perto do carro, caso os filhos voltassem. Alguém tinha que avisar a família que estacavam em casa sem saber de nada! Entre gritos e mais choro, resolveram que a irmã voltaria pra avisar os outros e do sítio, ligaria pra polícia. Minha cliente esperaria no carro. Lógico que não conseguiu esperar e decidiu que procuraria por eles. Saiu com o carro que a filha dirigia. Dirigiu até o galpão da firma que tinha na estrada! Nada do posto. Fez o retorno, foi até o lugar que encontraram o carro abandonado e nada. Ela me contou soluçando que não era possível aquilo estar acontecendo. Desespero tinha atingido nível máximo! A irmã não voltava e a hora estava passando... e se ficasse noite?!?!? O que teria acontecido? Assalto? Sequestro? Nesse desespero fez o trecho até a firma, ida e volta, umas 5 vezes até cruzar com o carro da irmã. Vieram o marido, seu pai, cunhado e irmã. A avó ficou em casa, caso a polícia ou as crianças ligassem. Os homens bebados, ela e irmã histéricas! Ninguém se entendia. Depois de muita discussão quando tinham chegado à conclusão que o melhor era ir até a delegacia fazer um boletim, chega uma viatura com dois policiais. Ela tomou a frente e contou o ocorrido. Falou sobre ter visto por ali um posto de conveniência. Nessa hora os dois policiais se entreolharam. O marido dela emendou que ela era doida e que outra vez estava falando desse maldito posto. Um dos policiais, muito calmo contou que apesar de não existir nenhum posto naquele trecho, não era a primeira pessoa a relatar ter visto um. Sem contar muitos detalhes, falou que também não era a primeira, nem segunda vez que pessoas se perdiam e desapareciam naquela estrada! Os polícias pediram para que todos seguissem até a delegacia. Minha cliente e o marido, foram no carro encontrado na estrada e os outros, no carro da irmã. Na delegacia, um boletim de ocorrência foi feito. Mas todos os policiais ao ouvirem o relato, se entreolhavam de modo muito estranho. Só minha cliente notou. A polícia deveria esperar 24 horas após o desaparecimento pra iniciar as buscas! Um daqueles dois policiais que atenderam a ocorrência na estrada, disse baixinho pra minha cliente ficar calma que as crianças apareceriam. Porque todos tinham voltado de lá! Ainda na delegacia, ligavam de minuto a minuto pro sítio com esperança de receber boas notícias. Saíram da delegacia, por volta das 23 horas, ligaram mais uma vez pro sítio no caminho de volta. Nada! Ela e o marido não trocaram uma palavra...ambos choravam! Porém, ao estacionar o carro, ouviram as vozes das crianças e da avó. Ela sentiu um alívio e entrou na casa, agradecendo a Deus. Quando correu pra abraçar os filhos, paralisou. Impossível! Era impossível seu filho estar vestindo o shorts e a camiseta que ela tinha tirado da gaveta e deixado dentro de uma sacola deixada no chão da lavanderia, na sua casa em São Paulo! NÃO ERA POSSÍVEL!
Relato das crianças e da filha:
A filha contou que enquanto dirigia pro supermercado, viu o posto de conveniência, seu irmão, o filho da minha cliente de 5 anos, ao ver o tal lugar pediu pra parar ali! Ele pediu tanto, apelou usando “ por favorzinho” que convenceu a irmã a parar pra comprar tudo ali mesmo. O estacionamento da tal conveniência estava lotado de carros antigos. Seria melhor deixar o carro na estrada. Pensou que fosse um desses encontros de colecionadores de carros antigos. Nunca tinha visto nenhum daqueles modelos antes! A menina ainda relatou ter pensado em como alguém compraria ou colecionaria “uns trem” tão mal cuidado, caindo aos pedaços?!?!?!?!? Mas que só poderia ser coisa de”véi” mesmo. Entraram todos no estabelecimento e “bizarro” foi o termo usado ( pela filha dela) pra descrever o local e as pessoas! -Era um povo feio, tudo com pele amarela de doente, dentes podres, os homens e as sobrancelhas grossas e unidas... inclusive a de todas as mulheres! Até as crianças eram horrorosas... Crianças tinha fisionomia de velhas e sofridas! O lugar fedia! Fedia podre! Uma barulheira, todo mundo berrando, tocava uma música que ela não conseguia explicar. Era um ruído que estava grudado na cabeça dela. A música era um xiado fino, alto que dava a impressão de estar tocando dentro do corpo dela. A música machucava o seu pensamento. Era uma penumbra... uma luz que não iluminava e era difícil enxergar as coisas... ela tinha que forçar os olhos, piscar algumas vezes até distinguir os objetos ao redor. Objetos que nunca vira! Não dava pra imaginar a utilidade deles! Eram muitos corredores e prateleiras cheias de comida e coisas sem sentido! Enquanto se concentrava pra lembrar tudo que precisava comprar pra lasanha, a música dentro dela apagava as palavras. Ela fechou os olhos e forçou a memória... Talvez a força do seu pensar fez a música parar. Fez as pessoas pararam de gritar! Sentiu as maozinhas dos seus primos agarrarem sua mão e sua roupa. Ela sabia que estava chorando. Disse: - Mãeeeeee, fiquei com medo de abrir os olhos porque eu senti o peso daquele povo bizarro encarando a gente. Só abri porque ouvi um deles( referindo a um dos primos) dizer meu nome! Quando abri os olhos, meu irmão tinha desaparecido. Ele tinha sumidoooooo!!! Mãeeeeee, ele sumiu e não foi culpa minha... foi um segundo! As luzes começaram a piscar. Era uma luz sem cor, parecia que estávamos dentro de uma das fotografias daqueles binóculos da vovó! E as pessoas apontavam o dedo na nossa direção, gritando...eles gritavam sem mexer a boca: INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI! Eu olhei pra uma senhora que estava bem próxima de nós e pedi ajuda. Contei que precisava comprar o que a mae nos pedira ... perguntei se ela tinha visto pra onde fora meu irmão. Mostrei o dinheiro! Ela riu!Quando ela abriu a boca sem nenhum dente, senti um bafo tão podre que o vômito quase saiu! Os primos estavam chorando, tremendo agarrados em mim! Comecei a chamar ele ( irmão/filho 5 anos)... e os bizarros, outra vez começaram : INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI!
Eu não conseguia me mexer. Não dava pra andar!
E a música entrou em mim outra vez, mais alta e barulhenta! Minha cabeça doía e achei que desmaiaria. Nunca desmaiei... nas sabia que estava pra cair dura no chão! De repente, mas um de repente que pareceu horas, meu irmão aparece de mãos dadas com um bizarro tamanho criança. Ele veio dizendo que era o amigo que ele disse que conheceria aquele dia no carro no futuro. O bizarro chegou perto da gente dizendo que também me conhecia! Que já tinha falado que ( o filho de 5 anos) deveria fazer comigo o que (ele, bizarro!) tinha feito com a irmã dele! Eu puxei ele( apontou pro irmão) pra perto da gente! Mãe, ele não queria vir com a gente! Disse que ficaria com o amigo lá. Aí eu fiquei louca, fui arrastando todo mundo pra fora! O bizarro amigo dele, disse pra eu não falar alto porque “O ALGUEM”poderia acordar e pegar a gente pra ele! Eu mirei o rumo da porta, comecei a correr, as crianças também e o bizarro atrás da gente. Tinha escurecido. Era noite! Tinha neblina, um frio que esfriou meus ossos. Daí a gente correu muito! A gente corria e não chegava nunca até a estrada! Mas quando conseguimos, eu olhei, eu pisquei pra ver melhor e o carro tinha sumido. Sumidooooooo! O carro não estava mais lá! Sentamos no meio fio, meu irmão chorando porque queria voltar pra ficar com o amigo, os primos pedindo pela tia! Eles tremiam e batiam os dentes de frio! Entrei em pânico,porque como eu explicaria que perdi o carro, não comprei as coisas! Foi aí, que vi você mamãe, passar na nossa frente dirigindo nosso carro. Gritamos, corremos atrás de você, acenamos e você não olhou! Você não ouviu a gente gritar! Maeeeeee, você foi e voltou, foi e voltou, foi e voltou! Depois passou a tia em outro carro com o pai,o vovô e o tio! Mãe e tia, vocês nos ignoraram na beira da estrada. E aquela peste do moleque bizarro, de longe morrendo de rir da gente e gritando BEM FEITOOOOO! Como se não bastasse tudo isso, começou a ventar forte e a tempestade começou a cair. Ficou mais frio e a gente não conseguia respirar de tanta água que caia. A solução foi vir a pé, estrada escura, com chuva...Andamos até aqui!
OS SOBRINHOS:
-A gente ficou com muito medo! - Eu fiquei com tanto, tanto medo que fiz xixi na calça. -Eram monstros! - Eles queriam comer a gente! -Você não viu?!?!? Eles iriam picar a gente pra vender como carne moída! -Sera?!? E choraram muito. Ainda não conseguem dormir sozinhos em seus quartos. A luz tem que ficar acesa! Quando dormem, têm pesadelos e acordam aos berros!
O FILHO DE 5 ANOS:
-Mãe, foi legal. Sabia que meu amigo morava ali? Eu disse! Ele me visitava as vezes nos sonhos. Mesmo quando eu sonhava acordado e de dia! Hoje, a gente brincou de esconde-esconde e pega-pega!Fui na casa dele e comi comida lá! Sujei minha roupa de sangue e a mãe dele me emprestou essa. Essa roupa é do meu amiguinho! Ela falou que vai lavar a minha e depois trazer aqui pra você! Me convidaram pra ir lá outras vezes, passar as férias. Falei que pediria pra mamãe e pro meu papai! Foi super legal e meu amigo disse que já tinha me visto lá no futuro muitas vezes e que morarei com eles pra sempre! Pra sempre é muito tempo? Posso, mamãe? Deixa, por favorzinho?Por favorzinho? Eu convidei ele pra vir aqui amanhã brincar comigo, tá? Se você falar com a mãe dele, ela poderia deixar ele dormir aqui, né?!?!? Deixa, por favorzinho... diz que sim, mamãe!
Voltaram TODOS PRAS SUAS CASAS EM SÃO PAULO no dia seguinte, assim que o dia clareou. Os pais dela colocaram o sítio à venda e moram com ela, por enquanto. Minha cliente acredita que existe um lugar além. Ela tem certeza absoluta e provas disso! Está apavorada. Seu filho fala, brinca, canta, dá gargalhadas e afirma que o amigo está ao lado dele! Assim que entrou na sua casa em SP, correu até a lavanderia. Ela encontrou as roupas que seu filho usava no dia do sumiço. Estavam dentro da sacola, ao lado da máquina de lavar!
submitted by DonaBruxa_Deyse to u/DonaBruxa_Deyse [link] [comments]


2020.10.13 07:10 TapperTotoro Eu venci a depressão e é isso que tenho feito desde que me curei! - Parte 5/365

Uma espécie de diário aberto: Tinha vezes em que eu não queria ou voltava para casa.
Olá!
(Editado: comecei a escrever há mais de três horas (usar atrás nesse ponto configuraria redundância lol) e agora que terminei, vejo que o texto é enorme. O próximo será mais curto, prometo!)
Para colocar em perspetiva: tudo isso aconteceu no meu último ano de casamento, e nessa mesma altura, os pensamentos sobre acabar com a minha própria vida ganharam tamanha força e se a minha ex-esposa não tivesse ficado grávida do nosso segundo filho, tenho a certeza de que não estaria por cá hoje. Ele, o meu segundo Príncipe, foi um dos gatilhos para a minha decisão de lutar pela vida.
Em 2018 aconteceram imensas coisas e mudanças na minha vida, começando pelo caos no início do ano após perder o trabalho porque os serviços de fronteiras e estrangeiros de Portugal cometeram um erro relativo à caducidade do meu cartão de residência (deveria caducar em Agosto, e eles colocaram Fevereiro - o documento tem a validade de 5 anos, o meu teve 4 anos e 6 meses apenas), e por conseguinte, estar impedido de trabalhar (por conta própria ou de outrem), seguido do facto que eles obrigaram-me a renovar o meu passaporte que caducava em, na altura, mais ou menos seis meses (para cidadãos Angolanos isso implica duas coisas: ou gastar mais de dois mil euros para viajar para Angola e tratar dos documentos ou pedir para alguém que tenha uma procuração para tratar, apostilar e autenticar em vários órgãos governamentais Angolanos e Portugueses em Angola tais documentos, coisa que demora pelo menos 2 meses).
Segundo, o piorar da relação "juridico-afetiva" porque mesmo com todas as coisas que aconteciam na minha vida, a minha ex-esposa acusava-me das coisas mais absurdas (se ela sonhasse com algo que me envolva com outra mulher a culpa era minha; se uma mulher na rua olhasse para ela de forma fixa era porque tinha alguma coisa comigo mesmo quando ela saía sozinha; discussões e acusações de que ela era vítima por parte da família dela acabavam sempre com o "eu só não faço porque o Aladino não gosta" - nota: esforçava-me para estar com a família dela, mas havia dias em que preferia não estar porque não são as melhores pessoas do mundo, mas nunca a proibi de ir, mesmo sem mim, mas ela sempre disse que não ia porque eu não queria ir ...).
Tudo isso e mais alguma coisa me fez me focar imenso em começar a trabalhar num projeto pessoal enquanto estava proibido por lei de exercer alguma atividade laboral remunerada por causa dos meus documentos de residência que, mesmo que erradamente, estavam caducados. Então atirei-me de cabeça para um projeto literário para editar e publicar obras de outros autores sem cobrar absolutamente nenhum valor monetário. Como é que pretendia ganhar dinheiro com isso? Por cada cópia das obras artísticas que o autor vendesse, eu ganharia 5% e outros 5% iam para um fundo para ajudar tanto os autores quanto outras pessoas que precisassem de ajuda, 10% o autor tinha a opção de investir para criar "merchandise" e os restantes 80% revertiam integralmente para o autor, afinal, ele é a pessoa mais importante no projeto que tinha. Além disso, também tinha alguns pequenos investimentos que me ajudavam a suportar as despesas mensais ...
Aos poucos fui ficando mais reservado pois sentia-me traído pela minha ex-esposa depois de ter pedido em várias ocasiões para que ela não me usasse como escudo para as guerras dela e para que parasse de falar dos meus projetos e problemas ou questões para outras pessoas, coisas estas que só diziam respeito a mim e à ela. Ela prometeu-me também em várias ocasiões que não o faria (por incrível que pareça, as mesmas pessoas que eu não queria que soubessem das coisas, não sei com que intuito, conversavam comigo a falar sobre tudo o que faço, e também sobre as que não fazia eu a ideia que fazia, mesmo sem ter eu contado nada, exceto para a minha ex-esposa), mas por amá-la imenso, não me chateava ou discutia. Na verdade (só) discuti uma vez, pois prefiro sempre estar calmo e conversar do que me exaltar ...
Isso fez-me adotar um ciclo que se tornou mais vicioso do que era: acordar, trabalhar, estudar e quando me lembrasse, comer. Era (quase) tudo o que fazia. Não havia nos meus dias espaço para lazer para mim, não havia espaço para falar com amigos (ou poucos que restavam e que não sucumbiram ao veneno dela ou não pararam de falar comigo por causa dos ciúmes dela), não havia espaço para viajar e estar com a minha família; nada extra, somente acordar, trabalhar, estudar, comer, tentar dormir.
Aos poucos o projeto começou a dar muito certo, e como não tinha dinheiro para contratar alguém para me ajudar, tampouco podia por causa da situação dos meus documentos; comecei a fazer mais coisas, como ir à reuniões com possíveis autores e com os que tinham obras comigo para editar e publicar, conhecer instituições com as quais queria ter parcerias, salas e auditórios para o lançamento das obras que editaria e publicaria sob o selo do projeto, enfim, uma infinidade de coisas que não conseguia terceirizar. Além das imensas chamadas telefónicas e emails, tinha de ir presencialmente a muitos lugares, recebia muita gente em casa também (onde tinha o meu escritório) e muitas das vezes tinha de ir para lugares que só funcionavam ao final da tarde e noite (na maior parte das vezes era porque eu só conseguia ir para lá ao final da tarde mesmo).
Por algum motivo, a minha ex-esposa tinha ciúmes disso e as pessoas diziam que andava a traí-la, tanto que ela visitou "bruxas" ou pessoas que "têm visão" e que diziam que era isso que eu andava a fazer sempre que recebia uma mulher em casa (eu sou "bissexual" e as pessoas com "poderes sobrenaturais" nunca afirmaram que eu a traí com homens, só com mulheres), mas não me importava com isso pois tinha a minha consciência limpa. O cúmulo foi quando alguém disse que me viu num lugar com uma mulher qualquer quando estava em casa a dormir, e ela minutos antes saiu de casa para ir às compras e deixou-me a dormir e era fisicamente impossível eu estar naquele lugar (não existe maneira de sair em menos de 10 minutos do ponto A até ao ponto B quando a distância entre ambos é de mais de 20 quilómetros e só existirem estradas muito movimentadas e com limite de velocidade de 60 Km/h nessa mesma área). Nessa ocasião, depois de já termos tido vários momentos em que ela gritava comigo por ciúmes (ou simplesmente por algumas vezes dar eu prioridade às coisas que faço em vez das dela - para colocar em perspetiva: 80% do meu tempo e dinheiro foram gastos com e para ela, 19% com os meus filhos e o restante 1% era para mim e para os meus amigos e outros familiares, isso desde que me mudei para Portugal em 2012) ela preferiu acreditar na pessoa que disse que me viu na rua com uma mulher qualquer. Simplesmente cansei-me de (tentar) explicar e voltei às minhas coisas (nota: não é muito fácil eu ser confundido com outra pessoa, primeiro porque sou extremamente alto, e segundo porque eu tinha o cabelo cor de prata na altura e não corto a barba numa tentativa de fazê-la crescer, coisa que se tem mostrado infrutífera para a minha deceção heheheh).
Os dias em que eu saía de casa, conduzia sem destino ou estacionava o carro num lugar qualquer e caminhava sozinho, voltando para casa somente no dia seguinte.
Depois desse episódio absurdo, passei e ligar cada vez menos ao que as pessoas diziam sobre mim, inclusive ela, a minha ex-esposa, pois nada disso me estava a fazer bem, e sempre que o ambiente em casa ficava insuportável, eu saía de carro sem destino, sem atender o telemóvel ou ver as mensagens, eu simplesmente queria estar sozinho com os meus pensamentos e tentar entender o porquê de mesmo não fazendo nada de errado, estar sempre errado. Todo esse caos junto com o luto pela morte do meu pai que só consegui fazer depois de me divorciar, arrastaram-me para o fundo do poço da saúde mental, não havia um dia em que eu podia parar para estar com ela sem que começasse tudo bem e se alguma pessoa afirmasse alguma coisa que não fiz, ela simplesmente acreditava nelas mesmo não dando eu motivo para tal. Ou terminavam mal quando ela queria sair e eu não podia/queria ir com ela, ou se fosse, não fizesse tudo exatamente como ela queria que eu fizesse.
E esses dias terminavam comigo a ouvir os gritos dela, com ela a gritar com o meu primeiro Príncipe por coisas absurdas, com ela a chorar e a pedir desculpas e prometer que mudaria e não mais gritaria pois eu odeio gritos por causa da minha infância e ela sabe disso desde que nos conhecemos, e afirmava isso sempre que pedia desculpas; mas o dia seguinte era só uma "reprise" do dia anterior mas mais intenso pela negativa ... a única saída para mim era sair de casa sem destino, ir até ao mar algumas vezes e deixar que o mundo lavasse a minha alma e mente, mas estava errado. Ninguém sobrevive ao caos se não sair dele definitivamente e afastar-se da variável que é a ignição do caos. Eu só percebi isso num dia em que saí de casa de madrugada e numa estrada reta fechei os olhos (não para dormir, mas fechar para não ver o mundo mesmo) e acelerei o máximo que pude. Eu queria ver até onde é que conseguia ir se não visse nada, ou o que aconteceria se tivesse um acidente, mas alguma coisa fez-me abrir os olhos.
No dia que precedeu o em que fechei os olhos enquanto condizia, a minha ex-esposa voltou para casa a chorar em desespero com uma carta (é assim que se chamam dos documentos ou faturas que chegam por correio aqui em Portugal) aberta na mão, e eu soube logo que ela estava grávida do nosso segundo filho, mesmo não sabendo que ela tinha feito o teste ou que suspeitava disso. Soube porque a reação dela foi exatamente igual quando ficou grávida do nosso primeiro filho. Novamente eu sorri e fiquei super feliz apesar de ter, durante o ano de 2017, dito que não queria ter outro filho (ela disse muitas vezes para mim e para outras pessoas com quem estivemos que queria ter outro filho). Abracei-a e limpei as lágrimas dela, disse que estava tudo bem e que teríamos o filho e ela disse que chorava porque achava que eu não quereria que ela tivesse a criança (porque ela contou para outra pessoa antes de me ter contado que estava grávida e esta disse que eu diria para ela fazer o aborto, mas eu sou pró-vida e sempre disse para ela que apesar de não querer, nunca recorreria ao aborto caso ficasse grávida novamente pois todas as vidas são preciosas para mim). No momento não dei importância para esse pequeno facto pois estava tremendamente feliz ... E meses depois, quando a nossa relação chegou no ponto de rotura, soube que ela planeou a gravidez e que usaria isso para prender-me à ela e "salvar" a nossa relação.
Foi um dos piores sentimentos que tive ao ouvi-la a dizer isso ao telefone enquanto falava com a nossa gestora de conta bancária. Ela nunca soube que ouvi essa conversa (acho que achou que eu estivesse no escritório no piso superior de casa e ela estava na sala no piso inferior e do corredor dá para ouvir quem fala na sala, mesmo com a porta fechada). Depois disso, outra pessoa mandou-me uma mensagem a dizer a mesma coisa, e perguntou porquê é que eu queria que ela ficasse grávida só para salvar a nossa relação ... Nunca respondi essa mensagem. Nunca contei para ela que sei de coisas que fomentaram o meu dizer "sim, aceito o divórcio" quando ela pediu o divórcio a meio da gestação do nosso segundo filho (o divórcio também era mais uma jogada dela para "pressionar-me psicologicamente"). As pessoas que se importam comigo até hoje mandaram-me áudios, prints das mensagens trocadas onde ela dizia as coisas mais absurdas e partilhava os planos que tinha para preservar o nosso casamento e manipular-me psicologicamente; cheguei inclusive a entrar para as contas dessas pessoas com a autorização delas só para ver que os prints e áudios eram reais e recebidos das contas que ela usa. Mas o meu "sim" para o divórcio, foi mesmo quando uma das pessoas da família dela disse, numa conversa telefónica, que se me visse na rua atropelar-me-ia por estar eu a pedir o divórcio numa altura em que ela estava grávida, entretanto, quem pediu o divórcio foi ela, depois de sem eu saber ter ela ido ao advogado tratar dos papeis, e para todas as pessoas que ambos conhecemos ela disse que fui eu a pedir o divórcio e a tratar disso (os agendamentos com o advogado).
No início do ano corrente (2020) confrontei-a com esse facto último, pois por alguma razão ela andava a tentar controlar a minha vida mesmo depois do divórcio e disse na minha cara que fui eu quem pediu isso (o divórcio) e que só estamos divorciados porque quis e pedi isso. Foi a primeira vez que ela disse essa mentira para mim, e fiquei chocado pois ela acredita nas próprias mentiras que cria a ponto de contá-las para mim com se fosse verdade. Mandei para ela as mensagens do dia em que ela avisou que estava marcada a reunião com o advogado para tratar dos papeis do divórcio, e na mensagem seguinte pergunto: O quê? Divórcio? Que divórcio?
Ela nunca respondeu a mensagem em que a confrontei com o facto de que foi ela quem pediu o divórcio, não contei outro facto sobre coisas que sei dos planos ardilosos engrenados por ela; e acho que nunca contarei. Só espero que os meus Príncipes sejam fortes o suficiente para lidar com ela até a maioridade, e que ela não os manipule da mesma ou de outra maneira.
Depois do divórcio, nunca saí de casa sem destino, nunca mais discuti com alguém ou me exaltei, vivi na rua e tive crises de ansiedade graves, fiz medicação para a mente, fui acompanhado por psicólogos e tive de ir à polícia apresentar uma queixa de violência doméstica (mesmo depois do divórcio, qualquer tipo de violência psicológica ou física por parte de um ex-conjugue configura violência doméstica aqui em Portugal e pelo que me lembro das aulas de direito que tive no secundário, em Angola também), mas tudo isso foi parte do processo para poder sair definitivamente do buraco da depressão ...
Para todas as pessoas que estejam a viver algo parecido, a melhor saída é mostrar para as pessoas que fomentam o caos da vossa vida que elas são o mal que vos afeta a ver se elas percebem o mal que fazem, mas tentem o máximo que puderem, caso as coisas não mudem ou comecem a piorar, simplesmente afastem-se delas, definitivamente ou não, mas afastem-se, pois a saúde mental degrada-se imenso e se passamos o ponto de rotura, as consequências podem ser desastrosas. Nada nesse mundo vale a perda de uma vida, nada nesse mundo é precioso o suficiente para poluir a nossa saúde mental a ponto de todas as coisas e pessoas se tornarem só objetos animados que nos rodeiam. Afastem-se de tudo e de todos os que fazem mal com consciência dessa maldade. Amem ao máximo, mas afastem-se.
Com carinho;
Aladino.
submitted by TapperTotoro to desabafos [link] [comments]


2020.10.13 04:32 MediaLongjumping Me demiti de um emprego por conta disso ,desabafo

Fiquei 4 anos sem tem um emprego , até que a tão sonhada vaga apareceu ,eu iria trabalhar como técnica em panificação , estava com muito medo ,pois era meu primeiro emprego registrado , mais ao mesmo tempo estava muito feliz . Tive que sair da minha cidade e fazer uma viagem para conhecer a empresa , nessa viagem foram mais 2 mulheres cmg ,daí que começou a implicância cmg , como o ônibus só tem 2 lugares , as 2 queriam sentar uma com a outra , porém uma delas teve que sentar em outra poltrona , daí ela começou a ficar nervosa , mandar indireta , mais fui relevando , ela menstruou até emprestei pra ela minha blusa pra ela colocar na cintura . Chegando na cidade , fomos com o cara da empresa de carro pra la , mais essa mulher vou chamar de Ana , sentou no banco da frente e tava se sentindo a patroa , já queria me dar ordens , dizendo que ela quem iria me ensinar tudo . Chegamos na empresa , fomos conhecer a fábrica , lá diversos caras começaram a mecher comigo (não é mentira minha ) pq a Ana e a outra e loira , eu era a única morena( cabelo escuro ) daí eles falavam nossa que morena linda , onde eu passava eles falavam isso , na hora do refeitório ,esses mesmo caras não tiravam o olho de mim , as duas ficaram incomodadas, dava pra ver na cara de Ana a raiva de mim ,eu ate disse olha Ana tem um carinha ali que tá te olhando sim , ela disse não vc é a única morena aqui . Na saída do refeitório elas me deixaram sozinha , antes Ana me jogou café fingindo ser sem querer, e vi elas falando mal de mim na porta , até aí tudo bem levei numa boa , tinha mais alguns tempo de intervalo , um rapaz veio conversar cmg , eu conversei (até disse ao rapaz que eu já era noiva ) . Chegando na área da panificação ,no teste , eu fiquei muito nervosa , daí uma hora eu cheguei a falar "vou lavar minhas mãos né , tem que lavar " pq eu ia mecher com pão e etc e tinha acabado de sair do refeitório , e elas começaram a rir de mim na frente de todo mundo , mais ngm ligou , uma moça lá experiente me deu todo apoio , na saída indo para o hotel essa Ana olhou pra minha cara e disse "Como vc é uma idiota , só faz pergunta retardada " . Chegando no hotel passei o maior inferno ,a Ana tirou fotos minha só de pijama sem sutiã durante a madrugada ,no outro dia perdi a cabeça discuti com ela ,sai do hotel correndo pq ela ligou para uns bandidos pra me ameaçar , a empresa ficou sabendo ,me tiraram do quarto com elas ,porém elas acharam , batiam na porta do meu quarto , diziam que ia arrombar , liguei para a moça do RH,tiveram que me transferir urgente para outro hotel . No outro dia elas foram demitidas ,e deixaram eu ficar , porém não fiquei por medo de ameaças , me arrependo até hoje de ter saído , foi um pouco antes da pandemia , não entendo até hoje o pq das duas fazerem isso , ja que essa Ana até namorado tinha e eu tbm tenho noivo até hoje . Enfim um desabafo , podem me dar conselho por favor,sem julgamentos ..
submitted by MediaLongjumping to desabafos [link] [comments]


2020.10.05 03:01 YatoToshiro FGO: North American Myth War: E Pluribus Unun (Analise)


https://preview.redd.it/154w34yjd6r51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=c8a5c3adb3635e7b10c97c30a391f441c99ed17b
Ritsuka e Mash chegam na era em uma floresta. Eles se deparam com uma batalha, com um lado usando robôs semelhantes aos de Charles Babbage. Os robôs confundem Ritsuka e Mash como reforços inimigos e os atacam. Depois de destruir os robôs, a dupla é atacada pelo lado oposto quando o outro recua. Embora eles sejam capazes de vencer, Ritsuka é repentinamente atingido por tiros de canhão e fica inconsciente.
Ritsuka mais tarde acorda em uma barraca, sendo tratado por uma mulher. Ela se prepara para amputar o braço deles quando Mash a convence a não fazer isso. Mash então cura as feridas de Ritsuka com um pergaminho mágico. Mash explica que eles estão na base traseira do Exército da Independência dos Estados Unidos. Ela revela que a mulher é uma serva e seu verdadeiro nome é Florence Nightingale. Ela tenta pedir sua ajuda quando o acampamento é atacado. Ritsuka e Mash saem para repelir o ataque, seguidos por Nightingale. O grupo eventualmente enfrentará os comandantes inimigos, Diarmuid Ua Duibhne e Fionn mac Cumhaill. Eles derrotam Diarmuid, mas Fionn se cura e se junta a ele em outra luta. O grupo os derrota, mas Nightingale corre de volta para o acampamento quando ela sente que os feridos estão sob ataque. Diarmuid e Fionn são forçados a recuar quando um Servo com reforços chega.
Mais tarde, uma mulher seguida por uma comitiva de soldados mecanizados repreende Nightingale por deixar seu posto. Ela revela que a América está em uma guerra entre o Oriente e o Ocidente; Oriente sendo os celtas, Ocidente implorando pelos Estados Unidos Ocidental. Ela então se apresenta como Helena Blavatsky. Ela recusa o pedido de Mash para deixar Nightingcale ajudá-los a resolver a Singularidade, mas Nightingale ignora suas ordens. Sem escolha, Helena ordena que seus soldados subjugem o grupo. Eles destroem os robôs, mas Karna chega e os ataca com Brahmastra.
O grupo mais tarde acorda, tendo sido nocauteado pela onda de choque criada quando Mash bloqueou Brahmastra. Eles estão sendo transportados para Denver, onde o rei de Helena tentará convencê-lo a se juntar a ele. O grupo acabou chegando a Denver, onde um castelo foi construído quando os celtas tomaram a Casa Branca.
Dentro do castelo, o grupo encontra Thomas Edison, presidente-rei dos Estados Unidos. Edison pede a ajuda de Ritsuka para derrotar os celtas. Antes de assumir o comando, os celtas superavam os americanos. Ele igualou as probabilidades com seus robôs, mas ele carece de Servos suficientes para virar a maré. Ele declara que fará com que os civis trabalhem 20 horas por dia para manter a produção em massa de seus robôs. Ele então revela que usará o poder do Graal para criar sua América ideal em uma linha do tempo diferente. Este ato pode destruir as outras eras. Nightingale tenta atacar Edison, mas Karna a restringe. Edison então dá a Ristuka três minutos para tomar uma decisão. Ritsuka se recusa a entrar, então Edison faz seus robôs subjugarem o grupo. Oprimido pelo grande número de robôs, o grupo é enviado para a prisão subterrânea.
Na prisão, a ligação de energia mágica de Ritsuka com seus servos é neutralizada por Helena para evitar sua fuga. Mais tarde, enquanto o grupo luta para escapar, um Servo aparece de repente diante deles. Ele pegou emprestado o Nobre Fantasma de outro para evitar Karna e se apresentou como Geronimo. Ele tira o grupo de suas celas e os ajuda a escapar. Ao longo do caminho, ele revela que faz parte de uma resistência contra Edison e os celtas com três outros servos. Ele pede ao grupo para se juntar a ele. O grupo finalmente escapou após derrotar Karna.
O grupo chega a uma cidade deserta que serve como esconderijo da Resistência. Geronimo pede a Nightingale para curar um membro Servo da Resistência. Os outros notam que seu coração está gravemente danificado. Ele se apresenta como Rama, e Gáe Bolg causou seu ferimento. No entanto, Rama não pode ser curado a menos que a maldição de Gáe Bolg seja removida. Já que lutar contra Cú Chulainn para destruir sua lança é quase suicida, o grupo concorda em encontrar um Servo parente de Rama para remover a maldição. Rama sugere sua esposa, Sita, que está presa em algum lugar. O grupo então discute como lidar com os exércitos aparentemente intermináveis de Edison e os celtas. Os soldados celtas nascem continuamente de sua rainha, enquanto os robôs de Edison são produzidos em massa. O grupo deve assassinar os dois líderes para impedir o crescimento de seus exércitos. Eles então partem para recrutar Servos para ajudá-los.
Durante a viagem, Geronimo explica como os cidadãos americanos ocidentais são forçados a trabalhar nas linhas de produção em massa da infantaria mecanizada. O grupo chega a Lubbock, onde dois arqueiros, membros da Resistência, estão sendo sitiados por celtas. Eles os ajudam a repelir o ataque. Os dois se apresentam como Robin Hood e Billy the Kid. Depois que Mash dá os detalhes, Geronimo sugere que o grupo precisa de Sabre e Lancer para ajudar. Robin confessa que conheceu dois Servos problemáticos que se encaixavam nas classes mencionadas anteriormente.
Mais tarde, o grupo chega à entrada de Dallas, onde se encontra um dos Servos que Robin conheceu. Depois de derrotar alguns soldados celtas inesperadamente fracos, eles ouvem uma canção perturbadora que Ritsuka, Mash e Robin reconhecem. Entrando na cidade, eles se encontram com Elizabeth Báthory enquanto ela continua cantando. Eles deduzem que é por isso que os soldados eram tão fracos. Mash convence Elizabeth a se juntar a eles, dizendo que isso ajudará a promover sua arte.
Passando por uma floresta para Alexandria, o grupo testemunha Nero Claudius sendo confrontado por Fergus mac Róich, que foi enviado para matá-la. Robin usa No Face May King para emboscá-lo quando Nero revela sua presença. Os outros então chegam para derrotar Fergus. Antes de desaparecer, Fergus diz a Rama que Sita está detida na Ilha de Alcatraz.
Mais tarde, Geronimo informa aos outros que o reduto celta é a Casa Branca. Ele afirma que o grupo será dividido em dois. Um com Nightingale para resgatar Sita, e outro para se infiltrar na Casa Branca e assassinar a rainha celta. Geronimo decide que Ritsuka e Mash acompanharão Nightingale e Rama; Nero convence Elizabeth a ir com eles. Levando os outros com ele, Geronimo recebe um dispositivo de comunicação de Mash. Na manhã seguinte, o grupo se dividiu em suas respectivas equipes para realizar suas missões.
O grupo de Ritsuka chega à costa perto de Alcatraz. Eles então pegam um barco para a ilha. Chegando à costa da ilha, o grupo se dirige para a prisão enquanto mata wyverns enviados por um Servo. Chegando à prisão, eles enfrentam o Servo, que se apresenta como Beowulf. O grupo mata seu dragão e luta contra ele. Depois de ser derrotado, Beowulf permite que eles entrem na prisão.
Dentro da prisão, o grupo encontra Sita enquanto Rama desmaia de seu ferimento. Sita revela que Rama está sob uma maldição que os mantém separados, mesmo como espíritos heróicos. Qualquer um deles será convocado como Rama para nunca ser convocado simultaneamente, embora a Singuralidade seja uma exceção. Nightingale cura a ferida de Rama, mas a maldição de Gáe Bolg ainda persiste. Sita então se sacrifica pegando a maldição para dissipá-la. Depois que Rama acorda, o grupo sai para se encontrar com o grupo de Geronimo.
Em Washington, o grupo de Geronimo vai assassinar a rainha celta, Medb, durante um desfile. Eles a espreitam com No Face May King e a isolam em Nuptiae Domus Aurea. No entanto, Cú Chulainn Alter aparece de repente quando Medb o chama e ataca Nero. Confuso com sua força dentro do teatro, o grupo descobre que Medb o criou a partir de seu desejo no Graal de Cú Chulainn ser um rei forte e mau que ficará ao lado dela. O grupo luta com ele quando Arjuna chega. Cú Chulainn Alter luta com Nero sozinho enquanto Medb e Arjuna lutam contra os outros. Geronimo ordena a Robin que pegue o comunicador e escape. Depois que ele escapa, os outros continuam com sua batalha.
Enquanto isso, em Alcatraz, o grupo de Ritsuka foge da prisão quando são confrontados por Fionn e Diarmuid. Depois de matar o par, eles recebem uma transmissão de Robin. Ele informa que o plano de assassinato falhou. Ele diz a eles para se encontrarem com ele na base abandonada dos Estados Unidos para onde ele está se dirigindo. Recebendo suas coordenadas, o grupo sai para se encontrar com ele.
Enquanto o grupo de Geronimo continua sua batalha, Geronimo solta Tsago Degi Naleya em Arjuna. Arjuna o destrói com Agni Gandiva, então mata Billy. Medb mata Gerenimo depois que ele previu que ela morreria em breve. Ela então ordena que Arjuna persiga Robin. Depois que seu teatro desaba, Nero é liquidado por Cú Chulainn Alter.
O grupo de Ritsuka acabou localizando Robin para vê-lo sob ataque dos celtas. Depois de ajudá-lo, Robin conta a eles sobre o assassinato fracassado de Medb. Ele também diz que um Servo o salvou da perseguição de Arjuna e Cú Chulainn Alter. Essa mesma Serva então se apresenta como Scáthach. Ela originalmente pretendia destruir a era até decidir que um humano precisa encerrar a guerra ao ver Ritsuka. Ela se recusa a entrar no grupo, mas oferece a ela a mesma ajuda. Ela admite que nem mesmo pode derrotar Cú Chulainn Alter, já que seu poder concedido pelo desejo de Medb rivaliza com o dela. Ela poderia destruir o Graal junto com Medb, mas isso atrasaria muito o reparo da era. Enquanto lutava contra mais celtas, o grupo encontrou Li Shuwen. Ele luta com Mash até a paralisação para testar a força do grupo e para convencer Scáthach a duelar com ele. Ele se recusa a se juntar ao grupo, embora seja um aliado. Ele então sai, dizendo que Edison parece estar possuído. O grupo então sai de Denver para enfrentar Edison.
Viajando de volta para o oeste, o grupo chega a Kearney enquanto é atacado pelos celtas. Eles capturam alguns deles a mando de Robin. Ritsuka e Robin levam os prisioneiros a um robô de infantaria mecanizado. Robin afirma que é o segundo-tenente Anderson Komadori e está transferindo prisioneiros para o quartel-general. Como os prisioneiros são celtas, o robô permite que ele passe. O grupo segue para o castelo de Edison.
O grupo ultrapassa o guarda-robô e entra no castelo. Eles lutam contra Karna até que Edison o chama de volta para a sala do trono. Lá o grupo derrota Edison, junto com Helena e Karna. Edison se recusa a desistir e tenta beber um elixir para se transformar, mas Karna o joga no chão. Nighingale informa que o exército celta é infinito, enquanto o dele é limitado. É então revelado que a tirania de Edison resultou de sua mente sendo afetada por pensamentos acumulados dos presidentes que lhe confiavam o futuro da América. Edison é finalmente convencido por todos a se juntar ao grupo.
Mais tarde, o grupo traça uma estratégia para derrotar os celtas. Os celtas invadirão Denver pelas rotas norte e sul. Se você conquistar mais parte da América, a era não resistirá por muito tempo à separação da realidade e ao colapso. O grupo eventualmente decide com um ataque em duas pontas com dois exércitos para atacar ao longo das rotas do norte e do sul. Um exército manterá sua posição contra os celtas enquanto o outro avançará para a Casa Branca. O grupo deixa a decisão de quais Servos irão com qual exército para Ritsuka.
No dia seguinte, Ritsuka anuncia sua decisão. O exército do norte terá Elizabeth, Robin, Edison e Helena. O exército sul terá os outros. O exército norte então parte para esperar a batalha daqui a três dias ao anoitecer. Depois de testar a determinação de Ritsuka e Mash, Scáthach ordena que Rama comande o exército, já que ela não se juntará à batalha. Em vez disso, ela monitorará Medb e Cù Chulainn Alter, que ela impedirá de entrar na linha de frente. Depois que ela sai, o exército do sul começa seu avanço em direção a Washington.
Quando o exército do sul chega a Montgomery, Mash retransmite uma mensagem de Karna de que sua vanguarda derrotou uma vanguarda inimiga com alguns avanços. Depois de derrotar os retardatários, o exército do sul continua seu avanço quando um batedor informa que o exército celta à frente é liderado por Arjuna. Rama ordena que ele diga a todas as tropas para não se envolverem com Arjuna. Arjuna ordena que suas tropas ataquem o exército do sul enquanto ele luta contra Karna. O exército do sul e o exército celta se enfrentam enquanto Karna e Arjuna lutam. Eventualmente, o exército do sul derrota o exército celta, enquanto a batalha de Karna e Arjuna continua. No entanto, Karna é atingido por trás por Cù Chulainn Alter. Ele revela que matou Scáthach e luta contra o grupo. Ele se prepara para matar Mash quando Merlin, projetando-se através de Fou, o prende em uma ilusão. Karna aproveita para lançar Vasavi Shakti em Cù Chulainn Alter com o que resta de suas forças. No entanto, não foi forte o suficiente para matar Cù Chulainn Alter, e Karna desaparece. Cù Chulainn Alter então se retira para Washington para curar suas feridas. O grupo tenta persegui-lo quando Arjuna os impede para lutar contra eles. Depois de derrotá-lo, Mash pede a Arjuna para se juntar a eles, mas ele recusa e vai embora. O exército do sul então continua seu avanço.
Enquanto o exército do sul se envolve com as forças celtas que se aproximam, os detalhes da luta entre Cù Chulainn Alter e Scáthach são revelados. Durante a luta, Scáthach e Cù Chulainn Alter anularam o Gáe Bolg um do outro. Scáthach ativa Portão de Skye para puxá-lo para a Terra das Sombras, mas ele ativa Curruid Coinchenn para evitar isso. Ele então a esfaqueia, e ela foge para a Terra das Sombras para se recuperar. Lá ela conhece Li Shuwen e pede a ele para ajudar o exército do norte até que ela se recupere. Li Shuwen atende seu pedido. Na frente norte, o exército norte continua sua batalha contra o exército celta principal. Beowulf chega e luta contra Robin e Elizabeth, enquanto Helena e Edison lutam contra os celtas. Felizmente para Robin e Elizabeth, Li Shuwen chega e se envolve em uma briga com Beowulf.
Enquanto isso, o grupo de Ritsuka finalmente chega a Washington. Eles matam os monstros invocados de Medb e perseguem-na quando ela se retira para a Casa Branca. Na Casa Branca, o grupo vê que foi transformado de seu estado original. Lá dentro, eles lutam contra Cù Chulainn Alter e Medb. Embora mortalmente ferido por Brahmastra, Medb usa o Graal para convocar o Clã Calatin para atacar o exército do norte. Ela então dá o Graal a Cù Chulainn Alter antes de desaparecer. A energia mágica de Cù Chulainn Alter enfraquece devido à autocorreção do fortalecimento da era com Medb agora extinto. O grupo então luta contra Cù Chulainn Alter.
Ao mesmo tempo, o exército do norte continua a lutar contra o clã Calatin. Edison tenta se autodestruir sobrecarregando seu Nobre Phantasm para proteger os outros. Ele é interrompido pelo súbito aparecimento de Nikola Tesla, que chegou para salvar a era para se arrepender de suas ações em Londres. Percebendo que seus ataques são eficazes, Tesla e Edison liberam seus Nobres Phantasms simultaneamente para selar o Clã Calatin. Arjuna então chega e se sacrifica para lançar um Pashupata restrito para destruir o Clã Calatin.
Enquanto isso, na Casa Branca, o grupo derrota Cù Chulainn Alter. No entanto, ela usa o Graal para se encarnar em Halphas. Nightingale usa Nightingale Pledge para curar o grupo. Depois de derrotar Halphas, Ritsuka e Mash retornam à Caldéia com o Graal.
____________________________________________________________________________________________________________


https://preview.redd.it/t5x1e1brd6r51.png?width=700&format=png&auto=webp&s=c0457a892592377d33c90a7e8d351e9d536f68ed
Eu ia considerar isso Maravilhoso (5 estrelas), mas essa Singularidade foi a mais longa até agora e metade dele é legal e outra metade é mais ou menos.
E é aqui que a Scathach aparece pela 1º vez no jogo. E quando ela apareceu foi a parte mais legal do jogo.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.09.30 21:06 pla-to Escritor a beira do colapso

Olá, Brasil
hoje venho lhes apresentar meu dilema. Gostaria de saber se os senhores podem me auxiliar, pedindo desculpas antes mesmo de começar a me explicar, tendo em vista o tamanho do post que abaixo segue. Para quem possuir a paciência e a resignação de ler até o final, só me faz possível agradecer e lhe estender um virtual e fraternal abraço.
tl;dr>! sou bipolar e gosto de escrever, não tenho um puto no bolso pq anos de estudos de filosofia e literatura me tornaram incapaz de conviver de maneira adequada nessa sociedade doente, peço que avaliem meu trabalho para que eu saiba se há futuro para mim na escrita e, também, que me ajudem com conselhos profissionais, doações ou de qualquer outra forma para que eu possa sair da cidade em que resido e busque um lar em São Paulo.!<
Vamos lá:
Me chamo Dillon Hagar (meu pseudônimo literário) e tenho ~30 anos. Sou formado em direito e administração com pós em direito penal e processual penal, não que isso me seja muito relevante sobre quem sou, acredito estar mais relacionado com minha história.
Venho de uma família brasileira típica: meu pai e minha mãe são pessoas honestas que sempre trabalharam (muito) para buscar oferecer o melhor para meu irmão e eu. Apesar da extrema formalidade que compele o viver dos dois, sei por fato e história o quanto eles nos amam. Meu pai sempre foi um cara absurdamente estourado e - até recentemente - acreditei que isso era apenas seu jeito de ser, afinal o cara já engoliu alguns sapos da vida (principalmente de sua falecida mãe).
Talvez pelo fato de ser tão estourado, permiti por muito tempo que minhas escolhas fossem feitas por mim, afrontar seus nervosismos só me gerava ainda mais ansiedade. Sempre me foi difícil o necessário pisar em ovos com ele, já que somos pessoas absolutamente distintas. Seu ideal de justiça é através da imposição da violência enquanto sou apenas um advogado que valoriza o debate, defende as garantias e direitos individuais e conhece um pouco das mazelas do nosso maravilhoso Brasil.
Fiz uma faculdade (duas, se prezar pela especificidade) que me habilitaram em uma profissão que não tinha e nem tenho a menor intenção de exercer. Sou advogado inscrito na OAB/SP, porém tudo que gostaria de fazer é rasgar minha carteira e escrever... Mas tudo bem, quem não é advogado hoje, não é mesmo?! Está ai a primeira vaidade formal que meus pais têm sobre mim que não faço questão.
Tenho um irmão mais velho (programador) que, com muito trabalho e talento, conquistou seu lugar ao sol nesse caótico mundo e foi morar em outro país, longe do julgamento dos velhos.
Para o caçula, restou apenas buscar se adequar a sociedade de uma cidade do interior paulista (~180k habitantes, ~450km da capital) e tentar ganhar algum dinheiro, porém, como fazemos isso quando não há oportunidades e se é um desarticulado?
Aos melhores empregos, não possuo a experiência. Para os demais, sou mais qualificado do que deveria. Sou um monstro em pele de homem, vagando por uma cidade que não parece ter o interesse de recepcionar o diferente.
Veja bem, estimado leitor. Sei o que sou e, acredito que aqui, seja o momento ideal para dizer o bestial ser que lhes redige este biográfico texto. Minha sinceridade é inata, não posso me mostrar por menos, não me sentiria bem comigo mesmo se não soubessem quem realmente é aquele que lhes pede algo.
Há alguns anos - graças a uma maravilhosa ex-namorada psicóloga - contrariado pelos meus pais que sempre viram saúde mental como tabu, decidi buscar ajuda profissional para tratar o vazio existencial que existe/ia dentro de meu peito. Após 6~8 anos de terapia e pelo menos outros 6 de clínica psiquiátrica, me deparei com o diagnóstico de um distúrbio de personalidade, "Transtorno de bipolaridade tipo 2", dizem os médicos. Como gosto de informalidades, prefiro chamar apenas de "meus demônios".
"Meus demônios" por muito tempo foram seres antagônicos dentro de mim, me aterrorizavam madrugadas a dentro, cochichando terríveis segredos em meus ouvidos. "Nunca serás o suficiente", "aqueles que dizem te amar riem de ti", "se tens medo de monstros olhe bem para dentro de si: tu és o monstro de quem teme". Nada legal, não?!
Medicação e terapia me tornaram inteiros, ao menos o suficiente para que tomasse as forças necessárias para meu "salto de fé", me fazendo no começo do ano finalmente deixar o ninho e buscar continuar somente com a força de minhas próprias pernas. A felicidade e a esperança, como bem sabem do ano de 2020, talvez tenham sido mal colocadas.
Surpreendentemente, mesmo com as coisas nesse plano de existência estarem indo em vertiginoso declínio, me encontro de certa forma bem e feliz comigo mesmo. "Meus demônios" agora são seres integrados em minha convivência e, com a força do estudo da filosofia (valeu Platão, estoicos, Nietzsche e demais) e outros literatos, descobri que não deveria mais temer minha patologia. Aprendi que ela sou eu e eu sou ela, essa "bipolaridade" que me faz navegar tão rapidamente entre humores é tão somente parte de quem sou. Se antes terapia e remédios eram minha cura, hoje digo com propriedade que aprendi ser minha própria mirtazapina. Se antes chorar de manhã e sorrir de tarde eram um problema, hoje aprecio o fato de lacrimejar enquanto escuto Avril Lavigne (que mulher!), mais tarde me abraçar ao som de Dream Theater e me odiar durante as madrugadas com Witchcraft ou Void King. Música, filmes e livros: ai está minha eterna companhia.
Pois bem, caríssimos estranhos. Sou o que sou e não lhes nego! Talvez esse seja o maior trunfo do anonimato: a possibilidade de ser quem quiser ser sem o prejuízo de julgamentos. Espero que minha sinceridade não lhes seja ofensiva ao decoro, para os que até aqui chegarem agradeço de coração sua insistência.
Ok, ok, divago! Vamos voltar ao ponto central e motivo desse texto: Não tenho amigos e não tenho emprego. O primeiro se deve ao fato de que sou quem sou: aprendi a duras verdades que em uma cidade deste tamanho existem mais pessoas dispostas a lhe julgar do que entender. Geralmente fogem quando confesso ser bipolar ou quando descobrem que não tenho medo de estar em contato com meus sentimentos. Que coisa não?! Em pensar que o que todos buscavam era verdadeira conexão e honestidade nas relações. Mas tudo bem, quem lhes redige sabe que sua intensidade pode ser exigente demais da disponibilidade dos outros, procuro não julgar os que me negam.
Já para falta de emprego talvez seja uma consequência lógica do primeiro: Em entrevistas de emprego costumo ser brutalmente honesto com meu empregador (afinal não é o que pedem?), ainda há pouco me perguntaram qual o meu salário ideal, quando respondi minha quantia, balançaram a cabeça em sinal negativo e disseram que era incompatível. Quem sabe não tenha sido o mais inteligente de minha parte dizer que "talvez o senhor não devesse fazer perguntas que não lhe agradam a resposta, achei que me perguntavas o que eu queria, não que buscasse adivinhações". Sim, sou este tipo de ser. Novamente perdão se lhes ofendo, reafirmo não ser minha intenção. Convido-lhes para uma reflexão, amado desconhecido: poderia eu, sendo quem sou, responder diferentemente?
Pois bem, venho fazendo o que todo jovem advogado têm feito: ofereço serviços jurídicos a preços módicos (que costumeiramente adapto aos meus clientes como forma de lhes ajudar). Sou criminalista mas somente atendo um seleto tipo de criminosos: àqueles a quem se não oferecido um serviço jurídico, muito provavelmente seriam engolidos pela máquina punitiva do Estado e integrados ainda mais a criminalidade. Não advogo para partidos criminosos e muito menos para criminosos de carreira, minha intenção é ajudar e não livrar-lhes de culpa. Talvez percebam aqui os motivos de porque não me restar dinheiro...
A fim de dedicar ainda mais honestidade à este texto, digo-lhes que tenho sim uma amiga. Uma sócia-comparsa, somos advogados e trabalhamos juntos coletando moedas enquanto tentamos ajudar, um pássaro de asa quebrada por vez.
Novamente divago, perdão. Ao ponto então: bem, como já devem tê-lo percebido, meu negócio é a escrita. Amo escrever, estudo latim por hobby, leio dostoievisk por esporte. Escrevo poemas, poesias, cartas, o que quiser. Dedico aos meus amigos e conhecidos aquilo que posso oferecer: no meu caso é o que coletei em meus 30 anos de existência. Você tem um problema amoroso? Ótimo! Sou teu brother e lhe farei uma carta ou um poema para que sares o coração, ó jovem apaixonado! Lhe incomoda a ansiedade saber que em breve terá que defender seu TCC? Maneiro, meu parceiro! Dedicarei à ti minha próxima carta sobre como deve se lembrar que em outra época, também já se apavoraste com o vestibular mas, ainda assim sobreviveste. Aproveito para lhes endereçar esta pergunta: Como se sentiriam se alguém lhes dedicasse uma carta sobre um problema que você confessou ter? Enfim, acho que pegaram o fio da meada.
Atendendo ao meu cósmico chamado, neste mês de setembro (setembro amarelo, lembro), silenciei meus demônios e passei a publicar alguns de meus textos, cartas e poemas em meu facebook particular. Alguns receberam mais likes que outros, alguns nenhum. Devo dizer que me dói saber que minha escrita às vezes não é apreciada.
Ao verem uma suculenta oportunidade, meus "dêmos" foram atiçados e voltaram a sussurrar. A minha vantagem é que neste momento, estando um bocado mais forte que antes, pensei que talvez não devesse eu ceder a régua que me mede à mão de pessoas que porventura não são verdadeiramente amigas. Improvável mas possível...
Sem dinheiro, sem perspectiva e sem companheiros, resto sozinho vivendo em um apartamento quase de favor com um conhecido. Gostaria de me mudar para São Paulo e conhecer todas aquelas pessoas estimulantes que pertencem àquele maravilhoso lugar, porém, como, se não disponho de condições nem para minha terapia e psiquiatra? Às vezes sinto que minto para as duas quando digo que estou bem, em ordem de fazer diminuir o número de sessões e medicamentos que preciso despender. Mando meu amor para as duas: não fosse por elas e os descontos absurdos que me proporcionam (na terapia, pago menos da metade; na psiquiatra, 1/3), talvez eu não estivesse me sentindo tão radiante. Não é lindo quando profissionais se despem de sua autoridade e tocam outro humano apenas como um humano?
Pois bem, venho até este maravilhoso sitio eletrônico e lhes peço: sejam meus juízes! Convido-lhes ao meu julgamento e de meu trabalho. Serei eu um bom escritor? Existe um ofício por trás destra escrita? Poderia eu tudo abandonar e - quem sabe finalmente - me encontrar alinhado e instrumentalizado pelo senhor universo através da bela e indescritível energia cósmica enquanto escrevo? Acredito que o tempo e os senhores podem me dizer...
Encaminho o link de meu tumblr (tumblr pra escritor br, ok, isso é ainda de se analisar), nele encontrarão algumas de minhas escritas publicadas nesse mês de setembro. Caso a paciência e a boa vontade acompanhem os senhores e senhoras, peço gentilmente que leiam, avaliem e sentenciem neste post o que considerarem pertinente. Caso estejam cansados de minha presença e queiram buscar apenas o poema mais lido, acredito que tenha sido este.
Para aqueles que realmente creem no valor de meu trabalho, também anexo um link para doação em paypal, onde aceito qualquer valor que puderem me ceder. Por ora, fica desabilitado a possibilidade de subscreverem em assinatura as doações, antes avaliarei se há futuro para mim nesse negócio de escrita.
E para você, que precisa de alguém que lhe escreva uma carta, um poema, uma poesia, ou que tenha, sabia ou queira um empregado escritoredatofaz tudo, sabia que recebo pedidos por email ( DillonHagarF ARROBA gmail PONTO com ) ou até mesmo através desse post ou direct.
Há aqueles que me chamarão de tolo por acreditar na bondade de estranhos na internet, devo lhes dizer que não me importo. Somente atendo minha própria natureza assim como acredito que cada um deve atender a própria. Estejam todos abençoados e em paz: aos que me ajudarem, mais, aos que me ignorarem, em igual proporção.
Por fim, agradeço todos que chegaram até aqui. Vocês são seres maravilhosos e o dom de sua curiosidade proporcionou a um desconhecido na internet um momento de felicidade. Um profundo e sincero obrigado! Sintam-se amados até mesmo por quem lhes desconhece!
submitted by pla-to to brasil [link] [comments]


2020.09.29 09:46 rotadomedo A bruxa de sete além

Muito se fala sobre sete além, mas pouco se conhece sobre esse universo. O que se sabe é que é um mundo transitório e de extremo sofrimento, onde a dor predomina e a luz quase nunca se faz presente. O sete além é dominado por seres horripilantes que disputam o seu poder a custa da escravidão de quem se perde nesse labirinto.
Há muitas formas de se chegar até lá, portais temporários são abertos o tempo todo. Pontes, estradas abandonadas, locais assombrados, cavernas, ou mesmo um simples túmulo. As vezes o caminho é irreversível, e quem volta de lá, traz lembranças perturbadoras que desejariam apagar para sempre da memória.
Bernardo acordou subitamente na completa escuridão. Seu corpo dolorido tentava localizar-se dentro do cubículo em que se encontrava. A última lembrança era de estar num leito de hospital, sendo medicado por enfermeiras. Seus braços apertavam-se contra o invólucro que o prendia. Passou-se algum tempo até perceber que estava no interior de um caixão de madeira.
Automaticamente, pareceu-lhe que o ar estava exaurindo-se. E de fato estava. Quanto tempo havia permanecido ali? Em sua mente, parecia uma eternidade. Tentou chamar por socorro e dizer que era um terrível erro. Que ele ainda estava vivo. Mas o que recebeu como resposta foi apenas o silêncio abafado da terra morta.
Tentou recobrar a energia e traçar algum plano, mas tudo parecia-lhe em vão. O medo e a ansiedade tomaram-lhe o espírito e além de tudo, sentia sede. Começou a chorar. Tentou empurrar a madeira, e abrir o caixão, mas quanto mais forçava, mais terra parecia cair em seus olhos. No seu inconsciente, apenas reluzia a ideia do porquê seus familiares haviam escolhido aquele caixão de péssima qualidade. Suas mãos doíam, cheias de farpas. Ele não tinha mais voz. A única alternativa era esperar.
Quanto tempo ele ficou ali não se sabe. O fato é que quando a sua esperança quase já se acabava, eis que Bernardo ouve uma voz. Era um timbre envolto em mistério e poder. Aparentava ser uma mulher. Quem poderia ser? O som parecia vir de dentro do caixão ou, talvez de sua própria mente. Estaria enlouquecendo? A paranoia já invadia o seu pensamento quando foi impactado novamente com a voz: - Olá, Bernardo! – disse a voz. - Oi, quem é você? Por favor, me tire daqui. - Posso fazer isso por você, mas primeiro preciso te explicar os termos do nosso acordo. – Replicou a voz, dessa vez mais misteriosa. - O que preciso fazer?, estou com sede e meu corpo dói. – disse Bernardo, dessa vez em prantos. - Preciso de você, Bernardo. Você aceita me ajudar, caso eu te ajude? – Perguntou a voz, com um tom desafiador. - Sim, faço tudo o que quiser. Apenas me tire daqui. – Suplicou Bernardo.
Alguns minutos se passaram, e então um barulho passou a ser notado. Pareciam alguns golpes, ao longe, que ao passar do tempo ficavam mais intensos e próximos. Finalmente Bernardo estava sendo resgatado. Ou estaria ele perdendo o controle de sua própria sanidade? A medida que golpes aconteciam, porções de terra caiam pelas frestas sobre o seu rosto. Até que finalmente, a tampa do caixão foi aberta.
Algumas frações de segundos se passaram para que a sua visão se acostumasse àquela pequena quantidade de luz que se fazia presente. Só então Bernardo conseguiu notar um velho senhor de semblante triste que o havia resgatado. Embora tomado de intensa emoção, Bernardo sentiu um desconforto enorme. Quem era aquele senhor? E por que agia de modo tão estranho? Não fora emitido qualquer gesto de empatia, nem mesmo um simples e formal cumprimento havia sido oferecido por aquele senhor. Na verdade, ele parecia estar hipnotizado ou sob efeito de algum alucinógeno. O seu olhar era distante e ele agia friamente como se fosse um robô, sem vida.
Vendo que o senhor estava paralisado com uma pá na mão e que dificilmente receberia ajuda, Bernardo levantou-se por conta própria, tentando apoiar-se nas laterais de sua cova. Foi nesse momento que de maneira súbita o velho correu em direção a floresta densa, sem dizer qualquer palavra. Bernardo estava sozinho de novo.
Com muita dificuldade, conseguiu subir a superfície e se ver livre daquele buraco. Mas ao mesmo tempo em que sentia um alívio, o medo tomou conta de seu corpo novamente. Uma onda de ar frio dominou sua coluna e seu coração começou a bater mais forte. Onde ele estava? Não havia estrelas no céu e a lua parecia estar encoberta por nuvens. Tudo parecia estar imerso numa densa penumbra.
Tentou olhar ao redor e tudo o que via eram árvores ressecadas e alguns arbustos. Estaria ele num cemitério? Mas onde estariam os outros túmulos? O único elemento diferente de toda aquela natureza morta era o buraco onde ele esteve enterrado minutos atrás. Foi então que Bernardo lembrou-se daquela voz feminina que o prometera ajuda. Mas onde estaria essa mulher? Com muitas perguntas e poucas respostas, saiu em direção a algum lugar mata adentro. Ele ainda estava com sede e a única coisa que buscava era algum ponto de referência que pudesse pedir ajuda.
Caminhou por mais alguns metros até que a mata começou a ficar um pouco mais densa. Era possível perceber sons de alguns animais ao fundo. Mas, fora isso, nenhum outro sinal de vida.
Ele estava perdido, quando, de repente, avistou duas luzes amarelas ao longe. Tentou aproximar-se mais para identificar o que era. E à medida que se aproximava, dava-se conta de que aquelas luzes eram, na verdade, um par de olhos que cintilavam em meio a floresta. Um medo o envolveu novamente e ele parou de andar. O que seria aquilo? Nunca tinha visto nada mais bizarro antes. Bernardo tentou se esconder atrás de uma árvore. Quando de repente, ouviu novamente aquela voz feminina: - Não tenha medo. – Disse a voz. Em tom macabro. Bernardo já paralisado de pavor, não conseguiu dizer nada. Sabia que aqueles olhos já o haviam percebido e que não adiantaria mais tentar se esconder. - Você me deve algo, Bernardo. – retrucou a voz, dessa vez mais ameaçadora. Com o coração saindo pela boca, Bernardo gaguejou algumas palavras: - Q-q-quem é você? - Isso não importa aqui em sete além.
Nesse momento, quase que num passe de mágica, uma jovem mulher apareceu subitamente na frente de Bernardo. Ele não sentia mais o seu corpo, e tudo o que conseguia ver eram aqueles olhos amarelos brilhantes que o encaravam. Foi aí que uma tristeza indescritível dominou o seu espírito e a partir de então o seu próprio corpo já não o obedecia mais. Agora tudo era muito longe, vago e triste.
submitted by rotadomedo to u/rotadomedo [link] [comments]


2020.09.24 05:04 DrackNael Capítulo 5 A aldeia navajo

A aldeia navajo

Em algum lugar próximo a floresta no que aparenta ser uma aldeia indígena com cerca de 30 tendas colocadas todas em forma circular deixando apenas um grande espaço na parte da frente do terreno que possuía uma enorme fogueira e dava de frente para a entrada do lugar que não possuía portões más era todo cercado apenas sem cercas na parte da entrada. Onde um homem de pele avermelhada de cabelos brancos indicando sua idade já avançada já meio encurvado por causa da idade usando uma pele simples em suas costas e uma espécie de chapéu adornada com penas e galhos fazendo a forma de um falcão, está parado imóvel bem na entrada da aldeia com o olhar distante que observa toda a estrada que vai da aldeia, atravessando toda uma pradaria e adentrando a grande floresta a frente. Quando um homem se aproxima andando calmamente pelas suas costas, esse um pouco mais jovem, más também já de cabelos grisalhos, semelhante com o outro, mas esse possuía em sua cabeça um chapéu mais chamativo, feito todo de penas brancas presas a uma tira de couro com uma faixa vermelha nela.
-O que você vê Shaman? -, pergunta o homem mais novo que acabará de chegar.
-Hum! Não sei dizer, os espíritos não me mostram com clareza -, diz ele pensativo, - uma grande luz carregando uma grande escuridão, trazendo tristeza para o nosso povo -. Continuou o homem.
-Um inimigo? Um dos mercenários da floresta? -, pergunta o outro.
-Não sei dizer, os espíritos não me mostram com clareza, mas não me mostram intenções ruins -. Termina o homem se dirigindo para uma das tendas no centro, que chama atenção por ser adornada com penas e ossos de animais na sua frente.
Cerca de algumas horas depois sai da floresta o cortejo fúnebre puxado por Drack indo em direção da aldeia.
-Olhem ! -, alerta uma das pessoas da aldeia.
-Va chamar Nuvem Branca!-, diz outra.
Pouco depois o chefe sai de sua tenda que aparentava ter apenas um totem de cada lado da entrada.
-Chamem o Shaman-, fala ele chegando a entrada da aldeia e se dirigindo a um dos que estavam ali.
Enquanto isso o grupo chega a entrada.
-Quem é você cão branco? Por que puxa nossos irmãos mortos?-, diz um dos índios mais jovem parado ao lado do chefe parecendo estar com grande raiva.
-É , hum -, diz Drack sem saber o que dizer ao certo.
-Aqui-, diz Lobo Marrom do travois.
Enquanto o jovem se dirige a Lobo Marrom.
-Por Manitu Lobo Marrom o que aconteceu?-, diz ele em estado de surpresa.
Enquanto os outros índios iam puxando os cavalos para começar a tratar dos seus mortos, enquanto algumas mulheres choravam no fundo, e crianças eram colocadas para dentro das tendas, era uma cena desagradável para todos, jovens estarem mortos daquela forma.
Nisso o Shamam vinha se dirigindo ao encontro de todos.
-Lobo Marrom está ferido , levem-no para minha tenda-, diz ele dirigindo sua atenção a Drack, o olhando dos pés a cabeça , que ainda estava montado no cavalo e nem tinha se mexido para não fazer nada suspeito.
-Tratarei de Lobo Marrom e já vou ao encontro de vocês -, diz ele dirigindo-se a Nuvem Branca que estava parado ali prestando atenção em tudo e ainda não havia dito uma palavra, -Leve-o para sua aldeia Grande Chefe ja encontro vocês-, diz ele se dirigindo a nuvem branca e indo de volta para sua tenda para tratar Lobo Marrom.
-Por favor jovem me acompanhe -, diz o Chefe com o olhar suspeito para Drack.
-Sim senhor!-, diz ele descendo do cavalo lentamente e seguindo o homem, enquanto é observado por vários índios com olhar de ódio e raiva para cima do rapaz, com certeza só esperavam a ordem do chefe para partir pra cima do rapaz.
Drack segue Nuvem Branca que entra na tenda com os totens na frente, seguido logo atrás do rapaz, 2 jovens índios que o escoltavam com receio de que o rapaz pudesse fazer algo ao seu chefe. Quando Drack entra pode ver uma tenda de tamanho mediano , com o que parecer ser uma cama de peles na sua direita , um bau do outro lado , uma fogueira no centro da tenda e alguns adornos de peles e galhos no teto. O Chefe se senta do outro lado da entrada de frente para a pequena fogueira , onde aponta para Drack fazer o mesmo de frente para ele.Drack se senta e permanece em silêncio, obviamente o homem a sua frente era importante ali e ele não queria dizer nada idiota.
-Então meu jovem, conte sua história! -, diz o homem com um tom calmo.
Então Drack conta tudo que aconteceu desde a sua saída do mosteiro até a chegada na floresta e o encontro com Lobo Marrom e seus inimigos.
-O mosteiro dos cavaleiros renegados que fica no centro do Grande Lago de Calmaria? -, pergunta o homem confuso ,-não sabia que eles tinham levado crianças quando foram construir o lugar-. Completa o homem.
-Bem, na verdade não levaram , fui deixado la quando era apenas um bebê, eles me criaram desde então -, diz o rapaz ,- mas como assim cavaleiros renegados?-, termina ele.
-É uma história antiga de um grupo de cavaleiros brancos que abandonaram seu povo e foram se exilar naquela ilha -. Diz o homem, - mas não sei se a história é verdadeira , os brancos falam com lingua dupla muitas vezes-. Termina o homem se preparando para acender uma espécie de galho com uma ponta redonda onde tem algumas ervas.
-Não sabia disso , achava apenas que eram monges reclusos-. Diz o jovem confuso.
-Se eles não lhe contaram a história deviam ter seus motivos -, indaga o homem, -os homens que atacaram Lobo Marrom e seus irmãos eram brancos gananciosos que vieram para nossa terra explora-la e destruí-la -, continua o homem tomando um tom mais sério , -Eles não respeitam nada que a natureza nos da, só sabem destruir e explorar a natureza, estão destruindo a floresta toda, cortando suas árvores, sujando seus pequenos lagos, não sabem pegar apenas o que precisam para sobreviver , eles têm que destruir tudo até não restar nada , meu povo jurou defender essas terras a muitas luas atrás , há muito tempo fizemos um acordo com o rei dos homens para que essa floresta não fosse alvo de seus lenhadores , mas um dia ele morreu e o acordo já não servia para mais nada, pois como todos os homens brancos não tinham ninguém la para honra-lo , desde então viemos expulsando todos que entravam na floresta para explora-la, até a alguns meses atrás quando os mercenários da Black Marsh vieram, destruíram a aldeia de Buprewen chefe dos Apaches que ficava ao norte da floresta, seu líder é um homem muito poderoso chamado de MURTAUGH , dizem que ele arrasou a aldeia quase que sozinho , desde então pedi para meus guerreiros não terem conflito com eles até que pensássemos em algo , estava tentando um acordo com a tribo dos Xavantes ao sul minha mensagem partiu a alguns dias atrás , mas ainda não tivemos resposta , mesmo assim não penso que tenhamos algum guerreiro que possa derrotar Murtaugh, os homens brancos se tornaram fortes de mais para o meu povo -. Termina o homem com um tom triste,
-Más como um jovem como você pode derrotar 10 deles em poucos segundo? -, continuou ele.
-É bem ... -, começou Drack.
Quando entra na tenda o Shaman.
-Desculpem interromper-, começou ele , -Lobo Marrom me contou o que aconteceu, devo dizer também que fez um bom trabalho no ferimento dele , sem dúvidas salvou sua vida -, diz ele continuando , -Ele me disse que você veio da ilha dos monges e que não conhecia nada fora dela , sem dúvidas deve estar tão confuso quanto a gente com a sua chegada-. Termina o homem.
Nisso entra na tenda um dos jovens índios, o que havia se dirigido a Drack com ódio quando chegou.
-Pai temos que atacar o acampamento daqueles malditos, veja o que fizeram aos nossos irmãos-. Diz o rapaz com uma raiva incontrolável e uma fúria nos olhos, -i esse cão branco o que ainda faz aqui? O povo dele ainda não nos trouxe desgraça o suficiente ? -, diz ele se dirigindo a Drack com um ódio gigantesco no olhar.
-Calma Raoni -, diz Nuvem Branca com tom calmo, -Drack não é nosso inimigo, ele agora é um convidado da nossa aldeia, ele ajudou seus irmãos ao contrário do que pensa , vamos esperar a resposta dos Xavantes para tomar alguma ação sobre tudo isso-. Termina o chefe.
Mas Raoni tem o sangue de guerreiro nas veias , e guerreiros jovens sempre tendem a ter a cabeça quente.
-Todos os brancos são iguais -, diz ele com um tom grave saindo da tenda.
-Sinto muito por isso -, diz Nuvem Branca se dirigindo a Drack, -você é bem-vindo para ficar na nossa aldeia o tempo que precisar, não temos como agradecer pelo tanto que fez ao nosso povo , poderíamos ter perdido mais um filho ou só ter encontrado o corpo dos nossos jovens depois de várias luas , quando à terra já tivesse se alimentado de alguma parte -. Diz o sábio chefe.
-Eu agradeço , na verdade, eu gostaria de ficar um tempo, principalmente se poderem me ajudar a conhecer um pouco mais desse mundo -, diz Drack com certa esperança de que eles pudessem ensina-lo muitas coisas , principalmente depois de ouvir que o Shaman da aldeia usava magias, quem sabe poderia aprender alguma coisa.
-Claro , você é mais que bem-vindo -, começa o chefe , - Pedirei para o Shaman lhe responder às perguntas que o deixam confuso -, diz ele se dirigindo ao Shaman que estava parado ali do lado observando toda a conversa.
-Hum! também pedirei para arrumarem uma tenda para o nosso convidado -, diz o Shaman se dirigindo a saída da tenda fazendo um sinal para Drack acompanha-lo.
-Foi um prazer conhece-lo -, diz Drack fazendo um gesto de reverência e saindo da tenda.
-Espero que não se importe com meu pedido -, diz Drack se dirigindo ao Shaman que estava do seu lado.
-Hum! dissipar a nuvem da confusão das mentes das pessoas é meu trabalho , dom dado pelo grande espirito , não cabe a mim, reclamar das tarefas que ele me passa -, diz o homem se dirigindo a um grupo de jovens que estavam sentados em volta da grande fogueira afiando a ponta das suas lanças com uma pedra.
-Vejam alguma tenda que esteja livre , e peçam para alguém arruma-la para o nosso convidado -, disse o Shaman aos jovens, que se olharam todos confusos, mas depois dirigiram olhares furiosos para Drack. Que aparentou nem dar atenção, pois afinal só estavam chateados com o fato de seus amigos terem sido mortos e seu desejo de vingança ter sido cortado por Nuvem Branca.
-Então meu jovem que dúvidas você tem? -, diz o Shaman para Drack enquanto de ajeita em uma das pedras que são usadas como banco que ficam em volta da grande fogueira agora apagada, pois ainda era dia.
Aquelas palavras eram tudo que Drack queria ouvir , pois não existia alguém no mundo com mais perguntas em sua cabeça, ele pensou em milhares para fazer de uma vez, mas se acalmou e começo a pensar em ir por partes.
-Onde estamos ? -, pergunta ele.
-Hum! aqui é a aldeia do grande Chefe Nuvem Branca chefe dos navajos, ao redor de nós, está a grande floresta do caçador , o mosteiro que você vivia era chamado por nós de mosteiro dos cavaleiros renegados que fica no centro do grande lago de Calmaria , ao norte da floresta fica a cidade dos homens de Heisemburgh , todas essas terras fazem parte do reino dos homens brancos de Camelot -, diz o Shaman já saciando outras perguntar que poderiam vir do rapaz, já que ele aparentava mesmo não saber de nada.
-O que o senhor pode me dizer sobre magias ? -, pergunta o rapaz novamente , pois essa era uma oportunidade que ele não ia desperdiçar , ter alguém pra responde qualquer pergunta que ele tivesse.
-Hum! nós do povo indígena não usamos magia , usamos o dom dado a nós pelo grande espirito, magias são usadas pelos outros povos para criar destruição -, começou o homem ,- usamos o dom do grande espirito para curar os enfermos , pedir benção para que as caças sejam abundantes e e as plantações cresçam fortes , através de nossos pedidos o grande espirito nos concede nossos desejos se for de sua vontade , talvez na cidade dos homens alguém possa lhe dizer mais sobre magias, más não é o que eu e meu povo usamos -, termina o homem.
-Entendo -, diz o rapaz levemente decepcionado , não era a resposta que queria, talvez tivesse procurando um professor para ensina-lo , mas a resposta não era de toda inutil , pois como eram de outro povo e outra cultura , mostrava o quão interessante o mundo era , com várias formas diferentes de no fim fazer alguma coisa.
-O que é o grande espirito ? -, perguntou Drack.
-Manitu , o grande espirito indigena , ele é a força da natureza , é aquele que rege nosso mundo , manitu está em tudo e em todos , não tem como colocar em palavras sua essência -, diz o sábio.
Drack então imaginou que era como a energia , que estava em tudo e todos , e decidia as coisas, mas já era a segunda entidade que ele ouvia falar , e que talvez houvesse outros seres que comandavam o mundo.
-O que é a Black Marsh? -, perguntou novamente o rapaz.
-Hum! é um grupo de mercenários vindos da cidade de Heisemburgh , foram contratados por Tucker o dono da loja de madeiras da cidade para nos impedir de expulsar os lenhadores -, então o homem começa a ficar com um olhar distante olhando para o chão enquanto começa a falar, -mas creio que nossos problemas não são devidos apenas as árvores que eles derrubam como se não se importassem com a floresta , mas o metal dourado que encontraram perto da aldeia dos Apaches, a febre do metal dourado deixa os homens brancos loucos, eles destroem tudo por ele -, termina o homem.
Então Drack pensou que ele estava falando de ouro , que fora ensinado que era a moeda de mais valor no mundo , atrás depois vinham as moedas de prata e depois de bronze.
-Se acharam lá provavelmente pensam que tem por toda a floresta também , por isso são tão agressivos -, indaga Drack.
-Sim -, diz o homem cabisbaixo, - eles não vão parar até não sobrar nenhuma árvore ou escavar cada centímetro da floresta -. Termina o homem.
-Talves possamos falar com o governador de Heisemburg -, comenta Drack , que sabia como o sistema de administração de cidades funcionava , o governador era responsável por uma cidade e em todas as terras em volta dela.
-Ja tentamos enviar alguém , mas foi capturado pelos homens de Murtaugh na estrada , foi decapitado e sua cabeça colocada em uma estaca na beira da estrada como aviso -, diz o homem , -e um índio nunca vai entrar numa cidade de brancos e sair ileso -, fala o homem quando é interrompido.
-Porque todos os brancos são animais, não podem ver nada que querem tomar a força, acham que são os donos de todas as terras e todas as vidas , mas não são, isso acabara -, diz Raoni para os dois , furioso que um branco estava sentado em sua aldeia conversando como se nada tivesse acontecido, claramente culpando Drack pelos feitos de outros da mesma cor que a sua.
-Sinto muito pelos seus amigos, mas nem todos os brancos são iguais e eu não tenho nada a ver com o que aconteceu a seu povo -, diz Drack se levantando , pois sabia que não tinha nada a ver com aquilo e Raoni já o estava irritando , ele entendia a dor do rapaz, mas não precisa destratar alguém que claramente só ajudou.
-É o que veremos ! -, diz Raoni em um tom ameaçador enquanto se afasta dos dois.
-Ele é jovem tem sangue navajo nas veias , não suporta ver seus irmãos serem mortos e não puder vinga-los -, diz o shaman.
-Tudo bem , eu entendo , só não queria que ele pensasse que poderia passar por cima de mim atoa, sinto muito se o ofendi -, diz Drack.
-Tudo bem , você é jovem também -, comenta o homem.
Naquela noite a fogueira foi acesa , e os índios prepararam uma refeição, todos estavam ou tristes, ou furiosos , os olhos eram todos para Drack que estava sentado em volta da fogueira comendo o que parecia ser uma sopa com uns pedaços de cervo que fora caçado mais cedo pelos índios, até que Nuvem Branca se aproxima e se senta do lado do jovem.
-Sinto muito pelos olhares do meu povo, não sabem esconder seus sentimentos perante os da sua cor -, diz Nuvem Branca esperando que seu convidado não fique ofendido com um ato que era vergonhoso pra ele como chefe , já que Drack tinha sido convidado a ficar por ele mesmo.
-Está tudo bem grande chefe, entendo a dor deles e agradeço por me deixar ficar, mesmo estando em guerra com as pessoas da minha cor e agradeço também por me deixar tirar minhas dúvidas com o seu Shaman -, diz Drack grato.
-Pode me chamar de Nuvem Branca, você é um amigo do meu povo, eles logo verão isso -, fala Nuvem Branca com um tom amigavel , -E estamos em guerra com Black Marsh e Tucker, meu povo tem que aprender, como é que você disse? -, diz Nuvem Branca dando uma pausa , - "nem todos os brancos são iguais” não é mesmo -, diz ele em um tom de piada.
-É acho que sim -, diz Drack olhando para o fogo da fogueira e dando uma risada discreta de canto de boca.
Naquela noite Drack teve um pesadelo um pássaro de fogo vinha e pousava em seu ombro direito , mas depois de alguns segundos os dois incendiavam e viravam cinzas, e das cinzas levantava uma sombra negra gigante que se espalhava pelo mundo e engolia tudo. O rapaz acorda e vê que ainda esta no meio da noite, então resolve sair da tenda e dar uma caminhada para pensar melhor no pesadelo, pois era a primeira vez que algo do tipo acontecia e ele acordava no meio da noite todo suado. Então mais a frente o rapaz vê o Shaman parado olhando as estrelas , o jovem resolve se aproxima , quando…
-Pesadelo ? -, diz o Shaman mesmo sem ver que o rapaz se aproximava dele.
-Como ele sabe ? -, pensa Drack , sem dúvidas esse homem tinha dons também , só era muito modesto para falar sobre eles , fora o fato de que ele tinha sentido ele se aproximar sem ter feito nenhum barulho, -Sim, como sabe? -, pergunta então o jovem.
-Os espíritos me mostraram -, começou ele , - você tem um grande poder Drack, o maior que já foi visto nesse mundo, sem dúvidas é um grande dom , mas , você também possui uma grande escuridão dentro de si, não sei como é possivel , mas se você não conseguir se controlar ela o consumira -, diz o homem em tom de transe.
-Grande escuridão? -, pensa Drack , apesar de tudo incrível que acontecia com ele , ele nunca sentiu nada maligno.
Então de repente o Shaman para de ver as estrelas e olha para Drack.
-O que faz aqui fora? Não conseguiu dormir? -, diz o homem , como se tivesse esquecido que eles recém acabara de conversar.
Drack percebe que tinha sido algo especial que tinha acabado de acontecer então não questiona o homem.
-Sim ! -, responde Drack , - Vim pegar um ar só, para ver se o sono vem -. Termina ele.
-Então cuidado para não ficar doente , a noite esta fria ! -, diz o homem enquanto se afasta indo para sua tenda.
-Grande escuridão ! -, pensa Drack enquanto fica ali olhando as estrelas também , esperando o sono vim.
Alguns dias se passam, Drack continua tentando fazer amizade com alguns índios , sua presença agora não é mais tão incomoda quanto na sua chegada, era um rapaz gentil educado logo conquistava a todos, menos Raoni que estava sempre de olho no rapaz , com o passar dos dias Drack foi aprendendo alguns movimentos de combate com os índios, como usar um arco, coisa que Drack aprendeu rapido, pois tinha dom natural para coisas relacionadas a combate, aprendeu sobre ervas, animais , como caçar diferentes tipos de animais , até suas táticas de guerra e rastreio o jovem aprendeu. Já havia conquistado o respeito da grande maioria da tribo em questão de poucas semanas, nenhum incidente tinha acontecido mais, Lobo Marrom já havia se recuperado e tinha virado amigo de Drack, coisa que Raoni achava insuportável, até que um dia.
-Ele chegou , ele chegou - , diz uma voz do lado de fora da tenda de Drack.
O jovem sai da tenda para ver do que se tratava , era o mensageiro que Nuvem Branca havia enviado a tribo dos Xavantes, quando de repente.
-GUERRA !!!! -, grita o índio que acabava de chegar.
-IAAAHHIIIIIII -, berravam todos os índios, era seu grito de guerra, a hora da retaliação havia chegado.
Nisso da saída da sua tenda Drack olha pro lado e vê Nuvem Branca parado na frente de sua tenda , com um olhar pensativo e distante, talvez a guerra não era a melhor coisa pro seu povo , mas ele não podia fazer mais nada.
Naquela noite uma fogueira enorme foi acesa , tambores ecoavam por toda a floresta, os índios dançavam e gritavam em volta da fogueira, seus corpos completamente pintados, sem dúvidas eram um povo corajoso um povo guerreiro.
-Vamos matar seu povo o que acha disso? -, diz Raoni se dirigindo a Drack que estava parado ao lado de todos enquanto assistiam os guerreiros dançarem e comemorarem.
Mas Drack não responde.
No outro dia todos estão prontos para partida , 30 guerreiros todos a cavalo incluindo Nuvem Branca, Raoni e Lobo Marrom que estava ansioso por sua vingança com os mercenários, Drack se aproxima do grupo pronto pra guerra.
-Sinto muito meu amigo , mas você não pode ir conosco essa e uma batalha do meu povo ! -, diz Nuvem Branca a drack enquanto se dirige para falar a todos , -Encontraremos Chefe Hachita e seus homens na clareira do cervo , la nos juntaremos e decidiremos como vamos atacar o acampamento dos cães brancos -, enquanto se vira para partir em disparada com o grupo em direção a floresta.
-Contaremos pra você como foi nossa vitória em cima de seu povo ! -, diz Raoni em uma última provocação para o herói enquanto parte com o grupo.
Mas Drack não estava convencido da vitória de seus amigos.
-Faça o que achar certo ! -, diz o Shaman se aproximando por de trás de Drack e colocando sua mão em seu ombro esquerdo. Ele sabia o que passava na cabeça do jovem.
Então depois de algum tempo quando o grupo de guerra já havia sumido a alguns minutos na floresta , o jovem parte da aldeia a cavalo seguindo os rastros do grupo.
submitted by DrackNael to u/DrackNael [link] [comments]


2020.09.11 23:59 Pretty-Gap7378 Doença mental

Sinto que algo não está bem. Sinto um sufoco no peito que não me deixa respirar, um nó na garganta que não se desfaz. Tento, de todas as formas e feitios, encontrar o culpado desta dor que me aflige e sufoca a alma. Após desabafos, fármacos e mais fármacos, concluo que a culpa reside em mim. Durante anos carrego-a como se fosse uma sombra. Persegue-me a cada passo, conseguindo-a ignorar apenas na escuridão. Se há reflexão tenho vindo a fazer ao longo dos meus miseráveis 24 anos de existência é a de que as minhas tentativas de encontrar a culpa do meu sofrimento não me levaram a lugar nenhum, se não antes a piorar a minha própria dor.
Vou-vos contar uma história. Nasci numa pequena aldeia. Apesar de sempre ter vivido nessa pequena e pacata aldeia à beira-mar plantada, nunca senti que aquela fosse a minha casa. Isto porque, em parte, cresci e morei até aos 3 anos de idade numa casa muito pobre, mas cheia de amor, a casa da minha querida avó Maria, numa outra pequena aldeia no campo. Maria do Carmo, de seu nome, é a típica avó que surge nos filmes da Disney, uma senhora idosa e frágil, mas de um coração e bondade enormes. Tal como nos contos de fadas, a minha avó também me ensinou a ser bondosa, respeitar o outro, ter compaixão, a partilhar e sobretudo a amar. Fui muito feliz naquele casebre, onde brincava desde o nascer ao por do sol na natureza, convivia com os animais da quinta e ajudava nas pequenas tarefas que me faziam sorrir.
Com os 3 anos feitos, tinha chegado a altura de entrar no jardim de infância. A adaptação foi fácil, as funcionárias eram carinhosas e faziam-me lembrar de alguma forma a educação e valores transmitidos pela minha avó. Tudo mudou quando chegou a altura de entrar na escola primária. Até aquela data, só conhecia amor, carinho e bondade. Tudo se desmoronou depois, o meu conto de fadas havia terminado. A escola primária localizava-se precisamente na pequena aldeia onde nasci. Aqui as pessoas eram frias e mesquinhas e, tal como os abutres, esperavam sempre a próxima vítima para se poderem alimentar da sua dor. Não possuíam qualquer tipo de cultura e a sua vida insignificante resumia-se a um consumismo desenfreado que lhes trazia, presumo eu, algum tipo de alívio à sua triste existência.
Fui obrigada, por motivos profissionais quer da minha mãe, que trabalhava longe, quer do meu pai, que fazia turnos rotativos, a passar muito mais do que as 8 horas de escola a conviver com aquela gente tóxica. Aos 6 anos de idade, após alguns meses naquela escola e a conviver 12 horas por dia com aquela gente, vim a desenvolver uma depressão infantil. Com muita psicoterapia, consegui ultrapassá-la, mas as sequelas ficaram até hoje.
Ainda hoje culpo a minha mãe por ser ausente e egocêntrica, talvez exagere nas acusações, uma vez que esta nunca me abandonou efetivamente, mas culpo-a por me ter deixado naquele ambiente hostil, que mudou até hoje a minha personalidade e me deixou marcas para sempre.
Este é, possivelmente, o evento mais traumático pelo qual já passei até hoje e sei que provavelmente nunca irei conseguir ultrapassa-lo verdadeiramente. Hoje, em retrospetiva, percebo que a minha depressão se deveu ao facto de sofrer abusos psicológicos por parte das pessoas com quem passava a maior parte do meu tempo e por me sentir indefesa, já que os meus pais estavam demasiado longe para me protegerem. Vou contar-vos um exemplo, durante o intervalo escolar, era hábito as mães dos alunos irem à escola dar os lanches aos seus pequenotes (sim, ouviram bem), elas não tinham trabalho, então dedicavam-se inteiramente a tarefas mundanas para ocupar o seu tempo. Por incrível que vos pareça, eu era a única criança naquele intervalo que não tinha um pai ou avó por perto. Lanchava completamente sozinha, a um canto, como uma pessoa sem amigos. Além destes episódios, nunca tive sorte com as pessoas que me rodeavam que, apesar de crianças, também elas já haviam crescido naquele ambiente tóxico e mesquinho e conseguiam ser realmente más. Uma vez, obrigaram-me a pisar cocó de cão sob a ameaça que iriam dizer aos meus pais que eu me tinha despido em frente a um rapaz da escola (algo que constituía obviamente uma mentira) e eu, indefesa, simplesmente cedi. São feridas que nunca saram, algo que não se explica.
O ambiente familiar também não ajudava, o contraste de uma casa alegre e feliz, a dos meus avós, com a dos meus pais era enorme. Contextualizando, irei descrever-vos brevemente a minha mãe: uma senhora aparentemente simpática e comunicativa, de boa aparência que possui um emprego estável. A realidade: uma pessoa completamente desequilibrada a nível mental que possui algo a que eu classifico como o transtorno dos transtornos, isto porque ela apresenta traços de várias condições psiquiátricas e não há forma de lidar com isso. Primeiro, viciada em compras – o meu pai tem um bom ordenado e ainda assim conseguíamos passar dificuldades todos os meses – depois, acumuladora compulsiva – estão a ver aqueles programas em que as pessoas têm a sua casa amontoada de lixo até ao teto? – sim é isto mesmo, a diferença é que há pessoas aqui para arrumar a casa e que deitam efetivamente as coisas para o lixo. Além disso, é uma pessoa extremamente egoísta e egocêntrica, com características subtis de narcisismo – achar que tem sempre razão, os seus problemas são os piores do mundo, enfim. Isto foi um pequeno resumo, ah e esperem, ela também tem características típicas de síndrome boderline, quando uma pessoa explode por coisíssima nenhuma. Estão a ver o filme aqui em casa não estão?
O meu pai, uma pessoa calma, pacifica, muito perfecionista. O seu maior defeito, ter a minha mãe como sua mulher. É triste dizer isto, mas é verdade.
Depois da depressão infantil, a minha vida não ficou mais fácil, pelo contrário, virou uma catástrofe. A mudança da escola primária para o ciclo poderia ter sido uma experiência positiva, já que iria conhecer pessoas novas, talvez melhores que as anteriores. Isso foi, em parte, verdade, porém o problema é que eu era uma criança muito feia. Quando digo feia não estou a exagerar, cheguei a receber o prémio de rapariga mais feia da escola (a sério), houve um concurso amador feito pelos rapazes da minha turma, que fizeram questão de me fazer chegar o prémio. Desde aí, o clima era terrível, rapazes a gozarem comigo, raparigas a excluírem-me porque não iriam ser amigas de uma pessoa terrivelmente horrorosa, cheia de borbulhas pustulentas na cara e dentes tortos e amarelos.
Quando a puberdade acabou, as coisas começaram a melhorar, e muito. Deixei de usar óculos, deixei de ter borbulhas, o patinho feio tinha deixado de ser assim tão feio. A minha vida deu uma volta de 360º, conheci os amigos que tenho até hoje e estou muito grata por este percurso, apesar de todo o sofrimento que passei durante os meus primeiros 14 anos de existência.
No entanto, de vez em quando, surge esta angústia, esta dor que não desaparece, esta ânsia por culpar alguém, que na realidade não existe. Julgo que não serei capaz de ultrapassar todos os traumas a 100%, mas gostaria de os esquecer, nem que um bocadinho. Há dias que olho para um objeto e subitamente lá surge uma memória ou outra associada a um dos muitos episódios de trauma vividos na infância. É algo que me afeta e afetará para sempre, mas também é algo que me define enquanto ser humano. Sinto-me, apesar de tudo, orgulhosa por ter ultrapassado tudo sozinha e ter conseguido tornar-me na pessoa que sou hoje. Já tive os meus altos e baixos, muito baixos mesmo, dos quais não me orgulho. Mas a vida é mesmo assim, uma aprendizagem. Quem nunca errou?
submitted by Pretty-Gap7378 to desabafos [link] [comments]


2020.09.10 15:51 henrylore Najiyu Ep 2 - Rivais de reinos diferentes, o mais forte prevalece...

L: ...
H: Imura...
L: o tio...
ei, henry
H: hm?
L: você disse que veio aqui pra se descobrir e descobrir novas coisas né?
H: sim-?
L: e eu digo que eu vim aqui para..
destruir esse maldito reino
*se levanta
H: L-lusk nao
L: *sai correndo em direção ao lado de fora
H: ESQUECEU DO QUE O IMURA FALOU?
L: EU NÃO-
*para em frente a um cavaleiro
??⁴: *percebe lusk e aponta a lança pra ele
*ataca
L: uh oh
**acontece um barulho MT aleatório e o lusk se vê dentro da casa
L: uh- pq q eu tô aqui dentro?
*olha pra frente
H: *parado na frente do cara com um corte no braço
L: MALUCO COMEQUE TU FEZ ISSO
H: com a minha cara
??⁴: então você é a raposa
*prepara outro ataque
Im: *aparece na frente dele
H e L: IMURA?!
Im: *defende a porrada com um troço não identificado
eu não deixarei com que chegues nelex
MENINOX VAO!
L: CAVALO O VELHO É SINISTRO
H: *sai correndo
L: *segue o henry
Guarda¹(q era o ??⁴): é melhor não se meter, velho
Im: eu tenho 58 anox, é melhor não me chamar de velho.
*puxa objeto não identificado e abre ele direitinho
*é uma lança
*chuta o guarda e puxa a lança
de mim voxex não paxam.
**voltando pro Henry e o Lusk
L: Ô SUA LAVADEIRA VOCÊ TA MALUCO?
H: que foi
L: como voce fez aquilo??
E POR QUR VOCÊ FEZ AQUILO
H: queria ter a cara cortada em 2 é?
L: vai que eles cortam meu cabelo, seria estiloso
H: 🙄
Guarda²: *aparece na frente dos dois
aqui você não passa.
H: °°
L: *levanta as mãos e faz uma ventania que joga o cara pra trás
Gua²: então você não é uma criança comum
L: é claro que não, eu tenho doutorado em química
Gua²: *ataca com a lança de cima pra baixo
H: *puxa lusk pra trás
L: *cai de BUNDA no chão
PPPP QJAL FOI MANÉ
H: se você ficar se jogando assim nos caras você vai acabar perdendo o nariz
L: é mano... eu não quero parar de sentir cheiros
Gua²: *junta as mãos e levanta um monte de terra formando uma barreira
L: mas aí o que a gente faz cm o cara?
H: é, ai complicou
você tem alguma técnica que de dano e não só fique repelindo?
L: *pensando
*chão começa a tremer
Gua²: *sai de dentro da terra e joga lusk na direção da parede
H: *pega um pedaço de madeira meio afiado do chão e vai em direção ao guarda
Gua²: *segura mão do henry e chuta ele pra longe
PRISÃO DE CORRENTES
*daí ele cria umas correntes em volta do Henry e prende ele
H: *cai no chão
L: HENRY
H: EU NAO VOU SAIR DAQUI TAO CEDO
É COM VOCÊ
Gua²: agora que a raposa está presa, falta acabar com o resto...
H: LUSK!! ELE NAO VAI TE PRENDER ELE VAI TE FATIAR IGUAL UM QUEIJO
(Nota: os guardas não usam armaduras como os convencionais, eles usam só uma roupa bem pesada que parece ser de frio, mas ela é reforçada com um tecido bem forte e com algumas proteções de madeira e tals)
Gua²: *mira com a lança na cara do lusk e ataca
L: *leva o ataque
H: ih, morreu
L: *some
H: ????
Gua²: *acerta a própria parede
L: *atrás da parede concentrado juntando as mãos
*aponta pro cara e cria uma ventania na ponta do punho
e agora... SOCO DE AR
*voa uma rajada de ar muito forte no cara e ele sai voando
Gua²: *bate numa vendinha e o teto cai em cima dele
L: isso vai deixar ele imóvel um pouco
deixa eu te solta- *ve o Henry em pé olhando pro cara caído lá na frente
H: foi uma queda e tanto né
deve ter doído
L: COMO É QUE VOCE SAIU SEU PADEIRO DE CONFEITARIA
H: ah eu?
as correntes dele eram falsas, eram feitas de terra igual a parede dele aí
L: eu devia imaginar... _se o elemento dele é terra tudo vai ser de terra né..."
H: a terra permaneceu me apertando muito forte no início, mas com o tempo ele esqueceu de controlar ela e ela de tornou terra comum
daí ela se afetou pela ventania e umidade
L: espera um pouco...
SENDO ASSIM VOCÊ PODIA TER SAÍDO E ME AJHDADO NE MANÉ
H: deu preguiça...
L: merda.
**aparece um cara atrás do Henry com uma faca no pescoço do Henry
H: eita.
Guarda??: te peguei.
H: ah não
L: O GUARDA pera... O QHE VOCÊ FEZ COM O IMURA
(detalhe: eles tavam todos com uma máscara de madeira lol)
Guarda¹: é complicado *tira a máscara
..
*mostra o rosto q é o Imura
Im: menino, se entregarmos a raposa eles nos deixarão, e permitirão que fiquemos mais com a vila, menino!
L: ...
Im: faça isso pela gente...
L: TIO IMURA VOCÊ SVAE QUE ELE É MEU AMIGO EU NÃO VOU MATAR UM AMIGO MEU PRA SALVAR UMA VILA ONDE TODO MUNDO ME ODEIA
(grande parte do pessoal ouve isso pq da até eco)
Im: MENINO...
H: LUSK NAO É O IMURA
L: que
H: O IMURA FALA TUDO COM X, NAO LEMBRA????
L: é verdade...
*junta as mãos e prepara outro ataque
Im½: *segura as mãos do lusk com correntes
L: carapaças.
Im½: *prende lusk pelos pés afundando ele na terra
agora que eu já tenho o que eu quero
H: *lembra do doke
Do: o rsino é perigoso, eu não quero que você desça lá nunca.
Im½: *leva um golpe por trás e deixa de ser o Imura e vira um guarda normal fodase
Gua½: O QUE
Villager: QUAL FOI CABEÇA DE CARA!
L: o que?
Vi¹: Nós o ouvimos, Lusk e vos perdoamos, relaxeis
L: *se solta das "correntes"
ASSIM QUE SE FALA
Gua½: *levanta faca e ataca o Henry
L: EITA NAOO
H: *aparecw atras do lusk
oi
L: AAA COMO É QUE VOCÊ CHEGOU AQUI
H: eu troquei de lugsr com um barril
L: UM BARRIL DE CREAM SODA???
*olha pro guarda e...
Gua½: *todo melado de um líquido parecido suco de uva só que mais roxo
... isso é
decepcionante.
*prende o cara da aldeia num casulo e aponta pro lusk
VOCÊ ESTÁ ME ATRAPALHANDO
H: beleza chama o serviço de atendimento ao consumidor aí então
Gua½: HWAAAAA
L: SOCO DE AR
Gua½: *desvia
VOCÊ JA ACERTOU UMA NO OUTRO GUARDA E ACHA QUE EU CAIO NESSA?
AHEUEHHE
H: °° ideia, atira em mim
*sai correndo
L: MAGIA DS VENTO
RAJADA DA VENTANIA VERBAL
H: *troca de lugar com o guarda
Gua½: oh.
H: boa.
L: AH É CONSEGUIMOS
né Henry?
Henry?
H: *cai no chão
aaah
trocar de lugar com as pessoas é tão cansativo~
L: eu esqueci aue você gasta 3kg de mana pra isso
Vi¹: *sai do casulo
MEU DEUS O QUE ROLOU
L: eu chutei todos ele com a ajuda do meu fiel escudeiro HENR-
H: *deitado no chão dormindo
L: ... é, eu chutei eles
Vi¹: eu não sabia que você usava elementos
**surge uma porrada de gente
Vi²: é nem eu
Vi³: nem eu
Vi⁴: muito menos eu
Vi⁵: e eu também não
L: é, eu nunca me dei o trabalho de mostrar...
??: IXO FOI GENIAL MENINO AHSUEHEHEBE
L: IMURAAAAAAA
*abraça o velho
Vi¹: 😊 aí, cara, Henry né
H: hm?? oi
Vi¹: voce fez um ótimo trabalho. meu nome é Yaru
H: yaru hmm
prazer
*tenta levantar mas dói o braço q foi cortado

Vi¹: pode ir na casa da enfermeira ali ela tem medicamentos que devem te ajudar
mas aí... vocês dois
H e L: *olha pros 2
Ya: o que farão a partir de agora?
L: ...
H: ... a gente tava com uns planos de sair
L: é, conhecer a capital... e naji...
Yu: ...
(muitos)Vi: *conversando
Yu: vocês sabem que não vai ser fácil como foi aqui né
H: uhum
L: *concorda
Yu: e mesmo assim vocês querem?
Im: a qual foi Yura... deixa ox meninox... deixeis.
Yu: ...
Im: maix...
H e L: hm?
Im: amanhã.
POR QUE HOJE A NOTCHE TEREMUX RANGO GRATUITO!!!
L: OOOOH ISSO VAI SSR MUITO LEGAL TIO VALEU
H: *olhando o lusk abraçando o Imura
Yu: *chega e coloca a mão no ombro do Henry
aí.. eu confio que vocês dois vão chutar a cara daqueles caras..
vocês conseguem
mas... o lusk é meio maluco vê se ele não faz merda, ok?
H: beleza
Yu: VAMOS NSSSA PESSOAL
**um tempo depois
(o cenário tá de noite, o Henry tá na cachoeira num meio de um monte de arvorezinha com frutos roxos e vermelhos)
H: *olhando pra cima
*só se escuta a cachoeira caindo
(nota: o Henry ainda tá com um rasgado no braço mas ele tá com ataduras agora)
H: ...
eu... sempre me senti mal em deixar as pessoas preocupadas
e eu acho que agora eu tô sentindo mesmo isso
L: *Poe a mao no ombro do Henry
H: EI ah é tu
L: *comendo um bolinho
ainda preocupado?
H: um pouco
L: aí... ele provavelmente sabe que você sabe se cuidar, cara
logo ele tá descendo aí
H: ele não pode encontrar com o reino de novo...
L: ... ele era um cavaleiro?
H: sim... os cavaleiros foram trocados depois que outra pessoa assumiu o poder depois do rei Felix ter desaparecido
então os antigos cavaleiros não são tão bem vistos quanto antes
eles são como figuras que resolveram se distanciar...
L: covardes. é assim que eles são vistos...
mas quem liga?
*ainda comendo o bolinho
se alguém te ama, não liga se vai ser chamado de covarde por isso, né?
H: hehe, vai que vamo logo *dá um tapa nas costas do lusk
L: *deixa o bolinho cair
MEUS BOLINHO CAIU NO CHÃO NAAAO
H: JSKSNDHDNEKE
**no dia seguinte
Yu: adeus pessoal
Im: FALOW VOLTEM XEMPRE
H: falow
L: adeus.
**depois de um pouquinho longe
L: cara eu prometo no futuro arrumar um lugar pra eles no reino, pra eles não terem que morar tão isolados assim
aí eles vão ter uma casa legal e divertida
H: seria bolado.
L: nao seria?
aahahana se eu vou conseguir
O IMURA VAI ABRIR O NOVO IFOOD
H: ahajsnsjsjs
o que é ifood?
L: sei lá uma ideia de um restaurante de entregas que você pede e elas chegam
genial né?
H: voce que pensou nisso?
L: sim, dai eu me perdi de casa
**vem uma kunai voando do além
L: *empurra Henry pro lado
**kunai cai no chão e quase acerta eles
L: o que tá acontecendo?
H: ...
L: *olham por uma montanha
(tem tipo uma descida que leva pra uma parte mais cheia de árvore da floresta)
L: *vê uns corpos e facas no chão
que isso mano.
??: *aparece atrás deles (um cara bem alto e gordão com um facão na mão)
e aí
H: OU QUEM É TU
??: o que fazem aqui no meio de uma batalha? querem morrer
L: *junta as mãos discretamente
RAJADA DE VENTO
*empurra o cara um pouquinho pra trás
grf
??: hmm
H: como não?!
L: ele é muito pesado
??: meu turno agora.
*levanta uma mão e faz uma bola de ar
*joga nos dois numa velocidade muito alta
H: °°
L: é... aí... fodeu..
??²: REFLEXO DA LUZ
*golpe volta igual uma bala e corta a bochecha do cara
??⁰: sempre se intrometendo né, Nevaska
Ne: esqueceu que sua luta é comigo?
*aponta com o polegar pro próprio rosto
(é uma mulher bem baixinha, com o cabelo branco, uma cauda de raposa e orelhas de rosa, com uma roupa de manga comprida branca com detalhes pretos e cor gelo, luvas pretas e botas cor de gelo)
H: você é, uma raposa também?
Ne: sim mas a gente trata disso depois
antes eu vou me divertir um pouco com esse patriarca aqui
:3 (é literalmente a cara q ela faz)
FIM NO PRÓXIMO EPISODIO:
-Ep 3- Nevaska, a ninja raposa do gelo!
submitted by henrylore to Najiyu [link] [comments]


2020.09.09 15:59 lucas_mendes00 Minha namorada voltou a falar em suicídio e eu nao sei mais oq fazer

Sou o único que sabe disso. Ela simplesmente odeia o próprio corpo e eu indiretamente tenho culpa nisso.
Namoramos a 5 anos e ela sempre colocou uma pressão absurda em si mesma pra ser perfeita para mim, mesmo sem eu pedir, querer ou demonstrar que nao gosto do corpo dela. O corpo dela nao foi um fator pra me fazer gostar dela e nunca foi um fato que me faz amar ela.
Ela desde sempre tinha problemas com o corpo e autoestima. Ela sentia que ninguém ia gostar dela ou achar ela bonita... esse tipo de história td mundo ja conhece. E ela gostava de mim tinha 2 anos desde q nos conhecemos. Isso tudo junto levou a ela se sentir extremamente pressionada de ter o corpo perfeito, ser a "modelo perfeita" apesar de eu sempre deixa claro q nunca quis isso, e q isso nunca foi importante. So que ela nao pensava assim, ate hoje ela se compara com todas as mulheres q eu vejo na rua, de filmes e ate de pornos que eu deixei de ver assim q começamos a namorar. Pra ela nao faz sentido eu ter comecado a namorar com ela sendo q eu via mulheres com corpos "muito mais lindos q os dela em todo lugar".
Temos 20 agora, e no ensino médio por conta de problemas no nosso relacionamento, problemas com os pais em casa, e pressão da escola e para o ENEM, isso tudo somado aos problemas de autoestima que ela tinha levaram uma depressão e ansiedade bem tensa, e isso levou ela a engordar quase 50 kg. Nao tinha uma semana q ela n falava em suicidio, n tinha uma semana que ela nao se cortava, e nao tinha um mes que eu nao tinha um caso q eu saia correndo de casa com medo dela se matar.
O problema disso tudo é muito do sofrimento dela era por causa de coisas do relacionamento incluindo essa pressão em ser perfeita pra mim, ela tinha raiva de mim pq achava q eu paquerava amigas minhas, olhava e desejava o corpo de outras mulheres e muito mais. Coisas que eu nao fazia, e nem faço. E geravam brigas e mais brigas por causa disso, e mesmo assim eu era o amigo mais proximo dela e que ouvia todos os desabafos dela, tanto os que me incluiam, quanto os que nao me incluiam. E receber tanta carga negativa o tempo todo em forma de desabafos é muito dificil, ainda mais vindo de alguem que você ama e quer bem.
Enfim, tudo isso melhorou muito depois que ela fez a cirurgia de bariatrica, mesmo que eu soubesse q so um psicologo ia resolver a depressão e ansiedade dela, a cirurgia ajuda muito. Enfim, com mt dificuldade por conta da cirurgia ela emagreceu de volta os 50kg, esta magra de novo e estava super bem com o proprio corpo, confiante, comprava roupas, saia mais, fez mais amizades... Até a quarentena
Tudo voltou, agora por causa das consequencias no corpo dela por ela ter engordado e emagrecido rapido. Ela voltou a odiar o proprio corpo, voltou a se cobrar, a esconder o proprio corpo de mim, falando que eu so vejo quando for perfeito. Desanimada com a vida. E voltou a falar em suicidio
Eu nao sei oq fazer, todo esse problema me afeta, eu nao consigo ajudar pq me sinto mal, pq sinto raiva dela sentir essas coisas em relação a mim. Me colocando como culpado do sofrimento dela. Me xingando por coisas q n faço. E me sinto muito mal por sentir raiva dessas coisas, sendo q ela n tem culpa disso tudo, ela tem uma doença, depressão n é qualquer coisa, eu deveria estar ali pra ajudar. Ela nao quer ir em psicologo, e ja falei tanto disso q sempre q faço menção a isso ja gera uma briga, pq ela sabe q tem q ir, mas n quer.
Edit: Reforçando que o problema de autoestima nao é a causa da depressão. Isso mais pais e bebida, faculdade, trabalho estressante sao os sofrimentos decorrentes da depressão. DEPRESSÃO É UMA PATOLOGIA. Procure ajuda médica se estiver com sintomas.
submitted by lucas_mendes00 to desabafos [link] [comments]


2020.09.05 23:52 hericdk A pandemia me ajudou a desistir de relacionamentos, e estou achando isso ótimo!

Por muitos anos me sentia mal pelo fato de ver outras pessoas se relacionando e eu sempre sobrando no rolê. ( Na adolescência isso foi um dos gatilhos da minha depressão que durou dos 16 até os 24 anos ), mas de algum tempo pra cá tenho me acostumado cada vez mais em viver bem comigo mesmo.
Comecei a usar o Tinder desde o começo do lançamento pra conhecer mulheres pq eu não levo jeito de "chegar" na balada, festas, lugares etc, mas nunca encontrei ninguém com quem eu me sentia a vontade ou confortável. De lá pra cá sempre apagava os apps quando entrava em alguma furada ou alguem que me fazia sentir mal. ( As histórias são muitas e de todo tipo). Nunca entendi pq nunca dava certo e isso me deixava mal as vezes... Até que com o tempo fui perdendo o interesse e me dedicando mais aos estudos e o trabalho, e com isso fui saindo menos até começar a sair com alguém só 2 ou 3x por ano.
A última pessoa que conheci por apps foi em novembro do ano passado. Foi uma situação engraçada pq combinavamos em muitas coisas e resolvi tentar algo sério, mas ela ainda pensava muito no ex e não deu certo. Acabou que resolvi dar um tempo para os apps de novo e de conhecer outras mulheres. E com isso veio a pandemia e ter que ficar o tempo todo em casa, me fez pensar muito em como é confortável estar só.
E com o passar do tempo fui gostando e me sentindo confortável, mês que vem eu completo 30 anos, 30 anos sem nunca ter namorado ou saber o que é o amor, mas eu cheguei num momento que estou amando minha vida, moro sozinho, tenho uma carreira ótima, estou fazendo MBA da USP, tenho amigos incríveis, meu psicológico está ótimo, e percebo que não preciso depender de outra pessoa para me fazer feliz ou completo emocionalmente.
submitted by hericdk to desabafos [link] [comments]


2020.08.22 03:24 frdnt A estrada para a Vila Acidentada

O texto abaixo é uma tradução de um artigo originalmente publicado no blog de Cantuse. Ele é o 9º texto de uma série de teorias que ele chama de “O Manifesto”.
O MANIFESTO : VOLUME II, CAPÍTULO I
O volume anterior [deste manifesto] não mediu esforços para estabelecer que Stannis, Melisandre e Mance conspiraram para resgatar Arya Stark.
Os detalhes desse resgate foram, até agora, vagos. O Volume II do Mannifesto visa detalhar precisamente a totalidade das jornadas de Mance ao longo de A Dança dos Dragões e além.
Sabemos que Mance primeiro deixou Jon com o objetivo declarado de resgatar Arya Stark. No entanto, o Volume I mostrou com detalhes meticulosos que o resgate também era necessário para ajudar Stannis.
Após o último encontro de Jon com Mance no capítulo de Melisandre, não o vemos novamente até o capítulo O Príncipe de Winterfell no castelo dos Stark.
O que aconteceu entre esses dois períodos?
Responder a esta pergunta requer uma análise detalhada das razões para Mance estar em Castelo Negro e qual era seu objetivo imediato ao partir. Para esses fins, este verbete do Manifesto afirma os seguintes pontos:
DEIXADO PARA TRÁS
Em Jon IV de A Dança dos Dragões, Stannis declara que está dando Camisa de Chocalho a Jon Snow. Por quê?
Afinal, Jon imediatamente declara que não tem uso para Camisa de Chocalho alegando que ele os trairá e retornará aos selvagens ou que outros membros da Patrulha da Noite irão matá-lo.
Mesmo assim, Stannis não muda de postura e deixa Camisa de Chocalho com Jon.
Por mais enigmático que pareça, explicar as razões para deixar Camisa de Chocalho em Castelo Negro é surpreendentemente simples - principalmente quando você compreende que Mance e Stannis conspiraram juntos.
A grande questão
Há uma grande questão que paira sobre tudo até agora dito em relação a Mance e Stannis:
Por que Stannis intencionalmente deixou Mance para trás?
Já mostrei que o plano quase certamente consistia em Mance se infiltrar no casamento e sequestrar Arya. Mas isso por si só não requer que Mance permaneça em Castelo Negro. Ele poderia ir para qualquer lugar, até mesmo com o próprio Stannis, se desejasse.
Qual foi então a razão para deixar Mance em Castelo Negro?
Outro Enigma
Antes de Stannis deixar Castelo Negro, ele tinha planejado originalmente levar os Thenns com ele. Eles deveriam ser sua vanguarda.
No entanto, Jon convence Stannis a deixá-los para trás.
Mais tarde descobrimos que os Thenns foram subsequentemente movidos para Vila Toupeira junto com todos os outros selvagens (ADWD, Jon V). Na verdade, eles foram rebaixados a serem iguais a estes colegas.
O que levanta questões importantes:
Por que Camisa de Chocalho não foi rebaixado da mesma forma?
Por que ele foi especificamente dado a Jon, como uma sumidade única entre os selvagens?
Quando você pensa sobre isso, parece que Stannis quer que Mance esteja o mais próximo possível de Jon.
Antes do Anúncio
Dado que Melisandre teve sua visão da garota cinza antes de Stannis partir para Bosque Profundo, isso significa que os conspiradores (Melisandre, Mance e Stannis) sabiam sobre o casamento antes mesmo de os anúncios terem sido enviados.
NOTA: Alternativamente, eles poderiam ter ficado sabendo através do serviço de “inteligência” de Arnolf Karstark.
Agora, aqui está o detalhe importante: eles não sabiam onde o casamento seria realizado.

As hipóteses

Isso nos traz às minhas hipóteses:
  1. Mance foi deixado para trás porque o local do casamento não fora confirmado ou era desconhecido.
  2. Arranjos foram feitos para que Mance fosse rapidamente informado do local do casamento assim que fosse conhecido.
Isso é bastante convincente quando você pensa a respeito. Mance precisaria estar em um lugar que pudesse receber mensagens para saber o local do casamento. Se ele estivesse viajando com um exército, não teria sido capaz de obter essa informação em tempo hábil.
Além disso, permite que ele viaje como uma 'unidade' à parte dos exércitos de Stannis.
Claro, essa hipótese não seria nada sem evidências e raciocínio válido.
O LOCAL É A CHAVE
A descoberta do local do casamento é simples. Explicar alguns dos detalhes do pano de fundo não é.
Pressão do Grupo
Pra começar, Jon recebe um 'anúncio de casamento' de Ramsay (ADWD, Jon VI) . Ele lê na presença de Mance (disfarçado de Camisa de Chocalho) e até lê o conteúdo em voz alta. Ele diz especificamente que o casamento será em Vila Acidentada.
Jon não conta a ninguém sobre esta carta ou seu conteúdo, mas Melisandre o confronta naquela mesma noite, tentando obter sua permissão para 'salvar sua irmã'. Só podemos supor que Mance contou a ela sobre a carta e foi isso que a levou a se aproximar, principalmente quando você nota que Melisandre não falava em privado com Jon desde o início do livro.
A observação é clara:
Já posso ouvir suas perguntas e objeções:
Não é um tanto presunçoso pensar que Mance iria apenas coincidentemente descobrir a localização do casamento ao ouvi-lo por acaso de Jon?
Parece improvável ou ao menos pouco seguro supor que um 'convite de casamento' seria enviado a Castelo Negro.
* * *
Escalando janelas
Tenho certeza de que Mance descobriria o local do casamento pelas cartas de Jon de uma forma ou de outra.
Acredito que ele planejava descobrir o local do casamento escalando os aposentos de Jon e lendo as cartas deixadas em sua mesa. Foi um acaso Mance ter ouvido Jon lendo a carta.
Mance até sugere isso de uma forma indireta:
– Eu poderia visitar você tão facilmente, meu senhor. Aqueles guardas em sua porta são uma piada de mau gosto. Um homem que escalou a Muralha meia centena de vezes pode subir em uma janela com bastante facilidade. Mas o que de bom viria de sua morte? Os corvos apenas escolheriam alguém pior.
(ADWD, Melisandre)
Ele basicamente diz que se ele escalasse a janela de Jon não seria para matá-lo.
* * *
É claro que isso não é uma prova concreta. Mas lembre-se de que as evidências até agora indicam fortemente que Mance, Melisandre e Stannis estavam em conluio. É quase óbvio que a carta de Jon foi o que motivou a “missão” de Melisandre e Mance.
Se Jon não tivesse lido a carta em voz alta, Mance teria sido obrigado a lê-la por algum outro meio . E a única maneira viável de fazer isso seria subir em sua janela.

UM CONVITE IMPROVÁVEL

Como demonstrei, a ideia de que Mance pudesse esperar por um convite (ou similar) contendo o local do casamento parece carregada de incerteza.
Abordei a logística de como Mance ficaria sabendo do local do casamento. Mas depende da certeza de que Jon receberia um convite em primeiro lugar: uma suposição bastante duvidosa.
Por que os Boltons enviariam um convite para Jon?
Por que Stannis, Mance e os demais estariam tão certos de que Jon receberia um?
Isso não faz sentido
Quando você pensa sobre isso, realmente não faz sentido enviar um convite para o casamento a Jon:
No entanto, apesar de todos os motivos para não fazê-lo, Jon recebe um convite.
Por quê?
O convite de Jon nem mesmo faz sentido por causa de uma passagem específica nele:
Jon não viu motivo para não contar.
– Fosso Cailin caiu. Os cadáveres esfolados dos homens de ferro foram pregados em postes ao longo da estrada do rei. Roose Bolton convoca todos os senhores leais para Vila Acidentada, para confirmar a lealdade ao Trono de Ferro e celebrar o casamento de seu filho com... – seu coração pareceu parar por um momento.
(ADWD, Jon VI)
Jon não é um lorde (sim, ele é Lorde Comandante, mas não é a mesma coisa), nem sua lealdade é relevante para seu trabalho.
Caro Senhor ou Dama
Se você der um passo para trás e refletir bem, a carta parece que poderia ter sido endereçada a outra pessoa.
Além disso, a carta foi escrita com sangue, e o sangue está descascando:
A tinta marrom se desfez em pedaços quando Jon passou o polegar sobre ela.
(ADWD, Jon VI)
Asha recebe uma carta semelhante, também escrita com sangue. O sangue não está descascando no dela.
Isso sugere que a carta de Jon talvez seja mais antiga.
Isso nos leva à minha teoria:
Mors Crowfood encaminhou seu convite para Jon.
Está claro tanto em A Dança dos Dragões quanto nos capítulos liberados de Os Ventos do Inverno que Mors estava conspirando com Mance em Winterfell. Eu exploro e sintetizo o relacionamento deles no próximo ensaio, Uma Aliança de Gigantes e Reis.
Mors estava aparentemente tão envolvido na missão de Mance quanto qualquer outra pessoa.
Faz sentido que ele encaminhe seu convite com base no fato de que ele sabe que é o que Mance precisa.
Nenhuma outra explicação viável parece estar disponível, pelo menos nenhuma que faça tanto sentido.
Tendo explicado a logística por trás do que desencadeou a missão de Mance, podemos passar aos detalhes da jornada de Mance a Vila Acidentada.

O BARDO DE VILA ACIDENTADA

O convite de casamento original recebido por Jon indicava que o casamento seria em Vila Acidentada, mas não vemos Mance / Abel até que Theon chegue em Winterfell.
Então o que aconteceu?
Mance viajou diretamente para Winterfell? Ou para Vila Acidentada*?*
Colocando de forma clara, Mance viajou primeiro para Vila Acidentada. Isso não é apenas coerente com a teoria montada até agora, mas dá sentido a algumas coisas.
Cavalos Velozes
Primeiro, Mance pede especificamente bons cavalos:
– Precisarei de cavalos. Meia dúzia dos bons. E isso não é algo que eu possa fazer sozinho. Algumas das esposas de lança encurraladas na Vila Toupeira devem servir. Mulheres podem ser melhores para isso. A garota vai confiar mais nelas, e elas me ajudarão com certo estratagema que tenho em mente.
(ADWD, Melisandre)
Ele poderia ter pedido simplesmente cavalos sem precisar esclarecer os que são bons. Essa pequena adição implica que ele planeja uma cavalgada com afinco.
Uma janela de oportunidade
Em segundo lugar, há uma quantidade considerável de tempo disponível para Mance e suas esposas fazerem a viagem:
Os homens haviam estado dezesseis dias na caçada […].
(ADWD, Fedor III)
Isso se refere à quantidade de tempo que Ramsay gastou rastreando os Freys desaparecidos. Isso significa que os convites já foram enviados há algum tempo. Havia três semanas ou mais para Mance fazer a viagem.
Uma pista sutil
Por todas as aparências externas, no entanto, não há evidências de que Mance realmente tenha chegado a Vila Acidentada.
Ou será que existe?
Há um trecho sutil e facilmente esquecido que poderia ser o murmúrio de uma pista. Quando Theon e Roose Bolton estão cavalgando por Vila Acidentada, Theon faz a seguinte observação:
Passaram por um estábulo e por uma pousada fechada, com um feixe de trigo pintado na placa. Fedor ouviu música através das janelas.
(ADWD, Fedor III)
Esta é uma pousada entre o salão de Harwood Stout e o da Senhora Dustin em Vila Acidentada. A música indica que algum menestrel ou trupe de menestréis deve estar tocando. Não há indicação de que haja homens Frey ou Manderly na vila (provavelmente acampados fora do perímetro da vila). Em qualquer caso, este é o tipo de pousada que você suspeitaria que os viajantes frequentassem. Além disso, os estábulos também são atraentes, visto que Mance estava viajando a cavalo.
Uma vez que sabemos que Mance partiu para Vila Acidentada e sabemos que ele teve tempo suficiente para fazer a viagem, devemos concluir que ele está em algum lugar por lá. Para ele em particular, faz bastante sentido chegar cedo por vários motivos:
Deve-se observar que, mesmo que você discorde que a citação significa que Mance está naquela taverna, temos todos os motivos para acreditar que Mance teria visitado Vila Acidentada. E com isso em mente, suas opções ainda seriam as mesmas descritas aqui.

COLETA DE INFORMAÇÕES

Observando o conhecimento a que Mance está exposto em Vila Acidentada, devemos ser capazes de estimar que tipo de conhecimento ou inteligência ele pode ter reunido.
Despensa Stout
Bem, uma coisa que quase certamente pode haver rumores em Vila Acidentada é que Harwood Stout está ficando sem comida por causa da gula de Ramsay. O texto ainda aponta que esses fatos estão sendo revelados pelos próprios servos de Stout:
Seu anfitrião, um grisalho senhor menor de um braço só, chamado Harwood Stout, sabia que era melhor não negar seu pedido, embora suas despensas devessem estar bem perto de se esvaziar. Fedor ouvira os servos de Stout murmurando sobre como o Bastardo e seus homens estavam comendo todo o estoque de inverno.
– Ele vai se casar com a filhinha de Lorde Eddard, dizem – a cozinheira de Stout reclamou, sem perceber que Fedor estava ouvindo –, mas é a gente que ele vai foder quando a neve começar, escrevam minhas palavras.
(ADWD, Fedor III)
Portanto, isso indicaria que Stout está ciente de um futuro sombrio para sua casa, sua família, seu povo - a menos que ele possa encontrar reabastecimento em algum lugar. Sabemos que Ramsay tem abusado de seu anfitrião de outras maneiras, como permitir que seus cães matem os cães de Stout. É muito provável que Stout odeie Ramsay.
O valor de tal inteligência não é claro, mas ainda é uma parcela de conhecimento que pode ser útil mais tarde.
Ódio de Dustin
O simples fato de que Ramsay está hospedado no salão de Stout já revela muito sobre política. Lembre-se de que Mance estava presente no conselho de guerra de Stannis (ADWD, Jon IV), onde Jon apontou que os Dustins e Ryswells estavam ligados aos Boltons pelo casamento.
A observação de que Ramsay não é bem-vindo no salão da Senhora Dustin sugere fortemente que sua lealdade a Roose Bolton não se estende ao próprio Ramsay. Outro fato útil.
Os Freys Desaparecidos
Ramsay diz que perguntou sobre os Freys desaparecidos em cada aldeia e fortaleza que eles encontraram.
Seria razoável que Mance soubesse disso no caminho para Vila Acidentada, ou que o boato estivesse circulando quando ele chegou à pousada em Vila Acidentada.
***
Como você pode ver, isso dá a Mance uma vantagem em diferentes maneiras de explorar as várias tensões dentro das forças de Bolton.
Em particular, ele sabe que os Freys e Manderlys têm objetivos opostos, e que Stout e Dustin desprezam Ramsay.

CONCLUSÕES

Sabemos que o casamento de Ramsay foi transferido para Winterfell. Também sabemos que Mance também foi para Winterfell e se infiltrou se passando por um trovador viajante e sua “família".
No entanto, este olhar sobre as atividades de Mance em Vila Acidentada mostra que ele teve uma compreensão muito boa da dinâmica da política em jogo antes mesmo de chegar, conhecendo como colocar as casas umas contra as outras.
Também é possível (mas não confirmado) que Mance pode até mesmo ter feito um acordo com um dos senhores presentes em Vila Acidentada naquela época.
***
Esta entrada no Mannifesto nos diz tudo o que acontece a Mance antes de chegar a Winterfell, exceto por uma questão gritante:
Mance encontrou Mors “Crowfood” Umber em seu caminho até Vila Acidentada
O encontro desses dois idealizadores é fundamental para os planos de Mance em Winterfell. A razão de eu atrasar a discussão sobre Mors Crowfood é porque é mais fácil entender os argumentos que vou apresentar se eu os relacionar aos vários eventos em Winterfell ocorridos depois da chegada de Mance.
Para continuar lendo o Manifesto e aprender sobre a relação entre Mance e Mors, vá para Uma Aliança de Gigantes e Reis.
submitted by frdnt to Valiria [link] [comments]


2020.08.13 13:06 R_DiasOficial Um Resumo Histórico dos Candidatos Presidenciais Democratas

"O partido dos pobres e oprimidos escolhe pessoas ricas e opressoras para a presidência."

Kamala Devi Harris. 55 anos. É polícia desde 1990 e está em posição de poder político desde 2003.

Eleger uma pessoa que pertence às forças polícias na altura em que as tensões raciais estão no seu pico não foi a melhor decisão do partido democrata. Ao contrário do consenso geral, ao longo dos anos a Kamala Harris veio a revelar ser o estereótipo perfeito de um polícia que abusa do seu poder, o que agrava um pouco a situação. É a mulher que mantinha os prisioneiros por um tempo superior ao das suas sentenças para obter mão-de-obra barata, e que prendia os pais das crianças que faltam as aulas, e ainda se ria na cara deles.
É uma pessoa que sempre defendeu ideias políticas controversas como o aborto até o parto, a pena de morte, baixar a idade de voto para 16 anos, ou a Affirmitive Action (uma política de discriminação racial que permite que pessoas Afro-Americanas possam entrar na universidade com notas inferiores à de pessoas brancas, enquanto que os Asiáticos precisam de ter notas superiores à de pessoas brancas. Ao contrário do que parece à primeira vista, esta medida veio contribuir negativamente na comunidade Afro-Americana).
É, também, uma mulher meia Indiana e meia Jamaicana, porém quando é convincente passa por Afro-Americana. Isto torna-se ainda mais controverso uma vez que certamente que beneficiou da escravatura praticada pelos seus antepassados, como o pai dela tanto se gosta de gabar. (É engraçado o facto de o Snopes classificar isto como "unverified". Bastava irem perguntar ao pai dela que ele não teria problema nenhum em confirmar, mas isso iria contra a narrativa... )
Também foi apanhada várias vezes a fingir ser alguém que não é, de modo a apelar aos votos de uma certa demografia. Por exemplo quando disse que fumava erva a ouvir o Snopp Dogg e o 2Pac enquanto andava na faculdade, porém nessa altura eles não existiam. Ou quando disse que o 2Pac era o seu rapper favorito vivo.

Joseph Robinette Biden. 77 anos. Está numa posição de poder político desde 1969 (ou desde 1840, segundo ele) e possui o apoio eleitoral da China, do Irão, do Bin Laden e de supremacistas brancos.

Tal como a Kamala, o seu passado também não é muito animador.
É mais conhecido pela sua War on Drugs que contribuiu para o encarceramento em massa de Afro-Americanos por cometerem pequenas infrações relacionadas com drogas.
Também é muito famoso por, de vez em quando, dizer frases do tipo:
É ainda o homem que, por mais irónico que seja, declarou Donald Trump como o primeiro presidente racista. Olhando para o passado do Biden, não será errado concluir que ele deve considerar os presidentes que possuíam escravos como "não racistas".
O seu historial cognitivo também não é dos melhores. Diz estar com pessoas que nunca esteve, em locais que não existem, a fazer coisas que não fez.
Tem acesso às perguntas antes das entrevistas e inclusive lê as respostas a partir de um teleponto. (Exemplo 1 - APAGADO PELO TWITTER); (Exemplo 1); (Exemplo 2); (Exemplo 3); (Exemplo 4); (Exemplo 5); (Exemplo 6)
Mas quando não tem diz que escolhem a verdade em vez dos factos, seja lá o que isso quer dizer. Confunde a mulher com a irmã. Cria frases sem qualquer sentido. Afirma que sempre foi contra a NAFTA, mas há provas de que votou a favor.. Mete o despacito a tocar no seu iPhone e põem-se a dancar num evento de hispânicos para combater o facto de eles apoiarem, maioritariamente, o Donald Trump. Num momento diz que está constantemente a realizar testes cognitivos, no outro diz que nunca fez um teste desse tipo e pergunta ao entrevistador Afro-Americano se ele é algum drogado viciado em cocaína.
Tem um problema com números: Diz que já morreram 120 milhões de pessoas nos EUA por COVID e recentemente corrigiu para 200 milhões, dos quais 6000 eram militares (quando o número verdadeiro é 7) e que metade da população norte americana foi morta por armas.
E depois também há o problema que ele tem de cheirar o cabelo, tocar de forma inapropriada e beijar mulheres na boca sem o seu consentimento. Uma dessas mulheres é a sua neta adolescente e as restantes são outras crianças que ele não conhece de lado nenhum.
Possui um caso de violação pendente, e inclusive a candidata a vice presidente, Kamala Harris, afirmou que acredita nas vítimas do Biden.
Por fim, ambos os candidatos democratas apoiam e apelidaram as manifestações que levaram a mais de 20 mortes, 900 ferimentos e mil milhões de dólares em danos como "protestos pacíficos" e andam a pagar para libertar esses criminosos (inclusive libertaram um pedófilo que penetrou uma criança).

Este post é apenas um pequeno excerto do passado destas pessoas. Com um pouco mais de investigação, é possível encontrar inúmeros outros fatores.

Obs: Decidi falar sobre a Kamala Harris em primeiro lugar uma vez que se o Donald Trump perder as eleições de 2020, quem irá ser o Presidente vai ser ela, e não o Joe Biden. Ele é o cadáver andante que o partido democrata está desejoso de se ver livre, assim que já não precisarem de o usar.
submitted by R_DiasOficial to portugueses [link] [comments]


2020.08.12 04:15 YatoToshiro Persona 5 Royal (PS4) Analise

Persona 5 Royal (PS4) Analise

https://preview.redd.it/bdzuepwldhg51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=d40f807566790c3f74acb8cdc6d572d7e5c06dac
Persona 5 Enredo:
Depois que o Joker defende uma mulher de ser abusada por um homem bêbado na rua, ele é falsamente acusado de agressão e colocado em liberdade condicional, resultando na expulsão de sua escola. Joker é enviado para Tóquio para ficar com seu amigo da família Sojiro Sakura e frequentar a Shujin Academy durante seu ano de liberdade condicional. Após sua chegada, ele é levado para a Sala de Veludo, onde Igor o avisa que ele deve "se reabilitar" para evitar a ruína futura, e concede a ele acesso a um aplicativo móvel sobrenatural que leva Joker ao Metaverso e ao Palácio do voleibol abusivo da escola treinador Suguru Kamoshida. O Joker conhece Morgana, que o informa sobre a habilidade de mudar o coração das pessoas perversas, roubando seu "Tesouro", a raiz emocional de seu comportamento, dos Palácios governados por seus Shadow Malignos. Após reformar Kamoshida com sucesso, Ryuji, Joker, Ann e Morgana formam os Ladrões Fantasmas de Corações, roubando a corrupção dos corações dos adultos para reformar a cidade.
Conforme o número de membros e sucessos dos Ladrões Fantasmas aumenta, eles atraem a atenção do público e da polícia, incluindo o promotor público Sae Niijima e o detetive prodígio Goro Akechi. Os Ladrões Fantasmas descobrem que outro grupo secreto, incluindo um assassino com máscara negra, está usando o Metaverso para assassinar seus alvos e, em seguida, enquadrando os Ladrões Fantasmas de Corações pelas mortes. Em busca da conspiração, o grupo se junta a Akechi, que posteriormente é revelado ser o assassino mascarado. Escapando para se esconder com a ajuda de Sae, os Ladrões Fantasmas deduzem que o líder da conspiração é o político Masayoshi Shido, que tem usado a habilidade de Akechi de se infiltrar no Metaverso para remover obstáculos para que ele se torne primeiro-ministro e imponha suas reformas no Japão, bem como no que apresentou acusações de agressão contra Joker. Quando os Ladrões Fantasmas se infiltram no Palácio de Shido, eles enfrentam Akechi, que revela ser filho ilegítimo de Shido. Ele também revela que tem planejado secretamente se vingar de Shido por anos de negligência e convoca seu verdadeiro Persona: Loki. Uma vez derrotado, Akechi se sacrifica para proteger os Ladrões Fantasmas de um grupo de inimigos, permitindo que eles escapem, alcancem e derrotem Shido.
Apesar da prisão e confissão de Shido após sua mudança de opinião, o público continua desinteressado e perdeu a confiança na autoridade e nos Ladrões Fantasmas. Em resposta, os Ladrões Fantasmas fazem um assalto final para se infiltrar nas profundezas de Mementos, o Palácio dos corações de todos, e roubar o tesouro em seu núcleo. Lá dentro, eles descobrem que o público está um caos e optou por abrir mão de sua autonomia. Os Ladrões Fantasmas são então ejetados das Mementos pelo próprio Tesouro, assumindo a forma do Santo Graal, e desaparecem após testemunhar a fusão do Metaverso com a realidade. Acordando na Sala de Veludo, Joker confronta Igor, Caroline e Justine. Caroline e Justine recuperam suas memórias e se fundem em Lavenza, sua verdadeira forma. Lavenza revela o Igor que o Coringa tem visto na Sala de Veludo até este ponto é Yaldabaoth, que aprisionou o Igor real. Yaldabaoth, o Santo Graal, foi criado a partir do desejo da humanidade de abrir mão do controle e, por meio de uma aposta feita com Igor sobre os objetivos da humanidade, Yaldabaoth deu a Joker e Akechi suas habilidades para ver se o mundo seria preservado ou destruído por suas ações, ao mesmo tempo que conduz o jogo a seu favor.
Joker rejeita a oferta de Yaldabaoth de retornar ao seu mundo às custas de sua liberdade, e ele, junto com o resto dos Ladrões Fantasmas, luta contra ele. Os confidentes de Joker conquistam o apoio popular do povo, rebelando-se contra o controle da humanidade por Yaldabaoth e permitindo que Joker desperte sua personalidade definitiva para destruir Yaldabaoth e o Metaverso. Após a derrota de Yaldabaoth, para que Shido seja processado, Joker deve se transformar na polícia. Enquanto Joker está encarcerado, o resto dos Ladrões Fantasmas e seus confidentes ajudam a garantir a evidência da inocência de Joker na acusação de agressão, levando a sua condenação sendo anulada. Na primavera, os amigos de Joker o levam de volta para sua cidade natal.
Persona 5 Royal Enredo:
Em Persona 5 Royal, dois novos personagens interagem com os Ladrões Fantasmas: Kasumi Yoshizawa, uma talentosa ginasta rítmica que se transferiu para Shujin ao mesmo tempo que Joker, e Takuto Maruki, um conselheiro escolar contratado após a exposição de Kamoshida. Kasumi desperta para sua Persona após chamar Joker para um novo palácio em Odaiba. Maruki, por sua vez, fala com cada um dos Ladrões Fantasmas, aprendendo seus desejos mais profundos. Depois de derrotar Yaldabaoth, Akechi se entrega a Sae no lugar de Joker. No início do ano seguinte, Joker encontra a realidade distorcida; Akechi foi libertado sem motivo, e cada Ladrão Fantasma teve seu desejo mais profundo realizado. Joker, Akechi e Kasumi investigam o Palácio em Odaiba e descobrem que seu dono é Maruki, que também é um usuário Persona e capaz de alterar a realidade. Através da influência de Yaldabaoth, Maruki também controla Mementos, tendo-o usurpado dos Ladrões Fantasmas depois que eles confessaram seus desejos a ele durante suas sessões de aconselhamento.
Maruki revela que "Kasumi" é sua irmã gêmea Sumire, personificando-a para lidar com sua morte, e dá a Joker tempo para escolher se aceita sua realidade idealizada. Joker lembra os Ladrões Fantasmas e Sumire de suas vidas reais, e eles concordam em mudar o coração de Maruki. No início de fevereiro, Joker descobre por Maruki que Akechi foi trazido de volta à realidade pelo desejo de Joker de salvá-lo e que se ele continuará a viver depende de Joker aceitar o mundo de Maruki. O Coringa recusa a oferta e os Ladrões Fantasmas derrotam Maruki no dia seguinte. A realidade volta ao normal, e com Akechi desaparecido, Joker se encontra de volta à prisão, mas com a ajuda dos Ladrões Fantasmas e seus Confidantes, ele é absolvido de suas acusações.
Em sua reunião final após a libertação de Joker, cada membro dos Ladrões Fantasmas escolhe perseguir seu futuro. No dia em que ele deveria voltar para casa, Joker escapa perseguindo agentes do governo com a ajuda dos Ladrões Fantasmas e de um Maruki reformado, que agora é motorista de táxi. Na estação, Sumire o encontra e se despede. Uma cena pós-crédito alcançada por meio de certos requisitos de jogo mostra uma pessoa parecida com Akechi passando pela janela no trem de Joker para casa.

https://preview.redd.it/037x5agpdhg51.png?width=268&format=png&auto=webp&s=db3e3c57b2b917f32eab05a95a765cb327f153d7
A Analise aqui vai valer tanto pro Antigo e pro Royal.
Persona 5:
Enredo MERDA, mas o jogo é OK.
Historia do Persona 5 é bem fraco comparando com Persona 4, Se pá ele é mais fraco comparando quase todos jogos de Persona. Mas tirando isso tem coisas que faz esse jogo não ser um completo Flop como Sonic Forces ou Jump Force da vida.
Persona 5 Royal:
Enredo que considerei uma Merda no Antigo foi pra BOM e muita coisa deixou esse jogo mais Legal do que ele já era.
A historia em si continua sendo uma merda, mas o que salva esse jogo é o Terceiro Semestre do jogo. A Parte que conta a Historia da Kisume e Dr Maruki apesar de ser Clichê para krl, eu confesso que eu gostei. Foi bem desenvolvido. Tudo que tem de NOVO no Royal é Fantástico.
Mesmo não gostando da Historia de P5, eu confesso que eu amo esse jogo. Mas pra mim esse jogo é dos primeiros Jogos de RPG que Nunca mais vou pensar em revisitar o jogo. Enfrentar os chefes desse jogo é um Saco
submitted by YatoToshiro to u/YatoToshiro [link] [comments]


2020.08.12 04:14 YatoToshiro Persona 5 Royal (PS4) Analise


https://preview.redd.it/xiaabinbdhg51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=0734955051acba7802cfa6fa4d33bb31368a5fbb
Persona 5 Enredo:
Depois que o Joker defende uma mulher de ser abusada por um homem bêbado na rua, ele é falsamente acusado de agressão e colocado em liberdade condicional, resultando na expulsão de sua escola. Joker é enviado para Tóquio para ficar com seu amigo da família Sojiro Sakura e frequentar a Shujin Academy durante seu ano de liberdade condicional. Após sua chegada, ele é levado para a Sala de Veludo, onde Igor o avisa que ele deve "se reabilitar" para evitar a ruína futura, e concede a ele acesso a um aplicativo móvel sobrenatural que leva Joker ao Metaverso e ao Palácio do voleibol abusivo da escola treinador Suguru Kamoshida. O Joker conhece Morgana, que o informa sobre a habilidade de mudar o coração das pessoas perversas, roubando seu "Tesouro", a raiz emocional de seu comportamento, dos Palácios governados por seus Shadow Malignos. Após reformar Kamoshida com sucesso, Ryuji, Joker, Ann e Morgana formam os Ladrões Fantasmas de Corações, roubando a corrupção dos corações dos adultos para reformar a cidade.
Conforme o número de membros e sucessos dos Ladrões Fantasmas aumenta, eles atraem a atenção do público e da polícia, incluindo o promotor público Sae Niijima e o detetive prodígio Goro Akechi. Os Ladrões Fantasmas descobrem que outro grupo secreto, incluindo um assassino com máscara negra, está usando o Metaverso para assassinar seus alvos e, em seguida, enquadrando os Ladrões Fantasmas de Corações pelas mortes. Em busca da conspiração, o grupo se junta a Akechi, que posteriormente é revelado ser o assassino mascarado. Escapando para se esconder com a ajuda de Sae, os Ladrões Fantasmas deduzem que o líder da conspiração é o político Masayoshi Shido, que tem usado a habilidade de Akechi de se infiltrar no Metaverso para remover obstáculos para que ele se torne primeiro-ministro e imponha suas reformas no Japão, bem como no que apresentou acusações de agressão contra Joker. Quando os Ladrões Fantasmas se infiltram no Palácio de Shido, eles enfrentam Akechi, que revela ser filho ilegítimo de Shido. Ele também revela que tem planejado secretamente se vingar de Shido por anos de negligência e convoca seu verdadeiro Persona: Loki. Uma vez derrotado, Akechi se sacrifica para proteger os Ladrões Fantasmas de um grupo de inimigos, permitindo que eles escapem, alcancem e derrotem Shido.
Apesar da prisão e confissão de Shido após sua mudança de opinião, o público continua desinteressado e perdeu a confiança na autoridade e nos Ladrões Fantasmas. Em resposta, os Ladrões Fantasmas fazem um assalto final para se infiltrar nas profundezas de Mementos, o Palácio dos corações de todos, e roubar o tesouro em seu núcleo. Lá dentro, eles descobrem que o público está um caos e optou por abrir mão de sua autonomia. Os Ladrões Fantasmas são então ejetados das Mementos pelo próprio Tesouro, assumindo a forma do Santo Graal, e desaparecem após testemunhar a fusão do Metaverso com a realidade. Acordando na Sala de Veludo, Joker confronta Igor, Caroline e Justine. Caroline e Justine recuperam suas memórias e se fundem em Lavenza, sua verdadeira forma. Lavenza revela o Igor que o Coringa tem visto na Sala de Veludo até este ponto é Yaldabaoth, que aprisionou o Igor real. Yaldabaoth, o Santo Graal, foi criado a partir do desejo da humanidade de abrir mão do controle e, por meio de uma aposta feita com Igor sobre os objetivos da humanidade, Yaldabaoth deu a Joker e Akechi suas habilidades para ver se o mundo seria preservado ou destruído por suas ações, ao mesmo tempo que conduz o jogo a seu favor.
Joker rejeita a oferta de Yaldabaoth de retornar ao seu mundo às custas de sua liberdade, e ele, junto com o resto dos Ladrões Fantasmas, luta contra ele. Os confidentes de Joker conquistam o apoio popular do povo, rebelando-se contra o controle da humanidade por Yaldabaoth e permitindo que Joker desperte sua personalidade definitiva para destruir Yaldabaoth e o Metaverso. Após a derrota de Yaldabaoth, para que Shido seja processado, Joker deve se transformar na polícia. Enquanto Joker está encarcerado, o resto dos Ladrões Fantasmas e seus confidentes ajudam a garantir a evidência da inocência de Joker na acusação de agressão, levando a sua condenação sendo anulada. Na primavera, os amigos de Joker o levam de volta para sua cidade natal.
Persona 5 Royal Enredo:
Em Persona 5 Royal, dois novos personagens interagem com os Ladrões Fantasmas: Kasumi Yoshizawa, uma talentosa ginasta rítmica que se transferiu para Shujin ao mesmo tempo que Joker, e Takuto Maruki, um conselheiro escolar contratado após a exposição de Kamoshida. Kasumi desperta para sua Persona após chamar Joker para um novo palácio em Odaiba. Maruki, por sua vez, fala com cada um dos Ladrões Fantasmas, aprendendo seus desejos mais profundos. Depois de derrotar Yaldabaoth, Akechi se entrega a Sae no lugar de Joker. No início do ano seguinte, Joker encontra a realidade distorcida; Akechi foi libertado sem motivo, e cada Ladrão Fantasma teve seu desejo mais profundo realizado. Joker, Akechi e Kasumi investigam o Palácio em Odaiba e descobrem que seu dono é Maruki, que também é um usuário Persona e capaz de alterar a realidade. Através da influência de Yaldabaoth, Maruki também controla Mementos, tendo-o usurpado dos Ladrões Fantasmas depois que eles confessaram seus desejos a ele durante suas sessões de aconselhamento.
Maruki revela que "Kasumi" é sua irmã gêmea Sumire, personificando-a para lidar com sua morte, e dá a Joker tempo para escolher se aceita sua realidade idealizada. Joker lembra os Ladrões Fantasmas e Sumire de suas vidas reais, e eles concordam em mudar o coração de Maruki. No início de fevereiro, Joker descobre por Maruki que Akechi foi trazido de volta à realidade pelo desejo de Joker de salvá-lo e que se ele continuará a viver depende de Joker aceitar o mundo de Maruki. O Coringa recusa a oferta e os Ladrões Fantasmas derrotam Maruki no dia seguinte. A realidade volta ao normal, e com Akechi desaparecido, Joker se encontra de volta à prisão, mas com a ajuda dos Ladrões Fantasmas e seus Confidantes, ele é absolvido de suas acusações.
Em sua reunião final após a libertação de Joker, cada membro dos Ladrões Fantasmas escolhe perseguir seu futuro. No dia em que ele deveria voltar para casa, Joker escapa perseguindo agentes do governo com a ajuda dos Ladrões Fantasmas e de um Maruki reformado, que agora é motorista de táxi. Na estação, Sumire o encontra e se despede. Uma cena pós-crédito alcançada por meio de certos requisitos de jogo mostra uma pessoa parecida com Akechi passando pela janela no trem de Joker para casa.

https://preview.redd.it/zg1emolhdhg51.png?width=268&format=png&auto=webp&s=81b5de2e835e6e9ba874c93dc48a394e064cda24
A Analise aqui vai valer tanto pro Antigo e pro Royal.
Persona 5:
Enredo MERDA, mas o jogo é OK.
Historia do Persona 5 é bem fraco comparando com Persona 4, Se pá ele é mais fraco comparando quase todos jogos de Persona. Mas tirando isso tem coisas que faz esse jogo não ser um completo Flop como Sonic Forces ou Jump Force da vida.
Persona 5 Royal:
Enredo que considerei uma Merda no Antigo foi pra BOM e muita coisa deixou esse jogo mais Legal do que ele já era.
A historia em si continua sendo uma merda, mas o que salva esse jogo é o Terceiro Semestre do jogo. A Parte que conta a Historia da Kisume e Dr Maruki apesar de ser Clichê para krl, eu confesso que eu gostei. Foi bem desenvolvido. Tudo que tem de NOVO no Royal é Fantástico.
Mesmo não gostando da Historia de P5, eu confesso que eu amo esse jogo. Mas pra mim esse jogo é dos primeiros Jogos de RPG que Nunca mais vou pensar em revisitar o jogo. Enfrentar os chefes desse jogo é um Saco.
submitted by YatoToshiro to Excalibur_Brasil [link] [comments]


2020.08.09 03:15 YatoToshiro Fate/Gensokyo #52.5 Shirou Kotomine (Fate/Grand Order)


https://preview.redd.it/cuuh0ri6ovf51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=72639fc06e3411e86b7ed7862be68a8e680ac130
O verdadeiro nome do Avenger é Amakusa Shirou Tokisada, A líder adolescente da Rebelião Shimabara. Esta versão de Amakusa é um viajante de um mundo paralelo selecionado, muito parecido com a mulher Miyamoto Musashi.
Província de Shimosa: o estágio de rios de sangue e montanhas de cadáveres
Ele é conhecido como o Feiticeiro. Tendo viajado por vários mundos, ele finalmente teve a revelação de um ser desconhecido, que lhe deu instruções sobre como realizar sua vingança contra a humanidade. Em algum momento, ele conhece Caster Limbo e juntos decidem executar um plano para exterminar a humanidade.
Em uma de suas viagens, ele também encontra um samurai sem nome que ele contratou como seu guarda-costas pessoal por causa de suas habilidades, bem como seguro contra certas ameaças aos seus esquemas.
Devido a uma força contrária fraca na linha do tempo e vários requisitos preenchidos, ele escolheu Shimousa como o lugar certo para executar sua agenda sem tanta oposição. Ele e Limbo decidiram convocar vários servos e gravar neles a Maldição da Aniquilação, transformando-os em mortos-vivos, monstros sedentos de sangue, criando assim os espadachins espirituais heróicos, cujo propósito era massacrar todas as vidas humanas à vista, sem exceção, e usando a energia negativa das almas das vítimas como combustível para ativar o Onri Edo no Castelo de Toke.
Seu objetivo principal era a conclusão do Onri Edo com o sacrifício de uma princesa do clã Matsudaira. Segundo ele, uma vez que o ritual esteja completo, não só essa linha do tempo será engolfada pela escuridão, mas, como uma maldição que transcende mundos, afetará cada linha do tempo onde o clã Tokugawa deixou um rastro na história, eventualmente alcançando a Caldéia e trazendo uma grande calamidade para a própria Árvore do Tempo.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.07 04:24 YatoToshiro Fate/Gensokyo #49 Saber of Red (Fate/Grand Order) Parte 2


https://preview.redd.it/cgjgskwklhf51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=e412088494be7f98ae0232ab947550b3f8077b2d
Londres: O Mundo da Morte na Cidade do Nevoeiro Demoníaco
Materializando-se do nevoeiro demoníaco, Mordred logo se encontrou e fez uma parceria com Henry Jekyll para salvar Londres, com ela fazendo o trabalho de campo. Antes da chegada de Caldéia, o casal descobriu que o Museu Britânico, que serve como entrada da Torre do Relógio, foi destruído pelos criadores do nevoeiro, o Projeto Demonic Fog, para remover qualquer oposição.
Mais tarde, ela confronta Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight ao ver que podem respirar no nevoeiro, perguntando se são amigos ou inimigos. Eles não respondem, mas ela os acha inofensivos. Ela adverte a seguir em frente se eles valorizam suas vidas antes de partir. Ela fica de olho no par e as testemunha destruir um Helter Skelter. Ela interpõe durante a análise de Romani Archaman dos golens mecânicos para informá-lo de seu nome. Ela conclui que Ritsuka e Mash não são inimigos e concorda em contar a eles sobre Londres.
Ela os leva ao apartamento de Jekyll, onde ele a repreende por se apresentar com seu nome verdadeiro. Ela o ignora, já que eles não estão em uma guerra normal do Santo Graal. Eles então explicam a Ritsuka e Mash como se tornaram parceiros quando o Nevoeiro Demoníaco desceu sobre Londres. Depois que Jekyll explica as circunstâncias de Londres, ele envia Ritsuka, Mash e Mordred para proteger um de seus colaboradores, Victor Frankenstein.
Saindo do apartamento, Mordred fica desanimado e deixa quando acaba de voltar. Enquanto leva Ritsuka e Mash à mansão de Victor, ela explica como Jekyll tem colaboradores por toda a cidade e conversa diariamente com eles via rádio. Mash logo pergunta a ela sobre suas motivações para lutar por Londres. Mordred responde que ela está aqui para enfrentar os perigos do amado Londinium de seu pai., Como ela disse antes. Ela então confessa que é porque ela não violou o britânico quando Mash suspeita que havia outro motivo. O grupo finalmente chega à mansão do Victor. Mordred explica que Victor é um mago genuíno, ao contrário de Jekyll, então sua guarnição é protegida por barreiras e armadilhas capazes de prejudicar Servos. Ela se lembra de ter tido uma experiência ruim quando checou a mansão pela primeira vez. Mefistófeles então sai das mansões, e Mordred suspeita corretamente que ele matou Victor. Depois de matá-lo, o grupo vasculha a mansão e encontra uma nota em sua biblioteca detalhando uma trama chamada Project Demonic Fog. Os líderes do projeto são "P", "B" e "M", que Victor suspeitava serem Espíritos Heroicos. Mordred então mostra Ritsuka e Mash Frankenstein, que ela encontrou anteriormente. Como os outros, ela não pode dizer se Frankenstein é um Servo ou não, suspeitando que o Nevoeiro Demoníaco esteja interferindo. Ela então explica que é um humano artificial construído pelo avô de Victor, de acordo com a nota em seu caixão. Frankenstein revela que ela ainda está viva. O grupo então a leva para o apartamento de Jekyll.
De volta ao apartamento, Mordred exige que Jekyll se desculpe com Frankenstein por incomodá-la por tocá-la durante sua inspeção. Ela concorda com Mash que Frankenstein aceita as desculpas de Jekyll se ele entendeu o desconforto dela. Ela então ameaça matá-lo quando ele se pergunta se ela e Mash podem entender Frankenstein porque são do mesmo sexo. Jekyll então envia o acordo do grupo com um Tomo Mágico que está entrando em prédios e atacando civis.
Deixando Frankenstein para trás, Mordred lembra-se de lutar contra Espécies Fantasmas, pois os Cavaleiros da Távola Redonda eram uma das expectativas que podem matar fantasmas. Ela também lembra os pictos, comparando-os com alienígenas em contraste com os outros bárbaros. Ela então luta com Mash para endurecer sua determinação. Jekyll finalmente entra em contato com o grupo para informar que o Tomo Mágico está colocando suas vítimas em um sono sem fim. Mordred se pergunta se é feito por magia ou droga, embora nenhum deles deva ser afetado graças a Ritsuka sendo protegida pela Habilidade de Resistência a Venenos (Temporária), e Mordred sendo principalmente protegido por sua Resistência Mágica. Jekyll então os direciona para uma livraria de antiguidades no Soho, onde um de seus informantes deveria estar. Lá eles encontram Hans Christian Andersen, e ele informa que o Tomo está no escritório ao lado. Decidindo que é muito perigoso lutar dentro de casa, o grupo o atrai para fora. Seus ataques são inúteis quando Andersen revela que é um Servo Vadio colocando as pessoas em um sonho em busca de um Mestre cuja psique possa tomar forma. Ele o chama de Nursery Rhyme, transformando-o em uma garota chamada Alice. Depois de derrotá-la, o grupo retorna ao apartamento de Jekyll, agora acompanhado por Andersen.
Jekyll diz ao grupo que a Scotland Yard está sob ataque de Jack, o Estripador. Mordred lembra como eles lutaram várias vezes, mas ela não se lembra de sua aparência ou habilidades. Antes de sair com Ritsuka e Mash, ela pergunta a Andersen se ele facilita Jack a derrotar, como fez com Nursery Rhyme. Andersen responde que Nursery Rhyme foi uma exceção, então Mordred sai irritado com ele. O grupo finalmente chega à Scotland Yard para encontrar Jack que já massacrou a estação sob ordens de "P" para que ele pudesse recuperar um item mágico. Eles matam Jack, mas "P" se teletransporta de volta para seus compatriotas.
De volta ao apartamento, o grupo aprende com Andersen que os Servos estão se materializando com o nevoeiro. Como Servo não pode ser convocado com a influência do Graal, ele suspeita que o nevoeiro tenha sido criado pelo Graal. Mordred então patrulha, então Ritsuka e Mash se juntam a ela. Ela lembra que ainda não encontrou grupos de Helter Skelter, que é o único inimigo que ela gosta de lutar. Ela também espera que eles encontrem oponentes dignos hoje à noite. O grupo logo conhece William Shakespeare, que recentemente se materializou da neblina. Mordred contempla por que alguns servos do nevoeiro são hostis quando "P" chega. Ele admite que seu grupo tem procurado os Servos que se materializaram da neblina e os manipularam para expandir a neblina. Ele revela que seu nome verdadeiro é Paracelsus von Hohenheim e luta contra o grupo. Depois de matar Paracelso, o grupo retorna ao apartamento de Jekyll, acompanhado por Shakespeare.
Na manhã seguinte, Ritsuka, Mash e Mordred estão em patrulha. Eles finalmente retornam ao apartamento para descansar um pouco. Eles relatam a Jekyll sobre a produção em massa de Helter Skelters. Ele suspeita que o Projeto Demonic Fog está aumentando seus esforços para conseguir mais Servos do nevoeiro após a morte de Paracelso. Mordred diz a Ritsuka e Mash para conversar com Andersen e Shakespeare até que sua curiosidade seja satisfeita. Ela então diz que eles precisam desativar os Helter Skelters. Andersen então pede que eles recuperem dados da Torre do Relógio para provar sua teoria sobre a Guerra do Santo Graal. No entanto, Mordred e Jekyll revelam sua entrada, o Museu Britânico, foi destruído antes da chegada da Caldéia. No entanto, o chefe do grupo juntou-se a Andersen, Shakespear e Jekyll para surpresa de Mordred.
Chegando ao Museu, o grupo vasculha seus escombros para encontrar a entrada subterrânea da Torre do Relógio. Eles o encontram e vão para baixo para encontrar os magos mortos. Eles logo se deparam com uma porta da biblioteca protegida, então Andersen e Jekyll investigam dentro enquanto os outros guardam a porta. Os feitiços nos livros impedem que eles saiam com eles, então os outros devem defendê-los até Andersen obter as informações que ele procura. Jekyll se transforma em Hyde para ajudá-los a lutar. Andersen finalmente encontra os dados que procurava, então o grupo retorna ao apartamento.
De volta ao apartamento, Andersen revela que o Ritual de Convocação de Servos foi adaptado de um que convoca sete dos espíritos heroicos mais fortes para combater um inimigo poderoso. Ele suspeita que alguém tenha previsto a vinda do grupo e colocou as informações sobre o ritual para encontrar. Mordred acha que nada disso ajudará contra a produção em massa dos Helter Skelters. De repente, o apartamento é atacado por um grupo de Helter Skelters. Depois de expulsá-los, Romani informa ao grupo que os robôs foram criados a partir de um nobre fantasma. Ele também revela que eles são controlados remotamente pelo Servo que os chamou, o que significa que desaparecerão se o Servo for morto. Enquanto o grupo pondera a localização da Serva, Frankenstein revela que ela sabe onde elas estão.
Enquanto Frankenstein lidera o grupo, Mordred pergunta a Ritsuka se Romani (chamando-o de Dr. Maron) pode fazer um cristal que enxerga longe, dizendo que seria fácil para Merlin. Ela está bastante satisfeita que Ritsuka não saiba sobre Merlin, acreditando que a perda da fama é o que ele merece. Ela sabe que ele está preso em sua torre em Avalon e lembra que ele era um bastardo voador. Ela então diz a Ritsuka para conversar com Mash, percebendo que ela parece deprimida. Mash confessa que é porque ela ainda não pode usar seu verdadeiro Noble Phantasm, mas Mordred diz que ela é diferente daquele bastardo do escudo. Ela diz que é mais forte que ele, só que fica aquém no que diz respeito ao Noble Phantasm. Ela diz que Ritsuka é o parceiro perfeito para Mash e diz que eles precisam se tornar um mestre de primeira classe para ser um servo de pleno direito. [23] O grupo finalmente chega às Casas do Parlamento, onde são atacados por um grupo de Helter Skelters comandado por um grande grupo. Mordred protege Frankenstein enquanto Ritsuka e Mash lutam com os Helter Skelters. Com a destruição do grande, os outros Helter Skelters de repente se enfrentam. Mash então tira fotos do grande Helter Skelter, a pedido de Romani. Ela percebe o nome do fabricante, ausente dos outros, que diz "Charles Babbage, 1888 dC".
Na manhã seguinte, Jekyll diz ao grupo que Charles Babbage está vivo, apesar dos registros históricos da Caldéia dizendo que ele deveria estar morto agora. Romani atribui isso às distorções criadas pela Singularidade, resultando na mudança de eventos. Assim, os mortos ainda vivem e não existem como Espíritos Heroicos, como Jekyll e Frankenstein. Jekyll revela que os Helter Skelters que foram completamente desligados foram todos reativados. O grupo sai para derrotar aquele que controla os Helter Skelters.
Eles seguem a liderança de Frankenstein novamente, mas Mordred logo suspeita que os esteja enganando dessa vez. Frankenstein admite que não acredita que Babbage esteja construindo os Helter Skelters para machucar os outros. Mordred a convence a levá-los até ele, dizendo que suas ações agora contradizem a crença dela em sua boa natureza. Ela os leva a Babbage, que revela que ele é "B" do Projeto Nevoeiro Demoníaco e um Servo que emergiu do nevoeiro. Mordred diz a ele para ouvir o que Frankenstein tem a dizer. Babbage se prepara para se render quando fica furioso com o grupo devido a "M" usando o Graal. Mordred diz a Frankenstein que suas palavras são inúteis, dizendo que às vezes as conversas terminam em brigas. Depois que ele é derrotado, Babbage diz ao grupo para ir para o subsolo, onde eles encontrarão a fonte do Nevoeiro Demoníaco: seu Mecanismo a Vapor Maciço, alimentado pelo Santo Graal, Angrboda. Depois que Babbage desaparece, o grupo retorna Frankenstein ao apartamento de Jekyll antes de seguir para o subsolo.
Eles seguem a liderança de Frankenstein novamente, mas Mordred logo suspeita que os esteja enganando dessa vez. Frankenstein admite que não acredita que Babbage esteja construindo os Helter Skelters para machucar os outros. Mordred a convence a levá-los até ele, dizendo que suas ações agora contradizem a crença dela em sua boa natureza. Ela os leva a Babbage, que revela que ele é "B" do Projeto Nevoeiro Demoníaco e um Servo que emergiu do nevoeiro. Mordred diz a ele para ouvir o que Frankenstein tem a dizer. Babbage se prepara para se render quando fica furioso com o grupo devido a "M" usando o Graal. Mordred diz a Frankenstein que suas palavras são inúteis, dizendo que às vezes as conversas terminam em brigas. Depois que ele é derrotado, Babbage diz ao grupo para ir para o subsolo, onde eles encontrarão a fonte do Nevoeiro Demoníaco: seu Mecanismo a Vapor Maciço, alimentado pelo Santo Graal, Angrboda. Depois que Babbage desaparece, o grupo retorna Frankenstein ao apartamento de Jekyll antes de seguir para o subsolo.
Viajando no subsolo, o grupo finalmente chega à câmara de Angrboda. Lá eles encontram Makiri Zolgen, o primeiro líder do Projeto Demonic Fog. Makiri revela que o Nevoeiro Demoníaco foi criado para destruir toda a Inglaterra, como comandado por seu rei. Ele continua um Espírito Heroico capaz de ativar completamente o Nevoeiro Demoníaco em breve se materializará do Nevoeiro. Ele então se encarna em Barbatos e ataca o grupo. Depois que Barbatos é derrotado, Makiri tenta convocar um Servo, mas Mordred o mata antes que ele possa terminar o encantamento. No entanto, servindo como o círculo de convocação e o encantamento restante, a Névoa Demoníaca completa o ritual. [25] Nikola Tesla é convocado e segue para a superfície, enquanto o grupo permanece inconsciente da explosão maciça de Energia Mágica após sua convocação. Depois que eles acordam, Romani avisa que Tesla está indo para um local na superfície para ativar completamente o Nevoeiro Demoníaco, para que possa se espalhar pela Inglaterra para destruir a época. Ele explica ainda a linha extra de Makiri para Madness Enhancement durante a convocação, que Tesla executou automaticamente a tarefa para a qual foi convocado. Depois de derrotar os homúnculos que os emboscaram, o grupo logo alcançou Tesla. Ele revela que o nevoeiro ativado absorve energia mágica sem limites, impedindo que o grupo o alcance. Mordred dispersa o nevoeiro quando absorve seu Clarent Blood Arthur. O grupo aproveita essa oportunidade para combater Tesla, mas o nevoeiro logo volta. Antes de continuar na superfície, Tesla diz ao grupo que está indo para onde a névoa é mais espessa, o céu acima do Palácio de Buckingham. Ele explica que um raio dele ativará totalmente o nevoeiro e implora que eles o parem antes dele.
O grupo corre para a superfície e encontra Sakato Kintoki e Tamamo no Mae, que recentemente lutaram com Tesla. Kintoki diz a eles que dispersou a neblina ao redor de Tesla, então o grupo correu pelas escadas dele para matá-lo. Depois de matar Tesla, eles se preparam para retornar à clandestinidade para remover o Graal de Angrboda. No entanto, eles são interrompidos quando Artoria Alter de repente se materializa da neblina, absorvendo-a enquanto ela se materializa. Mordred se pergunta por que ela não chegou para salvar Londres mais cedo. Ela então suspeita que veio matá-la porque é contra a idéia de salvar Londres. Vendo que ela exerce a Rhongomyniad, Romani implora para que o grupo corra, mas Mordred se recusa, já que seu destino é se rebelar contra o rei Arthur. Depois que o grupo mata Artoria Alter, eles retornam à câmara de Angrboda para remover o Graal.
Dentro da câmara, Mordred está satisfeito com o resultado. Porém, ela ameaça matar Mash quando disse que Artoria Alter não tinha controle consciente de suas ações. Ela decide não fazer isso, já que Mash estava apenas falando o que pensava, a mesma coisa que ela disse a Frankenstein. Andersen, Shakespeare, Kintoki e Tamamo logo chegam; Mordred ameaça matar os dois escritores por ser irritante. No entanto, uma figuras misteriosas de uma distorção semelhante ao Rayshift. Ele expressa decepção em Gilles de Rais, Romulus, Jason e Tesla por seus fracassos. Ele então revela que é a mente por trás da Incineração da Humanidade, Salomão. Mordred suspeita que ele é um Espírito Heróico que decidiu destruir a humanidade depois de ser convocado. Salomão corrige, porém, que ele se manifestou sob seu próprio poder. Ele revela que o anel de luz visto nos céus das Singularidades é seu terceiro fantasma nobre, Ars Almadel Salomonis. Por seu interesse em Mash, ele convoca apenas quatro dos Deuses Demônios e ataca o grupo. O grupo mata um dos deuses demônios, no entanto, Salomão mata Shakespeare, Kintoki e Tamamo. Mash implora aos romani que os desloquem para casa, mas a presença de Salomão torna isso impossível. Salomão declara que ele supera todos os Servos, independentemente de suas fileiras, como Espíritos Heroicos. Ele então tenta matar Mordred, mas Andersen bloqueia seu ataque. Andersen explica que o sistema de convocação do Espírito Heroico original criado pela Força Contra os convoca como Grandes Servos para proteger a humanidade de uma ameaça nascida da humanidade. Salomão confirma que o sistema usado na Guerra do Santo Graal é uma degradação do original. Ele então declara que ele é o Grand Caster e mata Andersen. Mordred detesta sua vanglória, suspeitando que ele esteja realmente em pânico porque Ritsuka já recuperou quatro de seus Grails. Salomão confessa que só chegou à Singularidade por um capricho e se prepara para sair. Ele proclama que a Caldéia não é uma ameaça para ele, a menos que destruam sete singularidades. Ele então chama os seres humanos sem valor para viver, apesar de suas inevitáveis ​​mortes e folhas. Voltando à superfície com Ritsuka e Mash, Mordred está insatisfeito, apesar de terem recuperado o Graal. Ela odeia que não pode ir com eles, mas entende que desaparecerá agora que a Singularidade se foi. Ela admite que Salomão estava certo de que os Espíritos Heroicos são inúteis, a menos que sejam convocados. Ela então diz que em todas as épocas, quem constrói é quem está à beira do futuro. Portanto, ela está confiante de que Ritsuka desfará a Incineração da Humanidade. Ela então diz a Mash que ela gosta dela, mesmo que ela não goste do Espírito Heroico fundido com ela. Ela suspeita que eles se encontrarão novamente, depois desaparece satisfeita até mesmo alguém como ela salvou Londres.
Chaldea Summer Memories ~ Calmante Praia Branca ~
Mordred e vários outros servos de Ritsuka são acidentalmente deslocados para uma ilha remota onde não conseguem entrar em contato com a Caldéia. Ela não sabe onde eles estão e lança um olhar de soslaio para Artoria Pendragon, que reconhece que não está na Grã-Bretanha. Enquanto o grupo espera que Barba Negra relate sua observação da ilha, Mordred reclama do calor, dizendo que sua armadura não é de praia. O grupo logo aprende com um Barba Negra moribundo que sua localização ainda é desconhecida, e é quase impossível sair com um navio normal. Concordando com a sugestão de Artoria de deixar a ilha para entrar em contato com a Caldéia, o grupo decide construir um navio capaz de deixar a ilha. Mordred reclama novamente de como está quente em sua armadura quando os caranguejos gigantes se aproximam da posição do grupo. Artoria a repreende por usar armaduras pesadas para intimidar o inimigo. Mordred fica irritado com o comentário de Artoria de que sua reputação como cavaleira não vai além do negativo, mesmo que ela troque de armadura adequada ao seu corpo. Depois de matar os caranguejos, as origens espirituais do grupo são alteradas por Scáthach para lhes dar roupas de banho, a fim de se adaptarem ao seu ambiente atual. Mordred se orgulha de ser mais forte que Artoria, agora ela pode balançar sua espada com mais facilidade. Ela fica chocada quando Artoria puxa uma pistola de água do nada como se não fosse nada. Com ciúmes da arma de Artoria é tão verão, ela pega Prydwen. O grupo vai reunir materiais para Scáthach construir seu navio de fuga e também construir outras instalações.
Mais tarde, o grupo discute qual deveria ser sua primeira tarefa na vida da ilha quando uma tempestade de repente se aproxima. Eles entram em uma pequena caverna avistada por Mordred para escapar da chuva, mas acabam devido a um enorme enxame de insetos. Fora da caverna, o grupo decide que precisa construir uma cabana para se abrigar. Mordred sugere que construam uma cabana de ferro para maior defesa do que a cabana de pedra que Artoria sugeriu. Ela fica brava com Artoria por fingir não ouvir sua sugestão. Se a cabine de ferro for construída, Mordred entra apenas para sair imediatamente devido ao calor excessivo. Ela não se importa se é habitável ou não, apenas se é defensável. Ela então nade depois de dizer a Ritsuka que eles estarão a salvo de qualquer ataque dentro da cabine, embora não do calor. O grupo constrói um suprimento de água para preservar a água doce que coletar.
Cansado de churrasco, o grupo decide construir uma instalação de cozinha adequada. Mordred gosta do som de comer pizza, mas reclama que é uma dor de assar. Ela então sugere que eles façam uma panela grande, dizendo que quantidade é o que é importante. Se a panela for construída, ela ficará encantada ao vê-la cheia de ensopado. Ela começa a se lembrar de algo que Artoria costumava fazer durante sua vida, mas se detém. Ela então afirma que o desempenho de um soldado é afetado pela quantidade de estômagos, para que um exército se desfaça se for deixado sem comida. Assim, ela acredita que a quantidade é o mais importante quando se trata de comida. Em seguida, o grupo decide construir uma instalação de banho. Mordred concorda com a sugestão de Anne Bonny e Mary Read de que eles construam um chuveiro. Se o chuveiro for construído, ela toma banho, apenas para imediatamente surfar novamente. Posteriormente, o grupo decide cultivar um campo vegetal para um suprimento estável de alimentos. Mordred sugere o cultivo de melancias, com as quais Scáthach e Artoria concordam. Se as melancias são escolhidas, os três fazem uma competição de divisão de melancia. Mordred falha em direcionar Scáthach na direção errada, enquanto tenta direcionar Artoria na direção certa. Ela afirma que está levando na direção errada, quando Artoria diz para ela calar a boca por distraí-la. Depois que Artoria usa Mana Burtst para dividir a melancia, Mordred fica surpreso com o quão excessivamente competitiva ela é. Ela tenta fazer a mesma coisa, mas destrói a melancia. Mais tarde, o grupo construiu um campo de grãos que pode ser usado para cozinhar ingredientes. Depois, eles constroem uma fazenda para criar gado. Se uma fazenda de gado é construída, Mordred tenta pegar a carne que Scáthach e Artoria estão preparando, apenas para ser golpeada por eles.
Alguns dias depois, Artoria, Mordred, Kiyohime e Marie Antoinette aprendem com Scáthach que suas colheitas foram destruídas por uma fera, conforme determinado pelo uso de Fintan Finegas por Fionn mac Cumhaill. Mordred pensou, no entanto, que seria apenas ela e Artoria em patrulha. Infelizmente, o grupo encontra Fionn e Diarmuid Ua Duibhne, que serviram de vigia na noite anterior, fatalmente feridos. Artoria descobre pelo Diarmuid moribundo que seu atacante era um javali quando um leitão de javali. Mesmo que Marie acredite que é inocência, o outro tenta cercá-lo e matá-lo, dadas as evidências. No entanto, ele foge ao sentir monstros que chegam. Depois de matar os monstros, Artoria ordena que os outros se separem e procurem o leitão de javali. Mordred reclama que Artoria trabalha demais com as pessoas, dizendo que não entende os sentimentos das pessoas. Ela decide voltar e alegar que não encontrou nada quando encontrou o leitão de javali nos arbustos. Ignorando as ordens de Artoria, ela abraça o leitão para sentir seu pêlo macio. Ela então deixa as nozes que conseguiu de Marie para atraí-lo, alertando-o para não voltar aos campos. Mais tarde, naquela noite, ela se reúne novamente com os outros nas lavouras agora reunidas por Santa Marta, Tamamo no Mae e Anne e Mary. O grupo encontra o leitão junto com outros dois tentando proteger as plantações quando um javali demoníaco aparece. Percebendo que é o verdadeiro culpado, o grupo luta contra o javali demoníaco. Depois de morto, Mordred suspeita que os leitões ajudaram porque Marie lhes deu comida. Ela também suspeita que o javali demoníaco os tenha impedido de comer. Marie percebe que eles também gostam dela, mas Mordred nega e diz para eles irem embora. Depois que Scáthach contrata os leitões para proteger as plantações, Artoria suspeita que eles encontrarão mais javalis demoníacos, dado o tamanho da ilha.
No dia seguinte, o grupo decide construir um caminho. Mordred sugere uma pista de minecart, dizendo que ela não é apenas convinente, mas também divertida. Mais tarde, o grupo decide construir um aqueduto para melhorar sua eficiência no armazenamento de água. Mordred sugere que eles construam um oleoduto, reclamando que as idéias dos outros não têm romance. Se o pipeline for escolhido, ela orientará Ritsuka na instalação da última peça. Em seguida, o grupo decide construir uma ponte para facilitar a viagem para Ritsuka. Mordred afirma que ela e Artoria tiveram a mesma idéia de construir uma ponte levadiça, de modo que, como contrapartida, ela sugere um teleférico. Se o teleférico for construído, ela, Martha, Anne e Mary correm com os teleféricos. se o drawbrige for construído, ela o arranha com Prydwen. Ela nega qualquer responsabilidade e também pede desculpas silenciosamente a Artoria. Mais tarde, o grupo construiu um jardim. Depois eles decidem construir um local para atividades recreativas. Depois eles decidem construir um local para atividades recreativas. Se o coliseu for construído, Mordred espera impaciente sua vez de lutar. Se o campo de atletismo é construído, ela bate uma bola contra uma parede sozinha. Artoria, com certa relutância, permite se juntar à equipe de Ritsuka, dizendo-lhe para não se segurar.
Mais tarde, Mordred vai surfar depois de fingir que não gosta de compartilhar o mesmo espaço que Artoria. Mais tarde, ela dá a Ritsuka uma prancha de madeira que ela fez, alegando que elas pareciam inveja dela. Acreditando que o surf no rio era mais adequado para iniciantes, ela os trouxe e Mash, para quem também fez uma prancha. Ela confessa que gosta de surfar, porque ir contra o fluxo das ondas combina com seu caráter traiçoeiro. Ela compara a diversão de lidar com as ondas a um cavaleiro andando a cavalo ou cortejando uma mulher, pois quanto maior o desafio, maior o valor conquistado. No entanto, o grupo percebe miasma fluindo rio abaixo, então eles vão rio acima para encontrar os javalis demoníacos responsáveis. Depois de matá-los, o grupo volta para deixar Scáthach e os outros removerem o veneno. Mordred nega que tenha gostado de Ritsuka assistindo-a surfar.
Mais tarde, o grupo decide construir uma torre com vista para a ilha. Mordred esboça rapidamente seu projeto para a torre. Se sua torre é construída, ela elogia por ter a aptidão de ser um rei e uma artista. Ela comenta que o design quebrado da torre simboliza o espírito rebelde da humanidade. Em seguida, o grupo decide expandir sua cabine; Mordred sugere construir uma fortaleza voadora. Se a fortaleza voadora for construída, ela demonstra seus sistemas de segurança, nos quais Cú Chulainn, Sasaki Kojiro e Karna são pegos. Ela então confessa que seu foco na defesa absoluta é porque ela precisa proteger Ritsuka a todo custo. Ela então sugere ir à praia quando Mash aponta que a fortaleza está quente demais para morar. Mais tarde, o grupo se prepara para construir uma estátua quando chegarem aos preparativos finais para o navio de fuga. No entanto, enquanto eles se preparam para construí-lo, um javali gigante aparece. Depois de forçar a retirada, o grupo continua construindo seu navio e estátua. Se uma estátua de Mordred é feita, ela parabeniza por completar o desenvolvimento da ilha fazendo uma estátua dela.
No dia seguinte, a construção do navio de fuga está completa quando o gigante demônio javali. O grupo então luta para proteger os leitões-javali. Porém, sua estância é tremenda, e cobra da nave que a destrua. No entanto, os leitões formam uma parede para protegê-lo quando se machucam. Depois de derrotar o javali gigante, o grupo e os homens embarcam no navio. Mordred está um pouco preocupado que demore muito tempo para que eles possam entrar em contato com a Caldéia, enquanto zarpam.
Chaldea Heat Odyssey ~ Civilização em evolução ~
Enquanto o grupo continua a navegar, Mordred é atacado por Scáthach por chamá-la de velha. Eventualmente, o grupo chega a terra para encontrar um terreno baldio desolado. Mordred diz que encontra comida depois que Artoria menciona que seus espíritos morrerão primeiro ou Ritsuka morrerá de desnutrição. O grupo então ouve um grito de socorro, e eles ficam surpresos que isso esteja vindo de um leitão de javali. Eles matam o Servo das Sombras atrás dele, que se revela um javali demoníaco disfarçado. O leitão de javali chama as deusas do grupo e pede que salvem este mundo.
O grupo é liderado pelo leitão às ruínas de uma cidade. Eles encontram o chefe de leitão de javali que os agradece por salvar seu neto depois de ouvir suas circunstâncias. Eles ficam chocados quando descobrem que os edifícios eram de uma civilização avançada construída pelos leitões de javali. Infelizmente, isso chegou ao fim com a chegada dos javalis demoníacos e dos Servos Sombrios, cinquenta anos atrás. O grupo então aprende com o chefe de uma lenda em seu clã cerca de nove deusas chamadas Nove Irmãs, que deram civilização aos leitões de javali. Dizia-se que as deusas assumiam a forma humana, então o neto do chefe assumiu que o grupo era elas. O grupo decide reconstruir a ilha em troca da ajuda do pigelt de javali. Mordred alerta os leitões que Artoria pode comê-los depois que este se perguntou se os leitões que o Tamamo deveriam comer.
Mais tarde, o grupo começa a reconstruir a civilização do leitão de javali. Mordred se junta à equipe de busca de Scáthach no litoral para a chance de surfar. Depois de destruir alguns autômatos, a equipe de busca encontra um javali gigante protegendo uma árvore. Depois de matar o javali demoníaco, o grupo chega à costa, onde encontra os restos quebrados da estátua que construiu antes. Scáthach revela que eles coincidiram navegando de volta para a mesma ilha, sem saber que 2.000 anos se passaram a um ritmo incrível. Ela ainda revela que o tempo não progride normalmente na ilha, o que significa que uma hora seria diferente lá fora. Ela continua que era uma terra relativamente pacífica onde os leitões dos javalis viveram até a Caldéia chegar. O grupo então volta para os outros e conta o que descobriram. Eles também percebem que são as deusas adoradas pelos leitões de javali. O grupo decide não deixar a ilha de navio novamente, pois Scáthach aponta outros mil anos para a ilha e os leitões de javali podem ser extintos. Eles então decidem que precisam descobrir por que o espaço-tempo da ilha está distorcido, à medida que continuam a reconstruir a ilha e fazer contato com a Caldéia. Eles também se encontram com Cú Chulainn, que recentemente voltou de ser jogado ao mar do navio do grupo. Mais tarde, eles descobrem que Beowulf está na ilha, mas como um inimigo. Mordred o chama de bandido, decepcionado por ela não estar lá para encontrá-lo.
Mais tarde, Mordred se junta a Ritsuka, Mash, Scáthach e Artoria em busca da caverna onde dorme Caster, que deu eletricidade aos leitões há 2000 anos. Perto da caverna, o grupo luta contra os javalis demoníacos que a cercam. Dentro da caverna, eles encontram ainda mais javalis demoníacos. Mordred está irritado com a boa natureza inerente de Mash, mas Artoria defende Mash. Ela é insultada quando é comparada a um coquetel barato. Enquanto Artoria e Scáthach discutem sobre o equilíbrio de ordem e caos, Mordred insiste continuamente que ela não fez nada de errado. Ela também culpa o pensamento rígido de Artoria por que Lancelot enlouqueceu. Depois de matar os javalis demoníacos que antes passavam despercebidos, ela continua a insistir que não fez nada de errado depois que Artoria e Scáthach se desculparam. No entanto, ela admite que fez tudo errado quando Ritsuka concorda que não fez nada errado e pede desculpas. Artoria ordena que ela faça 100.000 flexões como quando retornam como punição, o que aparentemente é 900.000 menos que o normal. O grupo então encontra um Servo desconhecido e luta com ele e seus robôs. Depois de derrotá-lo, ele revela ser Thomas Edison, que acabou de acordar de sono criogênico. Mordred acha que Artoria está em guarda diante de um rei rei, sem saber que ela está realmente apaixonada pelo rosto de leão de Edison. O grupo segue Edison do lado de fora quando descobre que a civilização dos leitões que ele ajudou a criar está em ruínas. Mordred está chocado com a ameaça de Edison de enviar os javalis demoníacos para a fábrica de empacotamento de carne. Ela esperava que Artoria confirmasse pessoalmente a identidade de Edison.
Mais tarde, o grupo procura a caverna dos javalis demoníacos, supondo que eles tenham o Graal. Depois de algumas brigas, eles dirigem a caverna. Eles o acham guardado pela massa de javalis demoníacos, então Mordred sugere que ela atravesse a linha de frente dos javalis para permitir que Ritsuka, Scáthach e Edidon entrem na caverna enquanto os outros lutam. Ela então intenciona o plano desencadeando seu Noble Phantasm na linha de frente dos javalis. Depois que a fonte dos infortúnios do leitão, Twrch Trwyth, é derrotada, o grupo se prepara para escapar da ilha através do dispositivo de Edison. Mordred descobre com Sasaki que ele e Karna estavam hospedados em Beowulf. O grupo então foge da ilha quando é contatado por Romani, que revela que eles só saíram por uma hora, e retornam à Caldéia.
SIN: Terra do Conhecimento Unificado
Mordred é convocado com Spartacus e Jing Ke quando outro contêiner é lançado de Xianyang. Ela concorda com Spartacus que eles precisam lutar juntos, observando como Artoria ajudou Caldéia várias vezes antes. Ela não sabe quem é Qin Shi Huang e pensa que é o menor imperador romano. O grupo então força Hinako Akuta e o príncipe de Lanling a recuar quando emergem do container. [34] Mais tarde eles matam Jotun do Cinturão Nórdico Perdido. Mordred notou que alguns fugiram, suspeitando que eles tenham um ninho em algum lugar. Ela sugere encontrá-lo e destruí-lo, uma vez que a vila é totalmente indefesa. Ela fica atrás de Nezha e Leonardo da Vinci, enquanto os outros vão encontrar o ninho de Jotun e investigar o Cinturão Perdido. Ela brinca sobre ela e Nezha encontrando e matando Hinako. Depois que os outros retornam, ela diz a Goldolf Musik para não se importar com o comportamento de Spartacus em relação aos moradores. Quando outro contêiner é lançado de Xianyang, ela o destrói com Clarent Blood Arthur. No entanto, Xiang Yu emerge de seus remanescentes e ataca o grupo. Ele sai com Langling quando o último vem buscá-lo. Mais tarde, Mordred pondera sobre sua força, notando que estava constantemente alerta para evitar lacunas em suas defesas. Ela não acredita que ele ajudaria o Qin depois de ouvir que ele se rebelou contra eles na História adequada. Da Vinci então relata que um exército está se aproximando de veículo, então o grupo vai interceptá-lo. Eles lutam contra Lanling e Xiang Yu quando Qin Liangyu e seu exército chegam, ordenando que ambos os lados se retirem. Qin Shi Duang então fala com eles através das vibrações do escudo de Mash depois de disparar um feixe magnético de foco nele. Ele concorda em entregar Tamamo Vitch se eles concordarem em deixá-lo examinar a Fronteira das Sombras, então o grupo concorda de forma relutante. Depois que ele examina a fronteira das sombras, o grupo percebe que a construção em Xianyang é sua verdadeira forma.
Mais tarde naquela noite, Mordred conversa com Spartacus depois de perceber que ele não é o seu habitual. Ela lembra que o Lostbelt é um mundo onde a guerra foi eliminada. Ela então fica confusa quando ele pergunta se eles têm o direito de estar aqui. Mais tarde, Da Vinci e Sherlock Holmes tentam convencê-la, Spartacus e Jing Ke a continuar sua trégua com Qin até que Hinako seja derrotada. Ela aceita o plano, pois era algo que costumava discutir com Agravain. Ela diz a Spartacus para suportar quando ele discorda do plano. Mais tarde, o grupo notou que Spartacus levou vários moradores para marchar em direção à capital. Mordred desaconselha o uso de um Feitiço de Comando contra ele, pois, embora o prenda, não conquistará sua obediência. Ela então pede a Ritsuka para deixá-la convencer Spartacus a parar. Ela explica que fará isso derrotando-o na submissão. Depois que Jing Ke decide se juntar, Mordred diz a Nezha para guardar a fronteira das sombras. Ela, Ritsuka, Mash e Jing Ke logo alcançam Spartacus e os moradores. Eles lutam com ele quando Nezha chega para relatar que Qin Liangyu roubou a fronteira das sombras. Sherlock deu a Nezha o Spirtiual Foundation Graph, e teve sua fuga. Qin Shi Huang ordena a Xiang Yu que mate o grupo depois de saber que eles ensinaram poesia aos aldeões, porque ele prefere que eles sejam pacificamente ignorantes. A luta de grupo contra ele quando Hinako e Lanling chegam. Os dois grupos lutam um pouco quando Qin Shi Huang repentinamente faz Hinako, Lanling e Xiang Yu recuarem. Ele lançou uma carga útil da Grande Muralha em direção à localização atual do grupo, e ela chegará em três minutos. Mordred pega Spartacus depois que o detém com um Cronista sobrecarregado. Ela fica irritada por ele chamá-la de homem, mas se recusa a bater nele em sua condição atual. Depois que ele desaparece, o Spirtual Foundation Graph reage à linha ley conectando-se ao Trono dos Heróis.
Jing Ke sugere que eles se separem nos três grupos; um para perseguir a fronteira das sombras e dois para levar os aldeões para algum lugar não observável para Qin Shi Huang. Ela designa Mordred e Nezha para escoltar os moradores, enquanto ela vai com Ritsuka e Mash para perseguir a fronteira das sombras. Depois que Mordred e Nezha terminam, eles se escondem e esperam perto de Xianyang até que todos estejam juntos antes de atacar a capital. Mordred diz que o plano está cheio de buracos, mas observa que é mais flexível por causa disso. Ela diz aos moradores que não é culpa deles que eles precisam sair, pois é assim que a guerra é para os civis. Ela concorda com o garoto, que se uniu a Spartacus, que agora experimentam a liberdade, algo que ela diz que vale a pena morrer. Mordred e Nezha então escondem os aldeões em uma caverna com provisões.
Os dois mais tarde redevos com os outros estavam indo para Xianyang, junto com Chen Gong, Red Hare e Vitch. Ela permite que Vitch ajude, pelo menos até que o último trai. Eles logo chegam à capital e matam Qin Liangyu. Enquanto viajam pela área residencial, Mordred fica preocupado com o Palácio de Epang caindo sobre eles. O grupo entra no departamento tecnológico do palácio para encontrar a fronteira das sombras lá. Eles lutam contra os soldados de Han Xin, seus comandos os fortalecendo. O capitão da guarda, Li Shuwen, chega para ajudar Han Xin. Depois de alcançar a vitória, o grupo leva a Borda das Sombras para a Árvore Fusang. Eles chegam ao tesouro quando são confrontados por Xiang Yu e Hinako, que anteriormente revelaram sua verdadeira identidade como Yu Miaoyi. A Árvore Fusang é revelada como o Mayall da Árvore da Fantasia. Depois que Xiang Yu e Yu Miaoyi são derrotados, Mordred se vangloria de como ela vai vencer as previsões de Xiang Yu toda vez. Vitch então ativa Mayall, revela que estava dentro da Árvore Fusang. Vitch então se teleporta para longe, e o Palácio de Epang cai. Qin Shi Huang aparece das ruínas agora em forma humanóide e luta contra o grupo para ver cujo mundo continuará. Depois que ele é derrotado, Mordred diz que ela ajudará idiotas como Ritsuka sempre. Qin Shi Huang confia o futuro à Caldéia, mas Xiang Yu rejeita sua decisão. Apesar de suas feridas, ele luta contra o grupo. Lamentando loucamente sua morte, Yu Miaoyi permite que Mayall a absorva. Mayall desperta completamente, e Qin Shi Huang ajuda a destruí-lo. Depois que Yu Miaoyi, Cheng Gong e Red Hare desaparecem, Mordred decide ficar com os outros até que eles deixem o Cinturão Perdido.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.05 20:44 Next-Jackfruit-1918 Violação

Eu tenho 16 anos, fui pela primeira vez a sério ao ginecologista porque comecei a namorar, queria saber se estava tudo bem, tirar algumas dúvidas, pedir a pílula, coisas normais que se deve fazer. Eu queria escolher a ginecologista onde ia mas a minha mãe obrigou me a ir ao ginecologista dela, disse me sempre que ele era um excelente médico, que foi o médico que a acompanhou quando ela estava grávida de mim e quando eu nasci. Por isso não tive opção, tive de ir ao médico dela, fui a uma primeira consulta e já não me senti bem, não gostei dos olhares, não gostei de ser um médico homem, não gostei da forma que me examinou.....contei isso a minha mãe ela disse que eu estava a fazer filmes para chamar a atenção, e para poder escolher eu a médica que quisesse, não me deixou trocar e não fez nada...uma semana depois o médico ligou a minha mãe, disse que se esqueceu de fazer um exame importante, que eu tinha de la voltar, a minha mãe obrigou me a ir. Desta vez a consulta era no consultório dele, não era no hospital, quando eu cheguei ao consultório já achei tudo muito estranho, não estava lá mais ninguém, nem rececionista, nem pacientes, ninguém...quando entrei para a consulta, ele nem falou comigo, mandou me tirar a roupa toda e deitar na marquesa com as pernas nos suportes, fiquei aflita, não me sentia bem com isto, mas tive de o fazer, quando acabei de me deitar, apareceu um outro médico, tentei tapar me o máximo que consegui mas ele veio em direção a mim e amarrou as minhas mãos e colocou me um pano na boca, e o outro amarrou me os pés, o médico da minha mãe virou se para o outro e disse: “Vês! Eu disse te que está valia a pena! Está ainda está apertadinha”. Não consegui fazer nada, não me conseguia mexer, não conseguia gritar, eles violaram me, por quase uma hora...tiraram me o que eu tinha de mais valioso, a minha virgindade, a minha inocência...a vez violavam me tanto na minha vagina como na parte de trás, quando acabaram disseram me que se eu abrisse a boca ninguém ia acreditar, que eu era uma miúda e eles médicos conceituados, não havia testemunhas, e que a minha mãe o conhecia bem, que ela nunca ia acreditar na minha história, e que ainda por cima como a minha mão não ia acreditar ele continuaria a ser meu médico é que me ia violar as vezes que tivesse vontade, e que tinha muitos mais amigos com vontade de me conhecer. Ele tinha razão, ela já não tinha acreditado antes, não ia acreditar daquela vez, eu vesti-me sai de lá a correr e fiquei calada, não contei nada, tudo isto aconteceu ha 6 meses. 2 meses depois de tudo acontecer, eu descobri que estava grávida, nesse momento eu tinha de contar a verdade, a minha mãe não acreditou em mim, chamou me de vagabunda, puta, oferecida, e ainda foi falar com o meu namorado que também não acreditou em mim, e que acabou tudo comigo, chamou me de puta, traidora, porca, disse que foi bem feita por ir para a cama com outros enquanto não era capaz de ir para a cama com ele, a minha mãe não disse nada ao médico, e expulsou me de casa, no dia que me atirou tudo porta fora disse que se eu era crescida o bastante para abrir as pernas e deixar fazerem me filhos, então também era crescida o bastante para me virar sozinha. Que ela na cria uma prostituta em casa. Tentei ir a polícia, mas quando a polícia falou com a minha mãe ela disse lhes que era um disparate, que ela conhecia o médico há anos, que eu estava a inventar a história porque tinha traído o meu namorado e me tinha corrido mal, a única coisa que a polícia me disse foi que era muito feio mentir e fazê-los perder tempo, mas que desta vez não me acontecia nada. Nunca acreditaram em mim nem por um segundo, tentei que fizessem testes de adn, riram se na minha cara e disseram-me que se eu continuasse a insistir na história, ia presa por difamação,perturbação e falso testemunho. Não tive outra opção senão desistir. Tive de abandonar a escola, consegui um trabalho que mesmo em meio da pandemia consegui manter, faço entregas de uma mercearia. Não é fácil, não só porque não é o que sonhei para mim, mas também porque toda a gente me olha como se eu fosse uma prostituta. A dona da mercearia a muito custo me arranjou um lugar para ficar, vivo na garagem da mercearia, não tem luz, e água só do lado de fora, mas pelo menos tenho um teto coisa que não tive durante 2 meses. Ganho muito pouco e com um bebé a crescer na minha barriga e sem estudos mais ninguém me dá trabalho. Junto cada cêntimo para comprar o que posso para o meu bebé. Toda a minha família, as pessoas que se diziam minha amigas, toda a gente me abandonou, quando alguma delas me vê na rua, ri-se de mim, comenta para o lado e muda de lado da rua. Eu nunca menti, aqueles canalhas violaram me e engravidaram me, e não lhes vai acontecer nada, e o pior é que eu tenho a certeza que já o fizeram antes e que o vão continuar a fazer, mais e mais mulheres/jovens/crianças vão ser violadas por eles e provavelmente vai continuar a não acontecer lhes nada, enquanto eles vivem felizes as vidas miseráveis deles, eu vivo numa garagem sem luz, com água só do lado de fora, a ter de fazer as necessidades num balde, porque só ganho 250€ por mês e não tenho dinheiro para ir para outro lugar, mal tenho dinheiro para comer, e pouco que tenho uso para comprar tudo o que meu bebé vai precisar, sofro porque não sei como vai ser quando ele nascer, não sei se vou conseguir pagar o parto, não sei se mo vão tirar por falta de condições, não sei se me vão meter numa instituição porque vão perceber que não tenho ninguém, não sei se vou ter vida daqui a 16 semanas quando o meu bebé nascer. Eu suporto tudo o que for preciso, mas se me tiram o meu filho, se me tiram o meu bebé eu não aguento, se mo tiram a minha vida deixa de fazer sentido, se afastarem o meu bebé de mim eu vou vingar me dos filhos da puta dos médicos e a seguir eu mato me. Eu não vivo neste mundo nem o meu bebé.
submitted by Next-Jackfruit-1918 to u/Next-Jackfruit-1918 [link] [comments]


2020.08.04 09:06 d_sandstrom Pluralyiah RPG: Vazando (?) raças e PEDINDO SUGESTÕES

OLÁAA PLURALYIENSES!
Venho anunciar as raças oficiais que contemplarão o livro de Pluralyiah e, como sempre, pedir revisão e ajuda ~ rindo de nervoso ~, mas com a ciência de que Pluralyiah poderá tranquilamente ser chamado de um "RPG que saiu do Reddit", com certeza terão agradecimentos a esse subreddit nas notas do livro.
Bom, vim trazer à luz as raças que foram pensadas e escritas, mas ainda sem vazar as habilidades de raça, pois essas aparecerão apenas no próximo post.

PARTE 1
PARTE 2
PARTE 3
Foi fácil encontrar raças elementais, rápidas, mágicas, mas foi de fato difícil encontrar raças mais porradeiras, e é nisso que quero ajuda. Que raças - humanoides - porradeiras vocês recomendam para Pluralyiah RPG?
NOTA: Feithnari é a raça que derivou a raça de Shayera (mulher gavião), mas com mais traços animais. Fe-éry são o que popularmente se conhece como fada/sílfide/silfo. Achei o nome Fe-éry mais adequado, em um 2.0 o hífen será removido, foi escrito assim para que a pronúncia se torne conhecida sem muito esforço. Fintrolls nesse RPG são baseados na Zyra de League Of Legends. Magmaréu são uma raça vulcânica que criei. Nagahs são criaturas cauda de ofídea no lugar das pernas. Mefite nesse RPG serão criaturas glaciais de aparência demoníaca. Nimbus são criaturas derivadas de qualquer raça com uma deformidade física e uma instabilidade mental que ganham +4 em um atributo à escolha do jogador e aumenta alguma habilidade sensorial com base na deformidade física escolhida. Suraggel são meio-anjos ou meio-demônios.
submitted by d_sandstrom to rpg_brasil [link] [comments]


2020.07.27 04:51 altovaliriano Stannis Baratheon (Parte 4)

Todos os eventos do cerco a Ponta Tempestade formam um enredo ardilosamente planejado para vermos a transformação de Stannis de Senhor para Rei.
Como vimos, ainda que ele tenha se autoproclamado rei em Pedra do Dragão, Stannis se irrita ao ser chamado de Vossa Graça depois de saber da recusa dos Senhores da Tempestade em apoiá-lo (ACOK, Prólogo). Em seguida, quando Catelyn o chama de “Lorde Stannis” ao invés “Rei” ou “Vossa Graça”, Stannis ainda range os dentes, mas “não a incomodou com títulos” (ACOK, Catelyn III). Porém, após a morte de Renly, Stannis não esboça qualquer reação quando Cortnay Penrose o chama de Senhor (ACOK, Davos II).
Estes detalhes não são aleatórios e revelam a quantidade de confiança que Stannis vai adquirindo em seu destino e nas previsões de Melisandre. Eu fui um pouco precipitado ao terminar o último texto dizendo que Melisandre só passaria a usar Stannis depois de ele perder a Batalha da Água Negra. Os primeiros sinais de seus usos começam após a tomada de Ponta Tempestade. Como veremos, ainda que sejam sinais muito incipientes, estão lá.
Por outro lado, quando Stannis deixa de se sentir um pretendente que suplica o apoio de grandes senhores temos um pequeno vislumbre de como Stannis se comportaria caso viesse a assumir o governo dos Sete Reinos. Surpreendentemente, ele não é de modo algum o Stannis que Mindinho e Varys pintaram a Ned Stark no final de A Guerra dos Tronos.
Tudo ocorre em dois capítulos diferentes, Catelyn III e Davos II de A Fúria dos Reis. Os capítulos são tão parecidos que parecem narrar a mesma história duas vezes: Stannis está com Melisandre negociando termos no cerco, as negociações falham, os personagens POV prolongam o debate a procura de alternativas para o impasse e, por fim, a sombra de Stannis mata o adversário (no caso de Catelyn, a sombra surge no capítulo seguinte, mas acho que vocês entenderam...).
A narrativa, porém, não é a mesma, especialmente no que concerne ao personagem em questão. Em ambos os capítulos, o rei tem seus trajes observados por ambos os POVs. Reparamos que toda a sua roupa era muito simples, exceto nos adornos de poder – a coroa. No capítulo de Catelyn há menção às jóias na espada e no cinto que a carrega, que não se repetem no capítulo de Davos porque Stannis não a está carregando. Isso também é digno de nota, mas por razões diferentes.
De todo modo, o contraste entre os trajes e os adornos parece indicar que os últimos derivam de uma influência da mulher vermelha. Afinal, quando está fazendo uma comparação entre Stannis e Jon Snow, Melisandre critica o Lorde Comandante por levar uma vida espartana depois de ter ascendido ao cargo:
Nunca foi sábio para um governante evitar as armadilhas do poder, pois o poder flui em quantidades não pequenas de tais armadilhas.
(ADWD, Melisandre)
Entretanto, o que a repetida descrição dos trajes nos fala é que Stannis não mudou neste aspecto após ter reconquistado a lealdade dos Senhores da Tempestade. A mudança de Stannis é comportamental e política.
No encontro com Renly, ele apenas tem o apoio de Melisandre, enquanto Renly acha suficiente levar apenas Brienne. O Baratheon mais novo está ricamente vestido, acompanhado da porta-estandarte vestida em armadura azul, enquanto Stannis era acompanhado da mulher vermelha e trajava-se com simplicidade. A simbologia já denunciava a polaridade.
No encontro com Penrose, no entanto, o rei defronta seu adversário cercado de nobres com armaduras garbosas, a ponto de o próprio Stannis parecer “deslocado naquela companhia rica e régia”, salvo pela coroa, que lhe emprestava “um certa grandeza” (ACOK, Davos II). Caso não estivesse cercado por estes senhores, é bastante possível que não houvesse grandes contrastes entre Sor Cortnay e o rei Stannis.
A forma como o Rei do Coração Flamejante entra na negociação também difere nas duas cenas. Com rei Renly, Stannis inicia o debate com a intenção de ser mais brando com o irmão do que havia anunciado:
– Não negociarei com Renly – respondeu Stannis num tom que não admitia discussão. – Pelo menos enquanto ele se disser rei.
(ACOK, Prólogo)
– Não tenho qualquer querela com Renly, se ele se mostrar respeitador. Sou seu irmão mais velho, e seu rei. Desejo apenas o que é meu por direito. Renly deve-me lealdade e obediência, e pretendo conquistá-las. Dele e desses outros senhores […].
(ACOK, Catelyn III)
Entretanto, conforme rei Renly demonstra a intenção de debochar e humilhar o irmão (que também o insulta severamente, diga-se de passagem), este expressa arrependimento em ter deixado o irmão mais novo sequer abrir a boca:
– Jurei que nunca lidaria com você enquanto usasse sua coroa de traidor. Gostaria de ter mantido essa promessa.
(ACOK, Catelyn III)
Vale ressaltar, todavia, que Stannis já demonstrou aqui não ser a pessoa inflexível que falam que ele é. Renly está sendo tão intransigente quanto ele e ambo estão oferecendo a senhoria de Ponta Tempestade um ao outro. O grande problema com Renly é que ele não tem nenhum pudor em reconhecer a ilegalidade do que está fazendo, especialmente porque ele mesmo admite não acreditar na bastardia de Joffrey, Myrcella e Tommen:
Nunca suspeitei que fosse tão esperto, Stannis. Se ao menos fosse verdade, seria realmente herdeiro de Robert.
Se ao menos fosse verdade? Está me chamando de mentiroso?
Pode provar alguma palavra dessa fábula?
Stannis rangeu os dentes.
(ACOK, Catelyn III)
Ao não reconhecer as acusações de bastardia dos filhos de Cersei, Renly não só está reconhecendo que está pulando o irmão mais velho, como está admitindo sem vergonha alguma que pretende usurpar o Trono de quem ele mesmo pensa serem os herdeiros legítimos de Robert.
Diante de tudo isso, Stannis ameaça raivosamente o irmão e chega a puxar sua espada para o irmão que carregava apenas um pêssego. Essa precipitação para a arma dá lugar a uma explosão de raiva e ameaças que encerra as negociações com um tom funesto. Mais tarde, Stannis diria que o pêssego do irmão seria uma memória que levaria para a tumba, alegando que não conseguia entender o seu significado.
Apesar de que GRRM já tenha dado uma explicação para o que Renly queria com o gesto, eu tenho para mim que a razão que a experiência tenha causado forte impressão em Stannis foi a realização de que ele quis a morte de Renly a partir daquele instante. Mas a realização do seu desejo acabou custando muito de sua paz de espírito e o preenchendo com a culpa, por mais que ele procure ativamente se convencer de que não teve nada com o ocorrido:
Basta! – Stannis retrucou. – Foi vontade do Senhor da Luz que meu irmão morresse pela sua traição. Quem cometeu o ato não importa. [...]
Se alguém dissesse que eu tinha me transformado num javali para matar Robert, provavelmente acreditariam nisso também.[...]
Só Renly conseguiria me irritar tanto com um pedaço de fruta. Ele condenou-se a si próprio com a traição que cometeu, mas eu gostava dele, Davos. Sei disso agora. Juro, irei para a cova pensando no pêssego do meu irmão.
(ACOK, Davos II)
Outro fato que eu acho que pesa na consciência de Stannis é que, por mais que ele propague aos quatro ventos que sua cruzada pelo Trono não motivada pela ambição, mas pelo dever, nos sabemos que isso não é verdade.
O Rei do Coração Flamejante é lembrado por dizer que, embora não tenha escolhido ser rei, esse tipo de questão não tem relação com a vontade. Mas isso é o que ele fala quando ele é o beneficiário da situação. Quando outra pessoa é a agraciada com títulos, Stannis pensa diferentemente, como ele deixou claro para Catelyn:
[…] Eu é que devia ter sido Mão de Robert.
Isso foi vontade de seu irmão. Ned nunca quis o cargo.
Mas o aceitou. Aquilo que devia ter sido meu. Mesmo assim, dou-lhe minha palavra, terá justiça por seu assassinato.
(ACOK, Catelyn III)
Assim, quando passou a ser atormentado com pesadelos vívidos em que assassinava seu irmão, rei Stannis deve ter passado a achar mesquinhos os motivos que o levaram a utilizar dos poderes de Melisandre.
Diga-se de passagem, o simples fato de Stannis ter lançado mão de feitiçaria para eliminar Renly e Cortnay deveria ser suficiente para desmontar a sua fama de homem honrado. Requer uma grande dose de hipocrisia para que até mesmo o próprio Stannis acredite que não maculou sua autoimagem.
Na verdade, neste capítulo vemos o próprio Stannis informar o leitor que sua tão reverenciada imagem de homem rígido, justo, austero e cumpridor do dever convencia muitos, mas não a seus irmãos. De fato, Stannis justifica não ter levado suas suspeitas da bastardia dos filhos de Cersei a seu irmão mais velho porque Robert poderia desconfiar dele:
A consideração que meu irmão tinha por mim nunca passou de dever – Stannis respondeu. – Vindas de mim, tais acusações pareceriam impertinentes e interesseiras, uma maneira de me colocar em primeiro lugar na linha de sucessão. [...]
(ACOK, Catelyn III)
Mas, justiça seja feita, talvez esta desconfiança tenha sido desenvolvida quando Stannis criou o hábito de suplicar a Robert que Ponta Tempestade lhe fosse passada, de modo que tudo pode não ter passado de uma desconfiança tola de Robert.
E Stannis sempre se sentiu espoliado de Ponta Tempestade – Cersei disse, pensativa. – A sede ancestral da Casa Baratheon, legitimamente sua… Se soubesse quantas vezes foi até Robert para cantar essa canção tediosa naquele tom sombrio e ofendido que tem. Quando Robert deu o lugar a Renly, Stannis apertou tanto os dentes que pensei que fossem se estilhaçar.
(ACOK, Tyrion III)
De todo modo, o que estou especulando é que a culpa esteja pesando forte na consciência de Stannis, a ponto de que o subconsciente esteja dando combustíveis aos pesadelos sobrenaturais que lhe tiram o sono. Porém, nem mesmo isso parece ter sido suficiente para impedir o Rei e Melisandre de empregarem o mesmo truque novamente 15 dias depois.
A dinâmica com Sor Cortnay Penrose não repete os mesmos problemas e questões havidos com Renly, mas tem o mesmo desfecho. Ainda assim, curiosamente, Stannis parece menos ávido em matar Cortnay.
Não só a conversa termina em ameaças mais amenas do que o ultimato na ponta da espada proferido contra Renly, como Stannis passa o capítulo quase inteiro buscando alternativas de como lidar com o cavaleiro de forma limpa – mesmo já sabendo de antemão que poderia utilizar as sombras de Melisandre.
O castelo cairá. Mas, como fazê-lo rapidamente? – Stannis cismou com aquilo por um momento. Sob o ritmado clac-clac dos cascos, Davos conseguia ouvir o tênue som do rei rangendo os dentes. – Lorde Alester insiste para que traga aqui o velho Lorde Penrose. Pai de Sor Cortnay. Conhece o homem, creio? [...]
O que você me aconselharia a fazer, contrabandista?
(ACOK, Davos II)
Por que Stannis estava mais diplomático com Sor Cortnay do que com o próprio irmão?
Poder-se-ia alegar, em primeiro lugar, que o ritual para matar Renly havia tido um custo muito alto que o rei não desejava pagar novamente. E, com efeito, Davos nota um envelhecimento muito preocupantes de seu suserano.
E ele também parece meio cadavérico, anos mais velho do que quando parti de Pedra do Dragão. […] visto de perto, Stannis parecia pior do que Davos julgara de longe. Seu rosto tinha se tornado macilento, e possuía círculos escuros sob os olhos.
(ACOK, Davos II)
Outra razão que podemos arguir seria que Sor Cortnay era um homem fiel a seus princípios e tão teimoso quanto o próprio Stannis. Assim, o rei estava prestigiando um homem de nascimento não tão alto quanto seu irmão por conta de sua o cavaleiro estava assumindo o papel que o próprio rei havia feito no passado, com a mesma tenacidade.
Por fim, penso que é possível especular que Stannis estava mais confortável agora que Melisandre havia lhe dado os 20 mil homens que prometeram. Com uma única tacada, Melisandre deixou o rei mais confiante em suas leituras das chamas e saciou sua sede por apoio.
Qualquer que seja o motivo, os diálogos entre Davos e o rei nos dão uma dimensão de Stannis que não havíamos experimentado até então. Vemos Stannis mais calmo, agindo no comando de vassalos de sua própria região que o haviam traído e recusado em prol de um notório usurpador. Guardadas as devidas proporções, são as mesmas circunstâncias em que Stannis assumiria o governo do reino caso sentasse no trono e ele não sai fazendo justiça cega como alardearam Varys e Mindinho a Ned Stark.
Na verdade, Stannis se mostra incrivelmente flexível e pragmático. O rei fala que concede perdões que o enojam somente para obter apoio.
Os senhores meus vassalos são inconstantes até em suas traições. Necessito deles, mas deve saber como me enoja perdoar gente assim quando puni homens melhores por crimes menores.
Até mesmo a inutilidade dos conselhos dos novos súditos é encarada pelo rei com simples tom de escárnio e uma boa dose de permissividade.
As mulas adoram o som de seus zurros, por que outro motivo? E eu preciso delas para puxarem minha carroça.
A pessoa que vemos e ouvimos em nada se parece com o homem verdadeiramente justo que Varys nos acautelara a temer. Na verdade, Stannis reflete sobre a justiça que aplicou a Davos, em razão da vida de crimes deste, mas não se propõe a nenhum ato real além de dizer que não se esquecerá da ofensa.
Um bom ato não lava os maus, e um mau não lava os bons. Cada um deve ter sua recompensa. Você foi um herói e um contrabandista – olhou de relance para trás, para Lorde Florent e os outros, cavaleiros do arco-íris e vira-casacas, que o seguiam a distância. – Aqueles senhores perdoados fariam bem em refletir sobre isso. Homens bons e leais lutarão por Joffrey, considerando-o erroneamente o legítimo rei. Um nortenho até pode dizer o mesmo de Robb Stark. Mas estes senhores que se reuniram aos estandartes do meu irmão sabiam que ele era um usurpador. Viraram as costas ao seu legítimo rei por nenhum motivo melhor do que sonhos de poder e glória, e eu tomei nota do que eles são. Perdoei-lhes, sim. Estão desculpados. Mas não esqueci.
Por fim, quando nenhuma se alternativa melhor do que a feitiçaria se apresenta, Stannis volta a depositar a questão nas garras de seu “falcão vermelho”, que estava certo e lhe trouxe 20 mil homens. A confiança na sacerdotiza fica tão alta que Stannis se permite pela primeira vez reproduzir o discurso cíclico R’hllorista.
Há luzes que lançam mais do que uma sombra. Ponha-se em frente da fogueira da noite e verá por si próprio. As chamas mudam e dançam, nunca estão quietas. As sombras crescem e encolhem, e cada homem lança uma dúzia. Algumas são mais tênues do que outras, é tudo. Pois bem, os homens lançam também as suas sombras sobre o futuro. Uma sombra ou muitas. Melisandre vê todas.
[…] Será possível que Sor Cortnay procure uma maneira de se render com honra? Mesmo que isso signifique sua vida?
Uma expressão perturbada cruzou o rosto do rei como uma nuvem passageira.
O mais provável é que planeje alguma traição. Não haverá nenhum combate de campeões. Sor Cortnay estava morto antes mesmo de arremessar aquela luva. As chamas não mentem, Davos.
E no entanto precisam de mim para que se tornem verdadeiras, pensou. Há muito tempo Davos Seaworth não se sentia tão triste.
Quando Ponta Tempestade finalmente cai para as sombras assassinas de Melisandre, ficamos sabendo em segundo mão que Stannis concedeu a Melisandre permissão para queimar “o bosque sagrado em Ponta Tempestade como oferenda ao Senhor da Luz” (ACOK, Tyrion XI). Essas pequenas permissões se parecem bastante com os mimos que Victarion Greyjoy pensa estar fazendo a Moqorro cada vez que o sacerdote o ajuda a capturar um navio.
Portanto, a influência da mulher vermelha sobre Stannis vem crescendo conforme ela se mostra eficiente, de forma que Melisandre vai se tornando cada vez mais exigente em seus mimos.
Por fim, quero propor uma reflexão: Por que Cortnay Penrose se negou a entragar Edric Storm a Stannis?
– O bastardo do meu irmão deve ser entregue a mim.
– Neste caso, minha resposta continua a ser não, senhor.
(ACOK, Davos II)
­ Ele acha que Stannis fará algum mal a Edric? Ou tem a ver com o nojo que Stannis sente por bastardos (ou por aquele bastardo em específico)?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.07.25 04:27 YatoToshiro Ultradimension Games #6- Death end re;Quest


https://preview.redd.it/y1zn0lsezwc51.jpg?width=510&format=pjpg&auto=webp&s=921697c6123b48314e0fd75bf99d816645c99567
Shina Ninomiya
Ela era a diretora do projeto World's Odyssey, mas seu desaparecimento repentino contribuiu para o encerramento do projeto. Depois que um misterioso e-mail é enviado ao colega Arata Mizunashi um ano depois, a dupla decide limpar o jogo e devolver Shina ao corpo.
Lily Hopes
Lily Hopes é um NPC da World Odyssey, servindo a princesa da nação de Heartis. Ela está presa injustamente pelo assassinato da esposa do rei e se une a Shina Ninomiya na tentativa de alcançar seu pai.
Lily aparece pela primeira vez no capítulo 1. Ela e Shina se unem para alcançar seu pai, o rei de Heartis. O rei acaba sendo controlado por uma rainha Entoma. A dupla derruba a fera, e o rei encoraja Lily em seus últimos momentos antes de morrer. Lily, agora rainha de Heartis, deixa o reino nas mãos de seu confiável capitão da guarda enquanto ela continua viajando ao lado de Shina.
Al Astra
Al Astra é um NPC na World Odyssey, e um dos personagens jogáveis em Death end re; Quest. Al é um meio animal de 15 anos e meio caráter humano da cidade de Sturfil.
Al é apresentado no capítulo 2. Al é encontrado por Shina e Lily, desnutrida e à beira da morte, e se junta ao grupo dela quando partem para a Odyssey. Antes de chegar a Sturfil, Al menciona que ela havia tentado se tornar uma aventureira, mas voltou para casa; ela viveu em paz até um dia, quando acordou e encontrou seus pais fora e sua casa em desordem.
No capítulo 5, Al finalmente conhece sua ídolo, Celica Clayton, que se junta à equipe.
Clea Glaive
Clea Glaive, também conhecido como "Red Mascate", é um NPC em "World Odyssey". Ela aparece pela primeira vez como um comerciante questionável antes de se juntar ao grupo de aventureiros de Shina.
Clea aparece pela primeira vez na cena final do capítulo 2, quando afirma que Al Astra pisou em suas lentes de contato. Depois que o mal-entendido é resolvido, Clea se junta à festa.
No capítulo 3, durante o primeiro encontro com o cadáver, Clea tenta usar sua arma anti-cadáver, mas ela falha; além disso, o encontro quase mata Shina. Clea queima todo o seu inventário para manter Shina viva, enquanto Arata procura uma solução para salvar Shina.
Lucil Filarete
Lucil Filarete é um NPC meio-elfo na World Odyssey. Ela foi expulsa da Vila dos Elfos devido à sua herança e, após a tragédia causada por Ripuka, se junta ao grupo em sua busca.
Lucil é o primeiro encontro no capítulo 4, enquanto a parte procura um terminal para chegar à Odyssey. O partido concorda em ajudar Lucil a encontrar a Orientação de Elfo para conseguir entrar na vila. No caminho, eles encontram Mita, a única amiga de Lucil entre os elfos. No entanto, eles chegam para encontrar uma mulher misteriosa matando os elfos. A mulher se apresenta como uma Luden chamada Ripuka e depois sai, com Lucil perseguindo. O resto da festa alcança Lucil, e juntos eles entram em uma batalha sem esperança com Ripuka. Ripuka convoca uma rainha Entoma antes de deixar a floresta.
Celica Clayton
Celica Clayton, renomada como a "Monarch Adventurer" em toda a World Odyssey, é um jovem NPC com tremendo talento. Ela tem um coração, e conhece Shina e companhia em sua jornada sozinha em busca da Odyssey, que continuou mesmo depois que o mundo foi infectado por insetos. Ela é a presença carismática dos aventureiros. Arata descobre que Celica compartilha uma semelhança impressionante com um ídolo estrangeiro desaparecido.
Celica é encontrada pela primeira vez no Capítulo 5. Depois que a festa a ajuda a consertar o barco, ela se junta a eles em sua jornada para alcançar Odyssey. Arata, tendo ouvido anteriormente uma reportagem sobre o desaparecimento da ídolo estrangeira Chloe Aaron, rapidamente nota como elas são parecidas.
Ripuka
Ripuka é um dos Ludens, motivado por "intenção assassina". Ao contrário dos outros Ludens, ela constantemente antagoniza a equipe de Shina.
Alice
Um membro do misterioso "Ludens", que apareceu de repente na "World Odyssey", corroída por insetos. O governante de "Desejo". Ela é a mais descontraída entre os membros de Ludens. Enquanto ela tem uma personalidade gentil na superfície, parte dela despreza os outros
Nova
Um membro do misterioso "Ludens", que apareceu de repente na "World Odyssey", corroída por insetos. O governante de "Ira". Ela é consideravelmente agressiva, mas age para que ela própria sinta dor..
Levin
Um membro do misterioso "Ludens", que apareceu de repente na "World Odyssey", corroída por insetos. O governante de "Medo". Ele é o único homem entre os membros de Ludens.
Lydia Nolan
Lydia Nolan é estrangeira e trabalha como designer de personagens de "Enigma Games". Ela se orgulha de ser um otaku, exibindo seu itabag enfeitado e sua coleção de figuras em sua mesa. Seus videogames favoritos são outros jogos, mas ela se envolve em outros gêneros de tempos em tempos. Ela valoriza honestidade, impulsividade e busca de emoções. Ela tem quase a idade de Shina e, portanto, os dois rapidamente se tornaram amigos.
Rin Asukaze
Rin Asukaze é a secretária da Enigma Games. Ela transmite as intenções do presidente em seu lugar, pois ele não aparece. Ela geralmente é tímida e não diz mais do que o necessário. Ela entrega mensagens do presidente e assim por diante, mas por algum motivo, quando Arata está em uma pitada, ela galantemente parece salvá-lo. Apesar de seu tamanho pequeno, ela tem 32 anos. Rin é filha de Werner Glock.
Sumika Tokiwa
Sumika Towika é uma programadora autodidata que trabalha na Enigma Games. Assim que ela descobre que Shina, que ela considerava uma irmã para ela, estava presa na World Odyssey, ela se une a Arata para salvá-la. Ela estuda fanaticamente o oculto e é surpreendentemente fluida em várias línguas mortas.
submitted by YatoToshiro to Excalibur_Brasil [link] [comments]


5 melhores lugares para conhecer mulheres QUAIS OS MELHORES LUGARES PARA CONHECER MULHERES? - YouTube 10 LUGARES SECRETOS para conhecer MULHERES [ Você NÃO Vai ACREDITAR! ] 5 Lugares Excelentes Para Se Conhecer Belas Mulheres 10 LUGARES INCRÍVEIS PARA CONHECER ANTES DE MORRER - YouTube LUGARES PARA CONHECER Os 5 Lugares SECRETOS Para Se Conhecer Mulheres (A Maioria ... 5 Dicas para conhecer MULHERES  NERD SEDUTOR

Onde Encontrar Uma Namorada - Os 8 Melhores Lugares

  1. 5 melhores lugares para conhecer mulheres
  2. QUAIS OS MELHORES LUGARES PARA CONHECER MULHERES? - YouTube
  3. 10 LUGARES SECRETOS para conhecer MULHERES [ Você NÃO Vai ACREDITAR! ]
  4. 5 Lugares Excelentes Para Se Conhecer Belas Mulheres
  5. 10 LUGARES INCRÍVEIS PARA CONHECER ANTES DE MORRER - YouTube
  6. LUGARES PARA CONHECER
  7. Os 5 Lugares SECRETOS Para Se Conhecer Mulheres (A Maioria ...
  8. 5 Dicas para conhecer MULHERES NERD SEDUTOR

️Livro Digital - http://bit.ly/atracao-extraordinaria ***** SIGA-ME NAS REDES SOCIAIS: Facebook: https://www.faceboo... HOW TO FIND A MAN FROM GOD OR A WOMAN FROM GOD? - # 08 Recomeço Course (Pastor Antonio Junior) - Duration: 8:34. Pastor Antônio Júnior 347,863 views Me siga também pelo Instagram: @keyla_leao CONHEÇA NOSSO BLOG: http://keylaleao.com.br/ CONHEÇA NOSSOS CURSOS: http://keylaleao.com.br/cursos/ CONHEÇA ... DICAS E TRUQUES PARA ABORDAR MULHERES EM GRUPO - Duration: 9:46. Nerd Sedutor 52,618 views. ... 11 Perguntas Para Conhecer Melhor Alguém - Duration: 13:52. Nerd Sedutor 46,121 views. ️Ebook Gratuito - http://bit.ly/43LicoesHomem-Irresistivel ***** SIGA-ME NAS REDES SOCIAIS: Facebook: https://www.fa... 10 Lugares Incríveis para Conhecer Antes de Morrer Canal da Lorrayne - https://www.youtube.com/user/lorraynej1 VÍDEOS QUE USEI Ilhas Maldivas - https://youtu... 10 LUGARES SECRETOS para conhecer MULHERES [ Você NÃO Vai ACREDITAR! ... Aprenda o Jeito CERTO Para CONQUISTAR UMA MULHER! - Duration: 13:37. ... Isso me Ajudou a Conhecer mais Mulheres ... pequena coletÂnea de imagens deste imenso brasil, cheio de belezas naturais.